Menu
2019-04-04T14:42:32-03:00
Estadão Conteúdo
Investimentos no radar

Caixa analisa operações que somam R$ 100 bilhões e que serão levadas ao mercado

Estratégia deve envolver o braço de banco de investimento da Caixa, que atualmente passa por um processo de reformulação

29 de março de 2019
14:55 - atualizado às 14:42
Caixa Econômica Federal
Agência da Caixa Econômica Federal em São Paulo - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

O vice-presidente da Caixa, André Laloni, afirmou que o banco tem em análise cerca de 38 operações que somam R$ 100 bilhões em posições que a instituição possui, entre as quais em fundos e acionárias, que fazem parte do processo de monetização e que serão levadas ao mercado por meio de estruturas de mercado de capitais de ações, dívida e fusões e aquisições.

A estratégia deve envolver o braço de banco de investimento da Caixa, que está sendo reformulado e, segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, poderá ser comandada por Luciane Ribeiro, vice-presidente de produtos de terceiros da instituição.

"São mais ou menos R$ 100 bilhões, envolvendo estratégias de mercado de capitais de dívida e ações, de subsidiárias das Caixa e em fundos de governo administrados pela Caixa, no mesmo racional do IRB, de venda de participação", comentou Laloni.

Luciane Ribeiro acrescentou que a Caixa pretende utilizar a rede de distribuição para levar, por exemplo, fundos imobiliários ao varejo e ao público de mais alta renda, com perfil mais longo.

"Temos 13 mil lotéricas e outros mecanismos de distribuição para levar fundos imobiliários, por exemplo, para ser distribuído na rede. Temos os ativos, podemos montar carteira de prazo mais longo e sofisticado e colocar ao público de alta renda", disse.

Os executivos da Caixa disseram que estão avaliando imóveis de agências e prédios próprios para a venda e ganho de eficiência financeira. Guimarães citou que em Brasília, por exemplo, existem quatro prédios, de 15 dos quais a Caixa aluga, que são para serviços terceirizados, e que, portanto, não faz sentido a instituição arcar com esse custo. "São terceirizados para reduzir custo, há uma contradição", notou ele.

Ainda sob o ponto de vista de gestão de ativos e de eficiência de custo do banco, os executivos comentaram que em 2018 foram retomados 30 mil imóveis e incorporados à carteira do BNDU (bens não de uso), a qual está sob análise para verificação correta do valor dessa carteira. "Estamos revisando todo o estoque de ativos imobiliários, desde as carteiras de crédito até os BNDUs e os imóveis em uso", disse Guimarães.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

PREÇOS EM ALTA

Projeções para inflação em 2021 continuam se afastando do centro da meta

Relatório Focus mostra que economistas reajustaram expectativas para IPCA pela nona semana consecutiva e esperam dólar acima de R$ 5,10

O melhor do Seu Dinheiro

Papel, celulose e tesoura

O que você diria de uma empresa que teve um prejuízo anual de quase R$ 11 bilhões e ainda assim conseguiu melhorar praticamente em todas as frentes operacionais? Esse é o curioso caso da produtora de papel e celulose Suzano. Com quase toda a receita em dólar, a companhia teve um forte avanço na geração […]

COMO DOMAR O LEÃO

Seu Dinheiro lança Guia do Imposto de Renda 2021 com orientações para preencher a declaração e pagar menos imposto; conheça

Veja como declarar imóveis, dependentes, pensão alimentícia e investimentos. O curso mostra o que mudou no Imposto de Renda 2021 e caminhos legais para pagar menos imposto ou receber uma restituição maior.

"Cheque em branco"

Câmara analisa retirar o limite de R$ 44 bilhões para pagamento de auxílio emergencial

O medo da maioria dos deputados é de que o governo receba um “cheque em branco” e descontrole os gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies