Menu
2019-06-07T18:45:52-03:00
Estadão Conteúdo
Incerteza? Que incerteza?

Cargill planeja nova fábrica no Brasil

Companhia, uma das maiores tradings globais de grãos, deverá fazer investimentos de R$ 500 milhões no País este ano

29 de abril de 2019
14:14 - atualizado às 18:45
Logo da Cargill
Cargill - Imagem: Shutterstock

Em meio às incertezas em relação à retomada econômica, a gigante do agronegócio Cargill prevê expandir seus negócios no Brasil.

A companhia, uma das maiores tradings globais de grãos, deverá fazer investimentos de R$ 500 milhões no País este ano e planeja erguer uma nova fábrica em Bebedouro, interior de São Paulo.

A Cargill teve um aumento robusto de faturamento em 2018, apesar da greve dos caminhoneiros e da tensão com a eleição.

No ano passado, as vendas da gigante de commodities no Brasil saltaram 33%, para R$ 47 bilhões.

O lucro da empresa foi de R$ 680 milhões, 15% maior do que em 2017. Foi o segundo melhor resultado da companhia no País - o melhor foi em 2016, em plena recessão.

"Os resultados refletem o maior volume de produção e o câmbio", disse Luiz Pretti, presidente da multinacional no País, que tem 75% da produção da multinacional voltada para exportação.

O câmbio e o aumento da safra agrícola deverão continuar favorecendo a Cargill e outras empresas de commodities em 2019, na visão de José Carlos Hausknecht, analista da MB Agro.

Do ponto de vista macroeconômico, Pretti disse estar confiante na aprovação da reforma da Previdência, apesar da desarticulação entre o Executivo e o Legislativo. "A reforma da Previdência está dada. A grande maioria entende que a aprovação é necessária", afirmou.

Frete próprio

O ponto de tensão para as empresas do agronegócio continua sendo a logística. No ano passado, a greve dos caminhoneiros aumentou o custo das empresas.

Segundo Pretti, com a Cargill não foi diferente. Mas a companhia ainda não bateu o martelo sobre a aquisição de uma frota própria de caminhões. "Muitas empresas estão comprando caminhões. Estamos estudando seriamente o assunto", explicou.

A logística é uma questão central das grandes produtoras de commodities no País, que se deparam todo ano com problemas de escoamento de safra de grãos pela BR-163.

A Cargill faz parte do consórcio de tradings (ADM, Bunge, Dreyfus e AMaggi) que investirá na Ferrogrão. A ferrovia exigirá investimentos de R$12 bilhões para a construção de mil quilômetros, ligando o Centro-Oeste à região Norte do País.

Com 23 fábricas no Brasil, a companhia aguarda aprovação do conselho para erguer no segundo semestre uma nova unidade no País. A fábrica produzirá pectina (insumo cítrico usado para produção de compota, espécie de suco concentrado).

A nova unidade terá investimento total de R$ 550 milhões. A Cargill prevê investimentos totais de R$ 500 milhões em 2019, sendo que um terço do valor será para iniciar a nova fábrica.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies