Menu
2019-04-04T09:04:28-03:00
Estadão Conteúdo
Pronta desde 2016

Honda inicia operação em nova planta no interior de SP após 3 anos de espera

Primeiros modelos Fit produzidos na nova linha também começam a ser faturados nesta quarta-feira; segunda planta do grupo no País está pronta desde 2016

27 de fevereiro de 2019
7:27 - atualizado às 9:04
Indústria de automóveis
Imagem: shutterstock

Enquanto Ford afirma estar decidida a fechar a fábrica do ABC, a Honda inicia nesta quarta-feira, 27, com três anos de atraso em relação ao plano inicial, as operações da unidade de Itirapina (SP).

Os primeiros modelos Fit produzidos na nova linha também começam a ser faturados hoje. A segunda planta do grupo no País está pronta desde 2016.

Para o início de operações em apenas um turno, a Honda transferiu 500 trabalhadores da fábrica de Sumaré, que fica a 100 km, e não tem planos de contratar pessoal local.

“Futuramente faremos uma cerimônia de inauguração, mas será simbólica”, diz o presidente da Honda na América do Sul, Issao Mizoguchi. Normalmente a inauguração de uma fábrica de automóveis é feita com muita pompa e vários convidados.

Quando anunciou em 2013 a nova fábrica, um projeto de R$ 1 bilhão, a Honda provocou corrida de interessados em uma vaga entre os 17 mil habitantes da cidade, que enviaram currículos e fizeram cursos no Senai local. A expectativa era gerar 2 mil empregos quando operasse na capacidade máxima de 120 mil carros ao ano, em dois turnos.

Devagar

Após a crise que derrubou o mercado brasileiro de 3,7 milhões de veículos em 2013 para 2 milhões em 2016 -, os planos foram alterados. Desde então, a recuperação do setor continua lenta, mas manter a fábrica fechada era caro. O grupo vai transferir 2 mil empregados de Sumaré nos próximos dois anos, período em que terá toda a produção dos modelos Fit, City, Civic, HR-V e WR-V em Itirapina. “Cerca de 92% dos trabalhadores aceitaram a transferência”, diz Mizoguchi.

Na fábrica de Sumaré, inaugurada em 1997 e que vinha operando a plena capacidade, será mantida a produção de motores, para-choques e peças. A meta é aumentar a nacionalização de componentes dos carros da marca, hoje de 60%. Mizoguchi não informa se a filial dá lucro. Apenas diz que a situação “por ora, é suportável”. Em 2018, a marca repetiu as vendas de 2017, de 131 mil unidades, num mercado que cresceu 13,8%.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Um outro olhar

Investidores mudam o foco, dólar cai e Ibovespa vive dia de forte recuperação

Bolsa recupera terreno e fecha em alta de 1,33%; dólar retorna a R$ 5,51 com reação a sinalizações de banqueiros centrais

fintech do Mercado Livre

Mercado Pago recebe aporte de R$ 400 milhões do Goldman Sachs

Os recursos têm como destino a divisão de crédito da instituição, o Mercado Crédito, e servirão para expandir a oferta de crédito para pequenos e médios vencedores que usam o Mercado Pago e o Mercado Livre

presidente popular

Avaliação positiva de Bolsonaro sobe de 29% para 40%, diz Ibope

Após cair ao longo do primeiro ano de governo, a popularidade do presidente Jair Bolsonaro disparou agora em setembro, na comparação com dezembro do ano passado

218.679 pedidos

Pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro, diz Economia

Os pedidos de seguro-desemprego somaram 218.679 nos primeiros 15 dias de setembro

maiores altas percentuais

IRB, PetroRio e CVC são destaques do Ibovespa em dia de bom humor nos EUA

Por volta das 15h30, o principal índice de ações da B3 sobe 1,73%. IRB Brasil e CVC estão entre os três papéis que mais perderam valor na bolsa em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements