Menu
2019-12-13T15:47:52-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Última forma

Agora que o governo voltou atrás, saque aniversário do FGTS ficou mais vantajoso

13 de dezembro de 2019
15:47
Bolo de aniversário
Agora que o governo recuou da distribuição de 100% do lucro do fundo de garantia aos trabalhadores, retorno do FGTS deve voltar a perder da poupança, mesmo com juro baixoImagem: Shutterstock

Há mais ou menos um mês eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria sobre em quais situações o saque aniversário do FGTS valeria a pena.

Trata-se de uma nova modalidade de saque do fundo de garantia em que o trabalhador pode escolher receber uma parte dos seus recursos depositados no fundo uma vez por ano, perto do seu aniversário, ainda que não se enquadre em nenhuma outra regra de saque.

De fato, a opção por essa nova modalidade depende muito da situação profissional e financeira do trabalhador.

Quando eu publiquei a matéria em questão, ressaltei que um dos fatores que o trabalhador deveria considerar na hora da decisão era o fato de que o governo havia estabelecido, neste ano, que o FGTS deveria distribuir 100% dos seus lucros aos trabalhadores cotistas, elevando o parco rendimento do fundo.

Tal medida poderia fazer com o que o fundo de garantia rendesse mais do que a inflação e a caderneta de poupança, podendo até mesmo se aproximar do CDI - e sem cobrança de imposto de renda.

Ou seja, quem estivesse pensando em optar pelo saque aniversário para investir os recursos deveria se preocupar em buscar aplicações, no mínimo, tão rentáveis quanto (e com mais liquidez, claro).

Última forma

Só que ontem o governo voltou atrás. O presidente Jair Bolsonaro atendeu a um pedido do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e vetou o dispositivo que ampliaria a distribuição do lucro e a rentabilidade das contas, previsto na lei que trata dos saques do fundo de garantia.

Ou seja, agora as coisas vão voltar a ser como eram antes. O FGTS vai pagar a remuneração fixa de 3% ao ano mais Taxa Referencial (TR) - que atualmente se encontra zerada - mais uma "parte" do lucro do FGTS, conforme a regra criada em 2017 durante o governo Michel Temer.

Seguindo esta regra, nos dois anos anteriores (2017 e 2018), o FGTS distribuiu apenas 50% dos seus lucros aos cotistas. Mas como esta regra não define um percentual exato, nada impede que ele possa ser maior ou menor do que isso. Vai depender da orientação econômica do governo.

Seja como for, o lucro referente a 2018 já foi integralmente distribuído aos cotistas do FGTS, conforme a regra que estabelecia a distribuição de 100% dos ganhos. Ou seja, o veto do presidente Bolsonaro só vai afetar mesmo a distribuição dos lucros a partir do ano que vem.

O argumento do Ministério do Desenvolvimento Regional é de que o pagamento da totalidade dos lucros aos cotistas retiraria recursos do Minha Casa Minha Vida para beneficiar, sobretudo, os trabalhadores de maior renda, que têm mais recursos no fundo de garantia.

Retorno deve voltar a perder das aplicações conservadoras mesmo com a Selic baixa

Embora a distribuição dos lucros melhore o retorno do FGTS, a rentabilidade final é sempre incerta, uma vez que o lucro do fundo pode variar de um ano para o outro. Mas se os resultados fossem distribuídos integralmente, poderia ser que o retorno conseguisse, pelo menos, ganhar da poupança e se aproximar do CDI, como ocorreu no ano passado.

Se o FGTS voltar a distribuir apenas 50% dos lucros - percentual este que também não é garantido, é possível que seu rendimento volte a ficar inferior ao da caderneta.

Veja, apenas 50% do lucro do FGTS em 2016 e 2017 foram distribuídos para os cotistas do fundo nos anos de 2017 e 2018, respectivamente. Em ambas as ocasiões, os rendimentos do fundo de garantia ficaram abaixo do CDI e da poupança, ganhando apenas da inflação. Se 100% dos lucros tivessem sido distribuídos, como ocorreu neste ano com os lucros de 2018, o FGTS teria ganho pelo menos da poupança.

Ou seja, se você ainda estava na dúvida quanto à vantagem do saque aniversário no quesito rentabilidade, não precisa mais se inquietar quanto a isso.

Se você quer fazer uma escolha consciente para o seu perfil, dá uma olhada nesta matéria que eu escrevi sobre as situações em que é vantajoso optar pela modalidade. Confira também esta outra reportagem com todas as regras do saque aniversário do FGTS.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies