Menu
2021-06-04T07:52:30-03:00
Estadão Conteúdo
Preços mais altos

Índice de preços de alimentos da FAO tem maior ganho desde outubro de 2010

O resultado de maio além de representar o maior ganho mês a mês desde outubro de 2010, também marcou o décimo segundo aumento mensal consecutivo

4 de junho de 2021
7:35 - atualizado às 7:52
Unidade de processamento de carne JBS BRF Marfrig Minerva
Imagem: Shutterstock

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) teve média de 127,1 pontos em maio, 4,8% (5,8 pontos) acima do mês anterior e 39,7% (36,1 pontos) maior ante igual mês de 2020.

O índice está apenas 7,6% abaixo do pico de 137,6 pontos registrados em fevereiro de 2011. Segundo a FAO, a forte alta em maio refletiu o aumento nos preços de óleos, açúcar e cereais, juntamente com os preços mais firmes de carnes e laticínios.

O Índice de Preços de Cereais da FAO teve média de 133,1 pontos em maio, 6% (7,6 pontos) em comparação com abril e 36,6% (35,7 pontos) acima de seu valor de maio de 2020.

Entre os principais cereais, os preços internacionais do milho foram os que mais subiram, ganhando 8,8% (12,9 pontos) em maio, atingindo 89,3% (75,6 pontos) acima do valor do ano passado e seu nível mais alto desde janeiro de 2013.

"Perspectivas de produção rebaixadas para o Brasil aumentaram a pressão em relação à oferta global já apertada em meio a forte demanda sustentada. No entanto, no fim do mês os preços do milho começaram a recuar, principalmente na expectativa de perspectivas de maior produção nos Estados Unidos", explica a FAO.

Já o Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO teve média de 174,7 pontos em maio, ganhando 7,8% (12,7 pontos) no mês a mês e marcando o décimo segundo aumento mensal consecutivo. A FAO diz que "a força contínua do índice reflete principalmente os valores crescentes dos óleos de palma, soja e colza".

Com relação aos preços de Laticínios, o Índice da FAO teve média de 120,8 pontos em maio, 1,5% (1,7 pontos) acima de abril, marcando um ano de aumentos ininterruptos e elevando o valor 28% (26,4 pontos) acima de seu nível de um ano atrás. No entanto, o índice ainda está 22,8% abaixo de seu valor de pico alcançado em dezembro de 2013.

O Índice de Preços de Carne da FAO teve média de 105,0 pontos em maio, 2,2% (2,3 pontos) acima de abril, registrando o oitavo aumento mensal e elevando o índice 10% acima de seu nível de um ano atrás, mas ainda quase 12% abaixo de seu pico atingido em agosto de 2014.

Conforme a FAO, "as cotações de todos os tipos de carnes representadas no índice aumentaram, principalmente por causa de um ritmo mais acelerado de importação pelos países do Leste Asiático, principalmente a China".

De acordo com acompanhamento de preços do açúcar pela FAO, o Índice teve média de 106,7 pontos em maio, 6,8% (6,8 pontos) acima de abril, marcando o segundo aumento mensal consecutivo e o maior nível desde março de 2017.

O aumento nas cotações internacionais do açúcar foi principalmente relacionado ao atraso na colheita e preocupações sobre a redução da produção no Brasil, considerando que as condições de tempo seco prolongado provocaram impacto no desenvolvimento da safra, conclui a FAO.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies