Menu
2019-04-04T14:42:32-03:00
Estadão Conteúdo
Investimentos no radar

Caixa analisa operações que somam R$ 100 bilhões e que serão levadas ao mercado

Estratégia deve envolver o braço de banco de investimento da Caixa, que atualmente passa por um processo de reformulação

29 de março de 2019
14:55 - atualizado às 14:42
Caixa Econômica Federal
Agência da Caixa Econômica Federal em São Paulo - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

O vice-presidente da Caixa, André Laloni, afirmou que o banco tem em análise cerca de 38 operações que somam R$ 100 bilhões em posições que a instituição possui, entre as quais em fundos e acionárias, que fazem parte do processo de monetização e que serão levadas ao mercado por meio de estruturas de mercado de capitais de ações, dívida e fusões e aquisições.

A estratégia deve envolver o braço de banco de investimento da Caixa, que está sendo reformulado e, segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, poderá ser comandada por Luciane Ribeiro, vice-presidente de produtos de terceiros da instituição.

"São mais ou menos R$ 100 bilhões, envolvendo estratégias de mercado de capitais de dívida e ações, de subsidiárias das Caixa e em fundos de governo administrados pela Caixa, no mesmo racional do IRB, de venda de participação", comentou Laloni.

Luciane Ribeiro acrescentou que a Caixa pretende utilizar a rede de distribuição para levar, por exemplo, fundos imobiliários ao varejo e ao público de mais alta renda, com perfil mais longo.

"Temos 13 mil lotéricas e outros mecanismos de distribuição para levar fundos imobiliários, por exemplo, para ser distribuído na rede. Temos os ativos, podemos montar carteira de prazo mais longo e sofisticado e colocar ao público de alta renda", disse.

Os executivos da Caixa disseram que estão avaliando imóveis de agências e prédios próprios para a venda e ganho de eficiência financeira. Guimarães citou que em Brasília, por exemplo, existem quatro prédios, de 15 dos quais a Caixa aluga, que são para serviços terceirizados, e que, portanto, não faz sentido a instituição arcar com esse custo. "São terceirizados para reduzir custo, há uma contradição", notou ele.

Ainda sob o ponto de vista de gestão de ativos e de eficiência de custo do banco, os executivos comentaram que em 2018 foram retomados 30 mil imóveis e incorporados à carteira do BNDU (bens não de uso), a qual está sob análise para verificação correta do valor dessa carteira. "Estamos revisando todo o estoque de ativos imobiliários, desde as carteiras de crédito até os BNDUs e os imóveis em uso", disse Guimarães.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Embarque imediato

Depois de incorporação, acionistas da Smiles aprovam saída do Novo Mercado

Além disso, assembleia votou a destituição do conselho de administração e a eleição de novos membros, inclusive do presidente

Procuram-se semicondutores

Falta de chips adia recuperação da indústria automobilística

O setor deve perder a chance de recuperar mercado no segundo semestre, período em que tradicionalmente se vendem mais carros

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies