Menu
2019-03-11T18:40:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ViaMobilidade 15

Consórcio do grupo CCR vence leilão de concessão da Linha 15 – Prata do monotrilho de São Paulo

Grupo foi o único a fazer uma oferta pela linha e ofereceu um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões

11 de março de 2019
16:01 - atualizado às 18:40
linha-15-prata
Linha 15-Prata do Metrô (Monotrilho). - Imagem: Diogo Moreira/Máquina CW/Wikimedia Commons

O consórcio Via Mobilidade 15, representado por CCR e Ruasinvest Participações, venceu o leilão de concessão da Linha 15-Prata do monotrilho de São Paulo. O evento ocorreu na tarde desta segunda-feira na capital paulista.

O consórcio foi o único a fazer uma oferta pela linha. A proposta apresentada previa um valor de outorga fixa de R$ 160 milhões, o que corresponde a um ágio de 0,59% ante o lance mínimo estabelecido no edital, de R$ 159 milhões.

Após o anúncio do resultado do leilão, as ações ordinárias da CCR, que caíam pouco mais de 0,50% na bolsa, ganharam fôlego e operavam próxima à estabilidade no meio da tarde.

R$ 4 bilhões em 20 anos

Em declarações após o leilão de concessão, o diretor presidente da CCR Mobilidade, Italo Roppa, afirmou que a linha 15 deve exigir investimentos da ordem de R$ 4 bilhões ao longo dos 20 anos de contrato. A estimativa leva em conta desembolsos com operação e manutenção de equipamentos e sistemas, explicou. O valor não considera a outorga fixa.

Segundo Roppa, "boa parte" desses investimentos deverão ser realizados com recursos próprios e a fatia a ser financiada com capital de terceiros não está definida, mas dependerá de "negociação de mercado".

Conforme previsto no edital, ao longo do prazo de concessão o concessionário deverá investir R$ 345 milhões no ramal, composto por 11 estações, entre a Vila Prudente e o Jardim Colonial, somando 15 quilômetros de vias elevadas.

O diretor afirmou ainda que a falta de competição no leilão não está relacionada aos riscos da concessão, mas à capacidade e conhecimento na operação "driveless" e em monotrilho de demais competidores. O executivo destacou que a companhia já opera no sistema sem operador na Linha 4 e adquiriu conhecimento na operação de monotrilho após levar a Linha 17.

Problemas no meio do caminho

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo chegou a indicar na semana passada que o grupo CCR seria o vencedor do leilão. Segundo a entidade, há várias irregularidades no processo, com vícios que comprometeriam a concorrência.

Os metroviários destacaram, em particular, a exigência de experiência mínima de doze meses na operação de monotrilhos ou VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), com demanda superior a 200 mil passageiros por dia, em média, o que favoreceria a CCR.

Vale lembrar que a Linha 15 - Prata funciona desde agosto de 2014 entre duas estações, Vila Prudente e Oratório, em um trecho de 2,9 quilômetros. Em abril de 2018 foram entregues, para operação assistida, outras quatro estações, com cerca de 5 quilômetros: São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União.

De acordo com o site do Metrô São Paulo, outras quatro estações - Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus - estão em fase de finalização de acabamentos e montagem dos sistemas, tais como alimentação elétrica e telecomunicações. Para essas estações, a previsão é de que a entrega ocorra entre outubro e dezembro deste ano. Um trecho adicional até a Estação Jardim Colonial (antiga Iguatemi) está previsto para ser construído até o segundo semestre de 2021.

Doria: triste é o vazio

Ao discursar sobre a concessão da linha 15, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), minimizou o baixo número de interessados no leilão. "É a regra. Pode se apresentar uma, duas, três, quantas empresas desejarem, a regra é muito clara: teve uma proposta, a proposta é analisada, como foi esta, é válida e ela é importante".

O governador também disse que o problema no caso seria "o vazio, estarmos aqui todos decepcionados pela falta de uma empresa com interesse para a conclusão de uma linha tão importante como essa". Para ele, seria melhor para o leilão a participação de mais competidores, mas se apenas uma empresa declarar interesse em assumir a responsabilidade de levar adiante a obra, "assim será ".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

diante da crise

BR Distribuidora propõe adiar juros sobre capital próprio

Empresa diz entender que é importante e adequada a adoção de medidas preventivas, buscando a preservação do caixa, diante da pandemia

crise do coronavírus

BRF contrata financiamento de R$ 1,4 bilhão

A gigante de produtos alimentícios BRF anunciou a contratação, entre 25 e 31 de março de 2020, de linhas de financiamento de aproximadamente, R$1,4 bilhão. O prazo é de um ano. Segundo a companhia, a iniciativa visa reforçar, preventivamente, o nível de liquidez durante o período de grande volatilidade provocado pela crise do novo coronavírus. […]

Esquenta dos mercados

Cautela externa e demora para efetivação de medidas emergenciais trazem incertezas aos negócios

Medidas mais duras dos Estados Unidos contra o avanço do coronavírus preocupam investidores no mundo inteiro quanto ao impacto da doença na economia

é hoje

Caixa começa a pagar saque aniversário do FGTS nesta quarta

Modalidade permite a retirada de parte do saldo de qualquer conta ativa ou inativa do fundo a cada ano, no mês de aniversário, em troca de não receber parte do que tem direito em caso de demissão sem justa causa

na suprema corte

Ministro do STF proíbe campanha do governo para fim do isolamento social

Luís Roberto Barroso avaliou que a situação é “gravíssima” e que “não há qualquer dúvida” de que a infecção por covid-19 representa uma ameaça à saúde e à vida da população

em brasília

Guedes condiciona auxílio de R$ 600 a aprovação da PEC emergencial e cria atrito com Maia

Presidente da Câmara falou em chamou de “transferência de responsabilidade” por parte do economista

momento de crise

Não adianta abrir comercio e as pessoas não irem às compras, diz Luiza Trajano

Para presidente do Conselho do Magazine Luiza, é preciso garantir que as medidas do governo cheguem a quem realmente precisa

Ursos à solta

Sim, você já sabe, a bolsa está em ‘bear market’. Mas o que a crise do coronavírus tem de diferente?

Eu preparei um histórico das crises que fizeram a bolsa sofrer e falei com especialistas para saber quanto tempo pode levar para as ações se recuperarem do tombo

IR 2020

Como declarar previdência privada no imposto de renda

Aprenda a declarar no imposto de renda as contribuições feitas a PGBL, VGBL e fundos de pensão, bem como os rendimentos recebidos dos planos de previdência privada

Números atualizados

País tem 201 mortes por coronavírus e 5.717 casos

Casos confirmados chegam a 5.717, segundo boletim

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements