Menu
2019-09-03T19:53:37-03:00
Passou a tesoura

BC do Chile decide cortar taxa básica de juros em 50 pontos-base, a 2%

Dirigentes da instituição apontam para uma piora do cenário externo desde seu último encontro

3 de setembro de 2019
20:48 - atualizado às 19:53
Moedas do Chile
Imagem: Shutterstock

O Banco Central do Chile decidiu hoje reduzir sua taxa básica de juros em 50 pontos-base, a 2,0%. A medida foi adotada por unanimidade entre os dirigentes e o comunicado afirma que a principal notícia desde a reunião anterior havia sido "a piora do cenário externo".

O BC chileno afirma que houve um recrudescimento no conflito comercial entre Estados Unidos e China, com impacto em outras economias integradas nas cadeias de valor e nos mercados financeiros.

Além disso, a economia global continua a desacelerar, com destaque para o enfraquecimento da indústria.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Há ainda riscos geopolíticos, entre eles o complicado processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, e uma "severa deterioração da situação da Argentina".

Nesse contexto, houve relaxamento monetário em nível global, enquanto os mercados continuam a mostrar alta volatilidade e aversão ao risco.

O mercado financeiro local seguiu os acontecimentos externos, com destaque para a depreciação do peso chileno frente ao dólar e para a queda da bolsa e das taxas de juros de longo prazo, afirma o BC.

O conselho concluiu que o desempenho da economia no segundo trimestre e suas perspectivas apontam para que a convergência da inflação à meta tomará mais tempo, o que tornou necessário um maior estímulo monetário.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

Índice do medo dos investidores se aproxima de patamares vistos durante auge da guerra comercial

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

gringo longe

Investimento estrangeiro em ações brasileiras fica negativo em US$ 4,7 bilhões em 2019

Para 2020, a projeção é de saldo positivo de US$ 5,0 bilhões, segundo dados do Banco Central

Uma longa estrada à frente

Credit Suisse vê potencial de alta de 32% para bancos e eleva recomendação de ações do Santander

Os analistas do banco suíço não temem aumento da competição no setor e possuem indicação equivalente a compra para as ações dos quatro grandes bancos

balanço do ano

Rombo das contas externas chega a US$ 50 bilhões; resultado de 2019 foi o pior em 4 anos

Ainda assim, o resultado não chega a preocupar os especialistas, já que o déficit foi largamente superado pela entrada de recursos via Investimentos Diretos no País

Cautela elevada

Mercados em alerta: tensão com o coronavírus faz o Ibovespa cair mais de 2,5% e leva o dólar a R$ 4,21

A disseminação do coronavírus eleva a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Todas as ações do índice operam em queda, em especial as ligadas ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e siderúrgicas

proposta à mesa

Agora vai? JSL volta a avaliar IPO da Vamos

Empresa desistiu da oferta da Vamos em abril do ano passado após não ter demanda para faixa indicativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements