Menu
2019-01-09T12:56:12-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

Fluxo cambial abre o ano negativo em US$ 1,3 bilhão, mas isso não faz preço

Formação de preço, como sempre, está no mercado futuro, onde fundos tem “aposta” de US$ 32,5 bilhões na alta do real

9 de janeiro de 2019
12:56
Dolar-nota-queirmando 2
Imagem: Shutterstock

O fluxo cambial na primeira semana de 2019 foi negativo em US$ 1,312 bilhão, reflexo de saídas de US$ 654 milhões na conta financeira e outros US$ 658 milhões na conta comercial. Essa perda de moeda, no entanto, não tem relação com a cotação do dólar, que caiu 4% nos três primeiros dias do ano, e segue em baixa nesta semana.

Ainda sobre fluxo, o que se espera pelo comportamento sazonal é que a entrada de dólares volte a superar as saídas com mais consistência ao longo das próximas semanas e meses. No lado financeiro, fundos e empresas tendem a retomar exposições que foram fechadas no fim de 2018 para apuração de balanço. No lado comercial, as exportações voltam a ganhar fôlego no começo do ano com os embarques agrícolas. Atenção à safra de soja, já que nas últimas semanas mudanças climáticas estão levando a revisões sistemáticas para baixo no volume de produção.

Em dezembro, o fluxo foi negativo em US$ 12,756 bilhões, maior para meses de dezembro desde 2014, quando a saída foi de US$ 14,050 bilhões. A saída na conta financeira ficou em US$ 14,635 bilhões, refletindo o forte aumento nas remessas de empresas para fechamento de balanços e outros compromissos. Em 2018, no entanto, fluxo foi negativo em US$ 995 milhões.

Esse aumento nas remessas de fim de ano levou o Banco Central (BC) a atuar no mercado desde o fim de novembro com leilões de linha com compromisso de recompra. Foram dez atuações que somaram US$ 12,25 bilhões, sendo US$ 11 bilhões em “dinheiro novo” e outro US$ 1,25 bilhão em rolagem de linha.

Nessas operações, o BC faz um empréstimo dos dólares das reservas internacionais, que posteriormente serão devolvidos. As linhas atualmente em aberto têm vencimentos entre fevereiro e março. No fim desses meses, o BC decidirá se deixa as linhas vencerem ou se renova as operações via rolagens.

O fluxo negativo e as linhas ofertadas pelo BC impactam a posição de câmbio dos bancos no mercado à vista, que fechou o ano vendida em US$ 24,865 bilhões e segue aumentando.

Mercado futuro e formação de preço

É na B3 que ocorre a formação de preço na moeda, pois é lá que os comprados, que ganham com a alta do dólar, e os vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana.

O dólar apresenta firme trajetória de baixa desde o começo do ano e, nesta quarta-feira, testa a linha dos R$ 3,68, algo que não se via desde o fim de outubro, quando a moeda marcou R$ 3,65. No lado técnico, a moeda perdeu todas as médias móveis de 50, 100 e 200 períodos, o que reforçaria o viés de baixa.

O investidor estrangeiro segue na ponta de compra de dólar futuro. Depois de fechar 2018 vendido em US$ 2,3 bilhões, a posição no pregão de terça-feira já estava comprada em US$ 4,6 bilhões, uma variação de US$ 6,9 bilhões.

No cupom cambial (DDI, juro em dólar) houve redução de US$ 5 bilhões na posição no mesmo período, mas o gringo segue comprado em US$ 29,2 bilhões. Assim, o estoque total do não residente é comprado em US$ 33,8 bilhões. Em 10 de dezembro, essa posição bateu recorde a US$ 41,7 bilhões.

Neste começo de ano, os maiores vendedores de moeda foram os bancos, com uma variação de posição de US$ 7,2 bilhões. Assim, a posição comprada em dólar caiu de US$ 12,4 bilhões no fim de 2018 para US$ 5,2 bilhões. No cupom cambial, os bancos reduziram a posição vendida em US$ 11,3 bilhões, para US$ 8,3 bilhões. Com isso, a exposição líquida é vendida em US$ 3,14 bilhões, que pode ser considerada pouco expressiva.

Os bancos fizeram um grande ajuste de posições na virada do ano, por isso não é possível afirmar que tenham realizado prejuízos (vendendo dólar quanto ele cai), já que as instituições financeiras também têm posições no mercado à vista (reflexo do fluxo negativo e leilões de linha) e em mercado de balcão.

A maior contraparte do gringo no mercado é o investidor institucional. Os fundos de investimento estão com uma posição vendida total de US$ 32,6 bilhões tendo fechado o ano em US$ 26,5 bilhões.

Essa posição é formada por US$ 10,6 bilhões em dólar futuro e US$ 22 bilhões em cupom cambial. No fim de 2018, esses estoques estavam em US$ 10,7 bilhões em dólar e US$ 15,8 bilhões em cupom.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

coronavírus no brasil

Brasil passa da marca de 1,5 milhão de casos confirmados de covid-19

Do total de infectados até o momento, 868.372 já se recuperaram

ministro da Economia

Presidente está determinado a seguir em frente com reformas, diz Guedes

Guedes voltou a traçar um prognóstico positivo para a recuperação da atividade econômica após o momento mais dramático dos efeitos da pandemia do novo coronavírus

seu dinheiro na sua noite

Aqui, ali, em qualquer lugar

Os protestos surgiram logo no primeiro dia da quarentena aqui em casa. O André, meu filho mais velho, reclamou de tédio, e não demorou até ganhar a adesão da Helena. A situação se acalmou depois que a escola adotou as aulas virtuais. Mas com as férias a partir desta semana já começo a temer por novas “manifestações”. […]

gigante estatal

Petrobras aguarda autorização da ANP para avançar com diesel vegetal

A Petrobras está em fase final de desenvolvimento da tecnologia que permitirá a produção de óleo diesel de origem vegetal em suas refinarias, afirmou o diretor de Relacionamento Institucional da estatal, Roberto Ardenghy

Semana positiva

Ibovespa sobe mais de 3% na semana e dólar cai a R$ 5,31; dados positivos se sobrepõem à cautela

Indicadores econômicos mais fortes no mundo, somados a novas injeções de recursos pelos BCs e governos, levaram o Ibovespa às máximas em quase um mês e permitiram um alívio no dólar à vista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements