Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-12T18:26:49-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Fechou as fábricas

Saída da Ford do Brasil deve impactar locadoras de veículos a curto prazo, diz Credit Suisse

Em relatório, banco suíço fala do impacto da saída da Ford e da Mercedes-Benz do país. Veja quais locadoras serão as mais afetadas.

12 de janeiro de 2021
12:05 - atualizado às 18:26
Ford
Ford - Imagem: shutterstock

O Brasil vai demorar a acelerar após a Ford ter tirado suas fábricas do País, segundo relatório divulgado nesta terça-feira (12) pelo Credit Suisse

Leia também:

Na última segunda-feira (11), a Ford comunicou ao mercado a intenção de fechar suas três fábricas no Brasil, em Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte (CE), o que encerrou a produção de automóveis da marca no País. Vale a pena lembrar que a Mercedes-Benz também fechou sua fábrica no Brasil (Iracemápolis, SP), que produzia os modelos Classe C e GLA.

No relatório, o analista do banco de investimentos suíço, Regis Cardoso, dá um panorama do impacto da Ford e da Mercedes no Brasil: dos 1,6 milhões de carros produzidos no País, a Ford foi responsável por 119 mil carros (7,4%). Mercedes-Benz representou cerca de 0,4% (6,8 mil carros).

Ainda dando panoramas de produção no País, o Credit fala que "a produção total de veículos no Brasil em 2019, em um cenário não pandêmico, atingiu 2,95 milhões de carros, o que representa uma taxa de utilização de 58,4% considerando os 5,05 milhões de carros por ano de capacidade atualmente instalada no país".

Por conta disso, a saída da Ford deve ter efeitos limitados de médio a longo prazo sobre a disponibilidade de carros no Brasil, já que outras empresas têm capacidade ociosa para atender à demanda. 

Locadoras de veículos sofrerão

O setor de locadoras de veículos deve ser o mais afetado pela saída da empresa americana do Brasil. A Localiza, por exemplo, deve ser a mais impactada, já que 14% da sua frota atual viria da Ford. 

A Unidas seria a vice, já que 12% de sua frota viria da Ford. A Movida, por outro lado, deve ser a menos afetada, já que apenas 0,5% de sua frota atual vem da empresa americana. 

O banco de investimentos adiciona que "a decisão da montadora de deixar o Brasil pode ter repercussão negativa para as locadoras, já que a redução da produção local e da capacidade ociosa pode reduzir seu poder de barganha na compra de carros novos."

Além disso, as empresas de bens de capital também podem ser afetadas. A redução da demanda doméstica por autopeças pode impactar negativamente empresas de bens de capital da cadeia de valor automotiva, como a Iochpe-Maxion (MYPK3), explica o Credit.

"No entanto, acreditamos que o impacto será limitado, pois poderá ser compensado por um ganho de participação de players locais ou por veículos importados de fabricantes fornecidos pela empresa", completa o banco. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: Suas definições de “responsabilidade fiscal” foram atualizadas

A temporada de resultados brasileira, que começou na última sexta-feira, segue hoje com EcoRodovias, EDP Brasil, Neoenergia e TIM, após o fechamento do mercado. Enquanto isso, ao longo do dia, o presidente Jair Bolsonaro deverá lançar o Programa de Crescimento Verde, indicativo positivo para a COP26 de novembro

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) retoma os US$ 63 mil após cair na sexta-feira e outras criptomoedas sobem até 10% hoje; confira

Destaque para a Solana (SOL), que vem apresentando resultados acima da média das dez principais moedas do mundo

UM OLHO NO GATO, OUTRO NO PEIXE

Como a encrencada Evergrande pretende se inspirar em Elon Musk para sair da draga

Depois de depositar dinheiro devido a credores externos, fundador fala em deixar em segundo plano os empreendimentos imobiliários para investir em setores considerados mais promissores

MERCADOS HOJE

Ibovespa tenta se recuperar do baque fiscal e abre a semana em alta de mais de 2%; dólar recua

Os investidores começam a semana ainda digerindo a confirmação do rompimento do teto de gastos, mas como a situação deixou de ser especulativa, abre espaço para uma recuperação do Ibovespa

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro sobe após a abertura com boas perspectivas para os balanços e dólar avança hoje

No panorama doméstico, o risco fiscal permanece no radar, enquanto a semana conta com importantes balanços

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies