2019-05-10T08:04:32-03:00
Estadão Conteúdo
Contra a concentração de mercado

Distribuidoras questionam parecer da ANP

ANP informou que pretende mudar a regulação para preparar o setor para a abertura do mercado, com a venda de refinarias da Petrobras

10 de maio de 2019
8:04
Plataforma de petróleo da Petrobras
Imagem: Ag. Petrobras

Grandes distribuidoras de combustíveis - como BR, Ipiranga e Raízen (sociedade da Shell com a Cosan) - questionam o embasamento de nota técnica da Agência Nacional do Petróleo, que sugere concentração de mercado no segmento em que atuam.

Em fevereiro, o órgão regulador divulgou duas notas técnicas sobre a distribuição de combustíveis, que analisam espaços de tempo distintos. A primeira, do dia 5 do mesmo mês, avaliava o comércio de gasolina nos anos de 2017 e 2018. Em documento, a Superintendência de Defesa da Concorrência (SDR) do órgão conclui que os dados recolhidos eram insuficientes para "apurar eventuais indícios de infração à ordem econômica".

Quatorze dias depois, no dia 19, a ANP publicou outra nota técnica, considerando o comportamento dos preços no período de setembro a novembro de 2018, após a Petrobras baratear o produto nas refinarias. Dessa vez, no entanto, parecer assinado por assessores da diretoria-geral do órgão, conclui que "há falta de competição no setor de distribuição". As notas foram encaminhadas ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Diante dos dois pareceres, a Plural, que representa as distribuidoras de maior porte, argumenta que não há consenso dentro da ANP sobre uma possível concentração de mercado capaz de restringir o repasse de quedas de preços no refino aos consumidores. As distribuidoras atuam no meio do caminho, ligando a as refinarias da Petrobras e os postos de combustíveis.

Vice-presidente de Distribuição da Raízen, Ricardo Mussa diz que não é possível afirmar que os combustíveis são caros no Brasil por causa das margens das distribuidoras. "Existem técnicas para definir a concentração de mercado. A empregada por todos os órgãos é a IHH. Por essa metodologia, a mais reconhecida, o mercado brasileiro não é considerado concentrado. O principal problema do Brasil está no refino", defende.

Já o presidente da Plural, Leonardo Gadotti, reclama da "complexidade tributária" do setor de combustíveis. Para o vice-presidente da Raízen, com a venda de refinarias pela Petrobras, a tendência é que o preço caia para o consumidor.

"Mas, obviamente, a parcela de impostos é o principal fator do preço do combustível no Brasil. O segundo é a cotação no mercado internacional", defendeu.

Resposta. A ANP, no entanto, não só divergiu das distribuidoras como informou ao Estadão/Broadcast que pretende mudar a regulação para preparar o setor para a abertura do mercado, com a venda de refinarias da Petrobras.

"A ANP possui evidência empírica que pode ensejar mudança do marco regulatório de distribuição de combustíveis", afirmou o órgão, por nota. Para a ANP, não é certo que somente o desinvestimento estatal garanta a competição e a queda dos preços. "Deve ser aprofundada a discussão de como trazer mais competição também no setor de distribuição para que existam benefícios concretos para os consumidores", acrescentou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

CONTRA O RELÓGIO

Rússia está a poucas horas de entrar em default; entenda o que isso significa para os seus investimentos

Este será o primeiro calote do país desde a revolução Bolchevique, em 1918; Rússia deve cerca de US$ 100 milhões aos EUA

PROBLEMAS COM O MEC

Caio Paes de Andrade recusou entrevista com Comitê de Pessoas da Petrobras (PETR4) após seu nome ter passado ‘raspando’ por conselho de elegebilidade

Problemas com o currículo do indicado à presidência da estatal também foram pauta no debate do Cope para aprovação de Caio Paes

PROBABILIDADES

Quina de São João: 11 apostas levam mais de R$ 17 milhões para casa; confira números do sorteio — e como ter mais sorte na próxima

Você sabia que existe como aumentar suas chances de acertar as cinco dezenas da Quina? Entenda como nesta matéria

DÉCIMO ANDAR

Vale a pena investir em shopping centers? Confira uma oportunidade no segmento imobiliário de melhor performance em 2022

Vendas em shopping centers cresceram 34,8% no 1T22, primeiro resultado positivo do setor desde o início da pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies