Menu
2021-01-12T18:20:14-03:00
Estadão Conteúdo
setor em crise

Falta de estoques afeta entrega de carros a locadoras

Volume de carros hoje é suficiente para apenas 12 dias de venda. Em condições normais, esse estoque gira em torno de 30 a 35 dias

12 de janeiro de 2021
14:08 - atualizado às 18:20
Honda carros veículos
Imagem: Shutterstock

A decisão da Ford de encerrar sua produção é só uma parte da crise hoje no setor no País. A queda no estoque de automóveis de fábricas e concessionárias registrada nos últimos meses respinga também no mercado de locação de veículos.

Atualmente, as empresas de aluguel de carros aguardam a entrega de 100 mil veículos adquiridos e em atraso, segundo a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA). "Tudo isso se refletiu no preço dos carros e também no valor das diárias, uma vez que esse é um período de forte demanda", diz o presidente da entidade, Paulo Miguel Jr..

O executivo afirma que o problema é resultado das restrições sanitárias do início da pandemia, que prejudicaram a entrega de peças para as montadoras. Na semana passada, a Anfavea - associação que reúne as fabricantes do setor - anunciou que o estoque das empresas entra 2021 no pior nível de todos os tempos.

O volume de carros hoje é suficiente para apenas 12 dias de venda. Em condições normais, esse estoque gira em torno de 30 a 35 dias. A falta de peças, segundo a entidade, é o principal limitador à retomada da produção - cerca de 30% dos componentes dos veículos são importados.

Segundo Miguel Jr., os pedidos das locadoras que normalmente eram entregues em 30 a 45 dias hoje estão entre 90 a 120 dias. Essa extensão de prazo prejudica o planejamento e os negócios das locadoras, como a demanda de carros por assinatura. Esses contratos são de longo prazo e voltados para pessoa física. "O problema é que vários clientes assinaram o contrato e estão tendo de esperar cerca de 120 dias para receber o carro."

O diretor da locadora Europcar, Eladio Paniagua Jr., afirma que os atrasos têm ocorrido desde abril do ano passado. A empresa aguarda a entrega de 100 veículos, mas as montadoras só têm conseguido enviar cerca de 20 por mês. Ele diz que algumas fábricas estão pedindo até 180 dias para a entrega dos automóveis. "Isso causa um transtorno grande porque temos de entregar os veículos aos nossos clientes e não conseguimos."

Para ele, além do atraso, outro problema é o aumento dos preços dos veículos. "De abril a dezembro, por causa da alta do preço do aço e outras peças, houve reajuste de 20% no valor dos carros." Além disso, completa o executivo, os descontos que o segmento normalmente tinha - e que variavam entre 13% e 26% - caíram para algo entre 6% e 12%.

Miguel Jr. diz que a expectativa é que a situação comece a se normalizar em março. Atualmente, o setor opera com 100% de ocupação, sendo que em situações normais esse porcentual é de 80% a 90%. No ano passado, foram comprados 350 mil veículos - 76 mil a menos que em 2019. A frota deve somar 1,1 milhão de veículos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies