Menu
2019-09-30T16:28:20-03:00
Estadão Conteúdo
De onde vem?

‘Queda de juro e da inflação se deve a aumento das reservas e teto’, diz economista-chefe do Bradesco

Fernando Honorato Barbosa defende que as quedas das taxas e da inflação não aconteceram por um acaso

30 de setembro de 2019
15:56 - atualizado às 16:28
FERNANDO HONORATO BARBOSA/BRADESCO
Foto de 14/05/2019 do economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa. - Imagem: JF DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, disse que as quedas das taxas de juros e da inflação não aconteceram por um acaso. Se deram, de acordo com o economista, por conta do aumento das reservas externas do Brasil e pela adoção do teto dos gastos públicos. Honorato participou do 5º Congresso Brasileiro da Indústria de Máquinas e Equipamentos que a Abimaq realiza nesta segunda-feira, 30, em São Paulo.

"O Brasil tem hoje a menor taxa de juro da história e vai cair mais, por conta do teto dos gastos", disse. Reagindo a uma provocação do ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro, mediador do debate, o chefe do Departamento Econômico do Bradesco disse que, pessoalmente, não tem nada contra o investimento público e políticas fiscais anticíclicas, desde que haja espaço para isso.

"Há economistas de várias matrizes, mas eu, pessoalmente, não tenho nada contra investimentos e políticas fiscais anticíclicas. Isso é feito no mundo todo. Agora, desde que haja espaço fiscal para isso", disse o economista. Para Honorato, o teto dos gastos, por exemplo, não pode ser mexido.

"O teto dos gastos força uma discussão a respeito das prioridades orçamentárias. Uma já foi, a reforma da Previdência, e vamos para a próxima que é a tributária. Feito isso, você consegue equilibrar o orçamento para fazer o que todos querem. Não só o setor industrial, mas os bancos também", disse.

De acordo com o Honorato, só pelo fato de o juro de dez anos, que era mais de 108 pontos acima da média dos emergentes - na proporção de 7% dos emergentes e 14%, 15% no Brasil - já mostra que as coisas estão funcionando. "Hoje, 30 de setembro, a taxa nominal de dez anos no Brasil está em 7%. Estamos mais ou menos 1 ponto porcentual acima da média dos emergentes", disse.

Para ele, esta taxa está no coração do que é a nova estratégia da política econômica.

De acordo com o economista, se a inflação não atrapalhar, a taxa de juro real no Brasil deve cair a zero, como está ocorrendo em todo o mundo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Urgente

Guilherme Boulos é diagnosticado com Covid-19

As agendas de campanha foram todas suspensas, e a coordenação da campanha vai propor à TV Globo que o último debate, previsto para hoje, seja feito de forma virtual.

Novidade no mercado

CMN: corretora de título e valor mobiliários pode prestar serviço de pagamento

Com isso, as SCTVM e SDTVM deverão optar entre a manutenção das atuais contas de registro ou a utilização de contas de pagamento.

Novidades na bolsa

B3 vai lançar 37 BDRs de fundos de índices estrangeiros (ETF)

Com os novos BDRs, os investidores brasileiros poderão ficar expostos à variação de uma série de fundos que acompanham índices estrangeiros sem sair da B3

Retorno

Vale consegue licença para retomar operações em Serra Leste, no Pará

As operações estão paralisadas desde janeiro de 2019, após a mineradora ter atingido o limite da área até então licenciada para extração de minério de ferro.

Revolucionário

Média de tempo de transações do PIX deve estar entre 2 e 3 segundos, diz BC

Lançado em 16 de novembro, o PIX permite pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies