Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Cotações por TradingView
2019-04-10T16:02:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Condenação

Cade condena BR Distribuidora e Ipiranga por ajudarem cartel de postos em MG

Presidente do órgão pediu vistas para que a secretaria calcule o valor das multas, que será anunciado ainda na sessão desta quarta

10 de abril de 2019
15:52 - atualizado às 16:02
ipiranga-br v1
Imagem: Montagem/ Ipiranga e BR Distribuidora

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou nesta quarta-feira, 10, a BR Distribuidora e a Ipiranga por terem ajudado postos de combustíveis de Belo Horizonte e cidades de Minas Gerais a formarem cartel.

Por volta das 15h, as ações da Ultrapar (UGPA3), dona da Ipiranga, operavam em alta de 0,69%, valendo R$ 45,54. Já a BR Distribuidora (BRDT3) estava com baixa de 0,63%, a R$ 23,48.

O conselho teve votos divergentes entre seus integrantes. O presidente do órgão, Alexandre Barreto, pediu vistas para que a secretaria calcule o valor das multas.

Também investigada neste processo, a Raízen foi absolvida pela maioria do conselho das acusações. Em novembro do ano passado, o Cade já havia firmado acordo com a Alesat para encerrar a investigação contra a empresa neste caso — quando a empresa pagou R$ 48,6 milhões, além de ter se comprometido a colaborar com as investigações.

Outras condenações

Cerca de 30 postos de combustíveis investigados foram também condenados por formação de cartel. Em 2017, o Cade firmou neste mesmo caso cinco acordos: o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro) e dez postos de combustíveis tiveram de pagar juntos R$ 13 milhões em multas.

O caso não foi unanimidade. O conselho ficou dividido em relação à infração cometida pelas empresas e quanto ao valor das multas. Em janeiro, o relator do caso, João Paulo Rezende, havia pedido a condenação da BR Distribuidora por formação de cartel.

Para o relator, a empresa havia feito conluio com a Alesat, dividindo mercados e combinando preços. Rezende pediu ainda a condenação da Ipiranga e Raízen por indução à conduta uniforme — quando uma empresa adota medidas para uniformizar a atuação de concorrentes em um mercado.

Em suma, o conselheiro entendeu que Ipiranga e Raízen não combinaram a atuação entre elas (o que seria um cartel), mas praticaram preços e condições que permitiram a atuação de um cartel organizado pelos postos de combustíveis. Mas a maioria dos conselheiros teve o entendimento de que que não havia provas de formação de cartel pela BR, nem de atuação irregular da Raízen.

A conselheira Polyanna Vilanova, após vistas, defendeu que a BR Distribuidora tinha ciência de que havia um conluio na revenda de combustíveis na região e contribuiu para o esquema uniformizando preços — ajudando assim na organização do acordo e na divisão do mercado.

Para Vilanova, não houve formação de cartel por parte da BR, que não teria combinado preços com outras distribuidoras. Ela pediu a condenação da empresa apenas por indução a conduta comercial uniforme.

A conselheira também pediu a condenação da Ipiranga por induzir os postos a praticarem preços combinados, assim como o relator havia sugerido. "Houve atuação direta para a facilitação de conduta coordenada pelos postos".

A conselheira votou ainda pelo arquivamento do processo contra a Raízen, por entender que não havia provas da atuação da distribuidora no esquema. Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido o posicionamento dos citados.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Jogando para frente

Ultraleve: Gol (GOLL4) renegocia dívidas de curto prazo e tira um peso das asas; ações sobem

7 de fevereiro de 2023 - 15:01

A Gol vai trocar títulos de dívida com vencimento até 2026 por outros mais longos, com prazo para 2028, numa operação com o Grupo Abra

A CAMPEÃ

Na corrida do atacarejo, quem leva a melhor: Assaí (ASAI3) ou Carrefour (CRFB3)? Saiba qual ação é a medalha de ouro de Bradesco BBI e JP Morgan

7 de fevereiro de 2023 - 14:31

Resultado da disputa muda dependendo da estratégia — curto ou longo prazo. As recomendações para os papéis também não são as mesmas, e em um dos casos o potencial de valorização chega a 70%

DE OLHO NAS REDES

Como ganhar um salário de R$ 7.500 na aposentadoria: este investimento pode te garantir essa renda — não é a previdência privada; descubra detalhes

7 de fevereiro de 2023 - 14:09

Se aposentar com um salário de R$ 7.507,49 — o teto do INSS atualmente — está cada dia mais difícil, em especial depois da Reforma da Previdência. A verdade é que, se você depender exclusivamente do INSS na hora da sua aposentadoria, é bem provável que você se dê mal.  Pensando nisso, existe um novo […]

RECALCULANDO A ROTA

MRV (MRVE3) corta operações e reduz metas de crescimento para recuperar rentabilidade; confira os planos da companhia para os próximos três anos

7 de fevereiro de 2023 - 13:47

A mudança de foco da companhia foi anunciada pelo copresidente Rafael Menin durante um encontro com investidores e analistas promovido nesta terça-feira

FAVORITISMO

Saiba o que está fazendo os olhos dos analistas do Credit Suisse brilharem quando falam sobre Nubank

7 de fevereiro de 2023 - 13:12

Para a equipe do banco, o Nubank é menos afetado pelos problemas que atingem as grandes instituições, como a inadimplência corporativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies