O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2019-08-06T17:15:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

Bradesco faz mudanças no alto escalão e reduz número de vice-presidentes

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas à negócios (varejo, alta renda e atacado), enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos

14 de janeiro de 2019
10:33 - atualizado às 17:15
Bradesco
Imagem: shutterstock

Na primeira grande mudança no alto escalão desde que Octavio de Lazari assumiu a presidência, em março do ano passado, o Bradesco promoveu uma mudança significativa no alto escalão, que incluiu a redução no número de vice-presidências de seis para quatro.

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas aos clientes, enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos.

Nas áreas de negócios, o vice-presidente Eurico Fabri será responsável por todo o segmento de varejo do banco. O atendimento aos clientes de alta renda ficará com o vice-presidente Cassiano Scarpelli. E as operações no atacado ficarão na alçada de Marcelo Noronha.

A quarta vice-presidência, responsável pelas áreas de apoio do banco, ficará com o vice-presidente André Cano.

Na dança das cadeiras, Josué Augusto Pancini e Mauricio Minas, que acumulavam os cargos de conselheiros e de vice-presidentes, passam a atuar exclusivamente no conselho.

Briga de gigantes

Com a mudança, a estrutura de comando do Bradesco fica mais parecida com a do rival Itaú Unibanco, que conta com duas diretorias gerais, nas áreas de varejo e atacado, e três vice-presidências.

Nos últimos anos, enquanto se concentrou no processo de incorporação do HSBC Brasil, o Bradesco ficou para trás na briga dos grandes bancos pela rentabilidade. Mas os números mais recentes mostraram que o banco voltou com força para a disputa.

No terceiro trimestre, a rentabilidade ficou em 19%, uma alta de 1 ponto percentual em relação ao mesmo período. Embora não tenha sido suficiente para superar o Santander, que teve um retorno de 19,5%, o resultado recolocou o banco na disputa pelo segundo lugar.

De janeiro a setembro, o banco lucrou R$ 15,734 bilhões, alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado de 2018 será divulgado no próximo dia 31.

Promoções e saídas

Junto com as alterações na estrutura de comando, o Bradesco anunciou as promoções de Bruno D'Ávila Melo Boetger (Corporate/BBI), Guilherme Muller Leal (Alta Renda/Prime), João Carlos Gomes da Silva (Varejo) e Rogério Pedro Câmara (TI) para diretores executivos gerentes.

Para diretores executivos adjuntos, o banco promoveu Leandro Miranda, que estava no Bradesco BBI e passa a ser responsável pelo Departamento de Relações com o Mercado e pelas corretoras do Banco, além de Edson Marcelo Moreto (Crédito), José Sérgio Bordin (Varejo), Roberto de Jesus Paris (Tesouraria) e Antonio José da Barbara (Secretaria Geral).

As mudanças no banco começaram na sexta-feira, com a saída de Denise Pavarina, que ocupava a diretoria de relações com investidores.

E você, o que achou das mudanças no Bradesco? Comente logo abaixo ou me siga lá no Twitter.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies