Menu
2021-01-11T20:06:53-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
efeito pandemia

Ford anuncia fim da produção de veículos no Brasil

Montadora deve manter o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em São Paulo, e a sede regional, no mesmo estado

11 de janeiro de 2021
16:23 - atualizado às 20:06
Ford
Ford - Imagem: shutterstock

A Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que planeja encerrar a produção de veículos nas fábricas do Brasil ainda neste ano. A montadora deve manter o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em São Paulo, e a sede regional, no mesmo estado.

Segundo a empresa, os veículos vendidos no Brasil passam a ser produzidos principalmente na Argentina e no Uruguai. A montadora também deve contar com importações de outras regiões e oferecerá suporte ao cliente com outros serviços no país.

Em comunicado, a Ford afirma que vai começar a trabalhar "em estreita colaboração" com seus sindicatos e outras partes interessadas para desenvolver um plano "equitativo e equilibrado" para mitigar os impactos da decisão. Cerca de 5 mil pessoas serão afetadas.

A produção será encerrada imediatamente nas fábricas de Camaçari (BA) e Taubaté (SP), mas algumas peças continuam a ser fabricadas por alguns meses para apoiar os estoques de vendas de reposição. A fábrica da Troller, em Horizonte (CE), continuará operando até o quarto trimestre, disse a Ford.

Como resultado, a Ford encerrará as vendas do EcoSport, Ka e T4 assim que terminarem os estoques. As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai e as organizações de vendas em outros mercados da América do Sul não serão impactadas, disse a empresa.

O CEO da montadora, Jim Farley, classificou a decisão como difícil, mas necessária para a busca de um modelo de negócio sustentável. "Estamos mudando para um modelo ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global".

No ano passado, a Ford vendeu a tradicional fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, depois de encerrar as atividades no espaço - que empregava mais de 2 mil pessoas.

Mercado em baixa

A decisão da Ford segue em linha com o que números do setor já mostram: um mercado em baixa.

Com a pandemia de covid-19, as vendas de veículos novos no Brasil somaram 2,06 milhões de unidades no ano passado, marcando queda de 26,2% na comparação com o resultado de 2019.

O tombo de 2020 foi o maior desde 2015, quando as vendas caíram 26,6%. Os dados são da Anfavea, a entidade que representa a indústria nacional de veículos.

O ano foi marcado pelo fechamento das concessionárias de carros nos dois primeiros meses da crise sanitária, seguidas por falta de automóveis para atender plenamente a arrancada da demanda - decorrência da insuficiência de peças e da redução do número de operários trabalhando simultaneamente nas linhas de montagem por conta dos protocolos de prevenção.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Reação ao balanço

Lucrou, mas não empolgou. Ações do IRB caem mesmo com melhora no resultado

Papéis da resseguradora (IRBR3) estavam entre as maiores quedas do Ibovespa nesta sexta-feira; Credit Suisse vê piora operacional da companhia

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Educação

Ações da Cogna avançam, mesmo com prejuízo líquido de R$ 90,975 milhões no 1º trimestre

Confira outros destaques do balanço da empresa, que viu uma queda de 18,1% nos investimentos

Exile on Wall Street

As bolsas deixaram os fundamentos de lado esta semana — mas você não deve!

A semana é de resultados, mas não se fala em outra coisa a não ser na alta de juros, após reunião do Copom que levou a Selic para 3,5% ao ano. Além disso, a inflação americana, que veio acima da expectativa, elevou as estimativas de juros futuros nos Estados Unidos.  Com isso, mesmo empresas com […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies