Menu
2019-10-02T09:27:58-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Supermercado com carinha de banco

Após compra de participação em fintech, Carrefour Brasil busca acelerar transformação digital

Com a aquisição, a empresa passará a oferecer uma conta digital que deixa mais fácil para os clientes a realização de pagamentos e a distribuição de produtos e serviços digitais no Brasil

2 de outubro de 2019
8:25 - atualizado às 9:27
Logo do Carrefour
Carrefour - Imagem: Shutterstock

A união entre grandes companhias e fintechs está se tornando comum. Depois da Via Varejo anunciar o lançamento de seu banco digital próprio, agora foi a vez do  Carrefour Brasil entrar no segmento das contas digitais. A empresa informou nesta terça-feira (01) a compra de 49% da fintech Ewally. A transação faz parte da estratégia de transformação digital e a entrada da companhia no setor de contas digitais.

Com a aquisição, o Carrefour passará a oferecer uma conta digital que deixa mais fácil para os clientes a realização de pagamentos e a distribuição de produtos e serviços digitais no Brasil . A Ewally já opera oferecendo uma ampla cesta de serviços. A companhia não divulgou o valor total da transação, mas informou que tem a opção de compra do controle após três anos.

Os usuários terão acesso ao serviço de forma totalmente online. Por meio de um aplicativo, os clientes poderão pagar contas, transferir dinheiro, realizar cobranças e recargas no celular. Segundo o comunicado, a maior parte dos serviços são gratuitos e a parceria busca acelerar a disponibilização de novos serviços financeiros aos consumidores.

Embora o e-commerce ainda pese pouco no resultado do Carrefour, a empresa tem crescido no setor, principalmente com após a sua parceria com o super-app Rappi. As estratégias para exploração da venda online de alimentos fazem parte de um plano estratégico global da rede, que em meio a sua transformação digital quer também conhecer melhor o consumidor.

Assim como outras parcerias recentes entre empresas consolidadas e fintechs, a Ewally busca aumentar a democratização financeira, levando uma nova experiência de uso do dinheiro, principalmente para a população que não tem acesso ao sistema financeiro. Segundo o CEO do Banco Carrefour, Carlos Maud, a companhia espera oferecer benefícios para pessoas que ainda não contam com acesso aos cartões Carrefour e Atacadão.

Para Paula Cardoso, CEO do Carrefour e-Business Brasil, a parceria entre a rede e a fintech Ewally irá  facilitar a jornada de compra dos clientes em toda a área de atuação do Carrefour. "Com o desenvolvimento de tecnologia de ponta da startup, vamos democratizar o acesso a serviços financeiros a atuais e novos clientes, além de levar inovações em meios de pagamento para nossos diferentes formatos”.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

em encontro com investidores

Arthur Lira sinaliza que Orçamento será resolvido ‘sem rupturas’

Presidente da Câmara mencionou ainda o posterior encaminhamento da reforma administrativa e ainda o início das discussões sobre a privatização da Eletrobras

Conheça as novatas

A hora da biotecnologia: empresas do setor disparam até 78% após IPOs na Nasdaq

Três estreantes do segmento atraíram a atenção dos investidores e chegaram com tudo à bolsa norte-americana

rearranjo no segmento

Dona da Farm negocia fusão com a Shoulder, de moda feminina

Empresas mantém conversa “em fase preliminar”, em um momento de rearranjo do segmento; Grupo Soma comprou recentemente a NV e a Lauf

Meme bilionário

O que está por trás da valorização de 500% do Dogecoin em uma semana?

O projeto levou várias pessoas a ficarem milionárias, mas pode fazer muita gente perder dinheiro daqui para frente

Chama o doutor

Após desconto em IPO, ações da Mater Dei estreiam em queda na B3

A situação atual do mercado e a fila de companhias de saúde prontas para abrirem o capital prejudica a rede de hospitais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies