IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2019-03-11T18:40:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
ViaMobilidade 15

Consórcio do grupo CCR vence leilão de concessão da Linha 15 – Prata do monotrilho de São Paulo

Grupo foi o único a fazer uma oferta pela linha e ofereceu um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões

11 de março de 2019
16:01 - atualizado às 18:40
linha-15-prata
Linha 15-Prata do Metrô (Monotrilho). - Imagem: Diogo Moreira/Máquina CW/Wikimedia Commons

O consórcio Via Mobilidade 15, representado por CCR e Ruasinvest Participações, venceu o leilão de concessão da Linha 15-Prata do monotrilho de São Paulo. O evento ocorreu na tarde desta segunda-feira na capital paulista.

O consórcio foi o único a fazer uma oferta pela linha. A proposta apresentada previa um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões, o que corresponde a um ágio de 0,59% ante o lance mínimo estabelecido no edital, de R$ 159 milhões.

Após o anúncio do resultado do leilão, as ações ordinárias da CCR, que caíam pouco mais de 0,50% na bolsa, ganharam fôlego e operavam próxima à estabilidade no meio da tarde.

R$ 4 bilhões em 20 anos

Em declarações após o leilão de concessão, o diretor presidente da CCR Mobilidade, Italo Roppa, afirmou que a linha 15 deve exigir investimentos da ordem de R$ 4 bilhões ao longo dos 20 anos de contrato. A estimativa leva em conta desembolsos com operação e manutenção de equipamentos e sistemas, explicou. O valor não considera a outorga fixa.

Segundo Roppa, "boa parte" desses investimentos deverão ser realizados com recursos próprios e a fatia a ser financiada com capital de terceiros não está definida, mas dependerá de "negociação de mercado".

Conforme previsto no edital, ao longo do prazo de concessão o concessionário deverá investir R$ 345 milhões no ramal, composto por 11 estações, entre a Vila Prudente e o Jardim Colonial, somando 15 quilômetros de vias elevadas.

O diretor afirmou ainda que a falta de competição no leilão não está relacionada aos riscos da concessão, mas à capacidade e conhecimento na operação "driveless" e em monotrilho de demais competidores. O executivo destacou que a companhia já opera no sistema sem operador na Linha 4 e adquiriu conhecimento na operação de monotrilho após levar a Linha 17.

Problemas no meio do caminho

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo chegou a indicar na semana passada que o grupo CCR seria o vencedor do leilão. Segundo a entidade, há várias irregularidades no processo, com vícios que comprometeriam a concorrência.

Os metroviários destacaram, em particular, a exigência de experiência mínima de doze meses na operação de monotrilhos ou VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), com demanda superior a 200 mil passageiros por dia, em média, o que favoreceria a CCR.

Vale lembrar que a Linha 15 - Prata funciona desde agosto de 2014 entre duas estações, Vila Prudente e Oratório, em um trecho de 2,9 quilômetros. Em abril de 2018 foram entregues, para operação assistida, outras quatro estações, com cerca de 5 quilômetros: São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União.

De acordo com o site do Metrô São Paulo, outras quatro estações - Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus - estão em fase de finalização de acabamentos e montagem dos sistemas, tais como alimentação elétrica e telecomunicações. Para essas estações, a previsão é de que a entrega ocorra entre outubro e dezembro deste ano. Um trecho adicional até a Estação Jardim Colonial (antiga Iguatemi) está previsto para ser construído até o segundo semestre de 2021.

Doria: triste é o vazio

Ao discursar sobre a concessão da linha 15, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), minimizou o baixo número de interessados no leilão. "É a regra. Pode se apresentar uma, duas, três, quantas empresas desejarem, a regra é muito clara: teve uma proposta, a proposta é analisada, como foi esta, é válida e ela é importante".

O governador também disse que o problema no caso seria "o vazio, estarmos aqui todos decepcionados pela falta de uma empresa com interesse para a conclusão de uma linha tão importante como essa". Para ele, seria melhor para o leilão a participação de mais competidores, mas se apenas uma empresa declarar interesse em assumir a responsabilidade de levar adiante a obra, "assim será ".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MARKET MAKERS

O segredo do maior empregador do Brasil: Como atravessar à crise sem desistir do país?

2 de fevereiro de 2023 - 10:50

Num país em que as decisões políticas parecem sobrepujar as melhoras do cenário macroeconômico, a esperança se torna fundamental

AGENDA ESG

Itaú (ITUB4) capta R$ 2 bilhões em títulos sociais para investir em negócios liderados por mulheres

2 de fevereiro de 2023 - 10:33

O banco emitiu R$ 2 bilhões em letras financeiras sociais, também chamadas de social bonds, no mercado local

EXPLORANDO OPÇÕES?

Veja as primeiras explicações da Oi (OIBR3) para o pedido cautelar que pode anteceder seu retorno à recuperação judicial

2 de fevereiro de 2023 - 10:14

Oi (OIBR3) antecipa a possibilidade de um ingressar em um novo processo de recuperação judicial sem nem bem ter saído do primeiro

O MEDO NA ESQUINA

Bitcoin (BTC) se aproxima dos US$ 24 mil e sobrevive ao Fed e ao Facebook — mas as big techs ainda podem melar o rali das criptomoedas; entenda

2 de fevereiro de 2023 - 9:49

A semana dos balanços das empresas de tecnologia tem potencial de movimentar as cotações das maiores moedas digitais do mundo

Eleições 2026?

Em evento do Credit Suisse, Faria Lima ‘elege’ Tarcísio de Freitas presidente da República em 2026

2 de fevereiro de 2023 - 9:18

No evento do Credit Suisse, faltou cadeira para os interessados em ouvir o que o governador de SP tinha a dizer

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies