Menu
2019-12-03T16:51:59-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).

Dólar teria que subir a R$ 4,50 para inviabilizar corte de juros, diz Itaú Unibanco

3 de dezembro de 2019
14:23 - atualizado às 16:51
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco
Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco - Imagem: Solange Macedo/Itaú

O Banco Central tem espaço para manter o ciclo de corte da taxa básica de juros (Selic) apesar da alta recente do dólar, afirmou hoje o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita.

Embora o câmbio seja um risco, a moeda norte-americana teria que subir para o patamar de R$ 4,50 para inviabilizar a continuidade da redução dos juros, segundo Mesquita, em entrevista coletiva na sede do Itaú BBA, unidade de atacado do banco.

O Itaú projeta um novo corte de 0,5 ponto percentual da Selic pelo BC, o que levará o juro a encerrar 2019 em 4,5% ao ano. O economista projeta outras duas quedas de 0,25 ponto no começo do ano que vem, o que deve levar a taxa a atingir os 4% no final do atual ciclo de cortes.

PIB acima do esperado

O resultado do PIB do país de 0,6% no terceiro trimestre ficou acima do esperado pelo Itaú, que projetava uma expansão de 0,5%. Mesquita ainda não revisou a estimativa de uma expansão de 1% da economia neste ano, mas disse que se apenas "plugar" o número do terceiro trimestre a projeção do banco para o ano sobe para 1,2%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pacote comercial

Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica vinha sendo negociado pelos dois países desde 2011, mas estava em hibernação até a eleição do presidente Jair Bolsonaro

Relatório de produção

Vale: Produção de minério vai a 88,676 milhões/toneladas, alta anual de 2,3%

No relatório que divulgou nesta segunda-feira, 19, a companhia informa que está evoluindo com seu plano de estabilização e entregou uma forte produção de minério de ferro no terceiro trimestre.

Buscando eficiência

Infraestrutura anuncia início do plano de incorporação da Valec e EPL

Segundo a pasta, um dos principais objetivos da incorporação é “otimizar os gastos por meio de uma empresa mais enxuta, eficiente e sustentável”.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Segurando o teto

Hoje foi dia de descolamento entre o Ibovespa e as bolsas americanas novamente. E tudo por causa dos impasses que vêm pesando sobre as perspectivas dos investidores nos últimos tempos. Mas desta vez o jogo virou. Foi a bolsa brasileira que se saiu bem, enquanto as bolsas americanas amargaram perdas. Lá fora, o vaivém das […]

Agora vai?

Agora é oficial: CSN entra com pedido de IPO da unidade de mineração

A abertura de capital da unidade da CSN que inclui a mina Casa de Pedra é aguardada há pelo menos uma década, a ponto de ganhar status de lenda urbana no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements