🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
ViaMobilidade 15

Consórcio do grupo CCR vence leilão de concessão da Linha 15 – Prata do monotrilho de São Paulo

Grupo foi o único a fazer uma oferta pela linha e ofereceu um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
11 de março de 2019
16:01 - atualizado às 18:40
Linha 15-Prata do Metrô (Monotrilho). - Imagem: Diogo Moreira/Máquina CW/Wikimedia Commons

O consórcio Via Mobilidade 15, representado por CCR e Ruasinvest Participações, venceu o leilão de concessão da Linha 15-Prata do monotrilho de São Paulo. O evento ocorreu na tarde desta segunda-feira na capital paulista.

O consórcio foi o único a fazer uma oferta pela linha. A proposta apresentada previa um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões, o que corresponde a um ágio de 0,59% ante o lance mínimo estabelecido no edital, de R$ 159 milhões.

Após o anúncio do resultado do leilão, as ações ordinárias da CCR, que caíam pouco mais de 0,50% na bolsa, ganharam fôlego e operavam próxima à estabilidade no meio da tarde.

R$ 4 bilhões em 20 anos

Em declarações após o leilão de concessão, o diretor presidente da CCR Mobilidade, Italo Roppa, afirmou que a linha 15 deve exigir investimentos da ordem de R$ 4 bilhões ao longo dos 20 anos de contrato. A estimativa leva em conta desembolsos com operação e manutenção de equipamentos e sistemas, explicou. O valor não considera a outorga fixa.

Segundo Roppa, "boa parte" desses investimentos deverão ser realizados com recursos próprios e a fatia a ser financiada com capital de terceiros não está definida, mas dependerá de "negociação de mercado".

Conforme previsto no edital, ao longo do prazo de concessão o concessionário deverá investir R$ 345 milhões no ramal, composto por 11 estações, entre a Vila Prudente e o Jardim Colonial, somando 15 quilômetros de vias elevadas.

O diretor afirmou ainda que a falta de competição no leilão não está relacionada aos riscos da concessão, mas à capacidade e conhecimento na operação "driveless" e em monotrilho de demais competidores. O executivo destacou que a companhia já opera no sistema sem operador na Linha 4 e adquiriu conhecimento na operação de monotrilho após levar a Linha 17.

Problemas no meio do caminho

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo chegou a indicar na semana passada que o grupo CCR seria o vencedor do leilão. Segundo a entidade, há várias irregularidades no processo, com vícios que comprometeriam a concorrência.

Os metroviários destacaram, em particular, a exigência de experiência mínima de doze meses na operação de monotrilhos ou VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), com demanda superior a 200 mil passageiros por dia, em média, o que favoreceria a CCR.

Vale lembrar que a Linha 15 - Prata funciona desde agosto de 2014 entre duas estações, Vila Prudente e Oratório, em um trecho de 2,9 quilômetros. Em abril de 2018 foram entregues, para operação assistida, outras quatro estações, com cerca de 5 quilômetros: São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União.

De acordo com o site do Metrô São Paulo, outras quatro estações - Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus - estão em fase de finalização de acabamentos e montagem dos sistemas, tais como alimentação elétrica e telecomunicações. Para essas estações, a previsão é de que a entrega ocorra entre outubro e dezembro deste ano. Um trecho adicional até a Estação Jardim Colonial (antiga Iguatemi) está previsto para ser construído até o segundo semestre de 2021.

Doria: triste é o vazio

Ao discursar sobre a concessão da linha 15, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), minimizou o baixo número de interessados no leilão. "É a regra. Pode se apresentar uma, duas, três, quantas empresas desejarem, a regra é muito clara: teve uma proposta, a proposta é analisada, como foi esta, é válida e ela é importante".

O governador também disse que o problema no caso seria "o vazio, estarmos aqui todos decepcionados pela falta de uma empresa com interesse para a conclusão de uma linha tão importante como essa". Para ele, seria melhor para o leilão a participação de mais competidores, mas se apenas uma empresa declarar interesse em assumir a responsabilidade de levar adiante a obra, "assim será ".

*Com Estadão Conteúdo.

Compartilhe

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

TROCA DE COMANDO

CEO da CCR (CCRO3) renuncia ao cargo na véspera do leilão de aeroportos

17 de agosto de 2022 - 9:40

Apontada como favorita, a CCR vai ficar fora da disputa dos aeroportos, mas a saída de Marco Antonio Cauduro aparentemente não tem relação com esse fato

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de 6% em swing trade com Simpar (SIMH3) e ganhos de 4% em long & short com CCR (CCRO3) e Embraer (EMBR3)

21 de julho de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade com a Simpar (SIMH3) e uma oportunidade de long and short com CCR (CCRO3) e Embraer (EMBR3). Confira as recomendações

MOVIMENTAÇÃO ACIONÁRIA

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim desembolsam R$ 4,1 bilhões por fatia da CCR (CCRO3); empresas pagaram prêmio de 14% por ações vendidas pela Andrade Gutierrez

5 de julho de 2022 - 19:25

Cada uma das duas holdings ficará com uma participação de 10,33% da companhia de concessões e administração rodoviária

AGORA VAI?

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim querem pagar R$ 4,1 bilhões pela fatia da Andrade Gutierrez na CCR (CCRO3), um prêmio de 4,96% em relação ao fechamento de ontem

24 de março de 2022 - 6:52

Diante da proposta da Itaúsa e da Votorantim, controladores da CCR têm 60 dias para decidir se exercerão ou não o direito de preferência

PISTA LIVRE

CCR (CCRO3) ou EcoRodovias (ECOR3)? O Credit Suisse aponta qual a via mais rápida para o lucro na bolsa

5 de janeiro de 2022 - 11:06

O banco suíço tem recomendação de compra para ambas as empresas e vê potencial de alta de mais de 40% para as ações. Mas o portfólio de uma delas é visto como mais sólido no momento

PARADA NO ACOSTAMENTO

Credit Suisse coloca o pé no freio com a EcoRodovias: banco rebaixa recomendação para ECOR3 e corta preço-alvo; ação cai na bolsa

14 de dezembro de 2021 - 13:17

Alta dos juros e custos de captação mais elevados foram os principais motivos alegados pela instituição financeira para a revisão

É MELHOR CORRER

CCR (CCRO3) e Camil (CAML3) anunciam R$ 179 milhões em dividendos e ainda é possível garantir os proventos; veja como

25 de novembro de 2021 - 20:08

Confira os valores, a data de corte para garantir os proventos e também quando o dinheiro cairá na conta dos acionistas

Sem mudança na estrada

Nova Dutra, velho conhecido: CCR (CCRO3) vence o leilão e mantém a rodovia por mais 30 anos; ações dispararam na B3

29 de outubro de 2021 - 15:22

A CCR (CCRO3) ofereceu o maior desconto na tarifa de pedágio pela Dutra e, com isso, manteve a concessão da rodovia por mais 30 anos

Quem dá mais?

A CCR (CCRO3) e o leilão da Dutra: o que está em jogo para a companhia?

27 de outubro de 2021 - 5:42

A CCR (CCRO3) administra a Dutra desde 1996. Mas, com o novo leilão marcado para essa sexta (26), a empresa pode perder a concessão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar