Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-06T17:15:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

Bradesco faz mudanças no alto escalão e reduz número de vice-presidentes

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas à negócios (varejo, alta renda e atacado), enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos

14 de janeiro de 2019
10:33 - atualizado às 17:15
Bradesco
Imagem: shutterstock

Na primeira grande mudança no alto escalão desde que Octavio de Lazari assumiu a presidência, em março do ano passado, o Bradesco promoveu uma mudança significativa no alto escalão, que incluiu a redução no número de vice-presidências de seis para quatro.

Na nova estrutura, a diretoria executiva será composta por três grandes áreas voltadas aos clientes, enquanto uma unidade ficará dedicada à infraestrutura, tecnologia e recursos humanos.

Nas áreas de negócios, o vice-presidente Eurico Fabri será responsável por todo o segmento de varejo do banco. O atendimento aos clientes de alta renda ficará com o vice-presidente Cassiano Scarpelli. E as operações no atacado ficarão na alçada de Marcelo Noronha.

A quarta vice-presidência, responsável pelas áreas de apoio do banco, ficará com o vice-presidente André Cano.

Na dança das cadeiras, Josué Augusto Pancini e Mauricio Minas, que acumulavam os cargos de conselheiros e de vice-presidentes, passam a atuar exclusivamente no conselho.

Briga de gigantes

Com a mudança, a estrutura de comando do Bradesco fica mais parecida com a do rival Itaú Unibanco, que conta com duas diretorias gerais, nas áreas de varejo e atacado, e três vice-presidências.

Nos últimos anos, enquanto se concentrou no processo de incorporação do HSBC Brasil, o Bradesco ficou para trás na briga dos grandes bancos pela rentabilidade. Mas os números mais recentes mostraram que o banco voltou com força para a disputa.

No terceiro trimestre, a rentabilidade ficou em 19%, uma alta de 1 ponto percentual em relação ao mesmo período. Embora não tenha sido suficiente para superar o Santander, que teve um retorno de 19,5%, o resultado recolocou o banco na disputa pelo segundo lugar.

De janeiro a setembro, o banco lucrou R$ 15,734 bilhões, alta de 11,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado de 2018 será divulgado no próximo dia 31.

Promoções e saídas

Junto com as alterações na estrutura de comando, o Bradesco anunciou as promoções de Bruno D'Ávila Melo Boetger (Corporate/BBI), Guilherme Muller Leal (Alta Renda/Prime), João Carlos Gomes da Silva (Varejo) e Rogério Pedro Câmara (TI) para diretores executivos gerentes.

Para diretores executivos adjuntos, o banco promoveu Leandro Miranda, que estava no Bradesco BBI e passa a ser responsável pelo Departamento de Relações com o Mercado e pelas corretoras do Banco, além de Edson Marcelo Moreto (Crédito), José Sérgio Bordin (Varejo), Roberto de Jesus Paris (Tesouraria) e Antonio José da Barbara (Secretaria Geral).

As mudanças no banco começaram na sexta-feira, com a saída de Denise Pavarina, que ocupava a diretoria de relações com investidores.

E você, o que achou das mudanças no Bradesco? Comente logo abaixo ou me siga lá no Twitter.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies