A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-05-06T23:18:49-03:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
BALANÇO DO TRIMESTRE

BR Distribuidora vende menos combustível, mas lucra 93% mais no 1º trimestre com empurrãozinho da Eletrobras

Com lucro de R$ 477 milhões, empresa foi ajudada pelo reconhecimento de dívidas de distribuidoras e ex-distribuidoras de energia da Eletrobras, no montante de R$ 181 milhões.

6 de maio de 2019
23:16 - atualizado às 23:18
Petrobras BR
Imagem: Shutterstock

A BR Distribuidora, empresa de combustíveis operada pela Petrobras, teve lucro líquido de R$ 477 milhões no primeiro trimestre de 2019, alta de 93,1% em comparação com o mesmo período do ano passado. A empresa foi ajudada pelo reconhecimento de dívidas de distribuidoras e ex-distribuidoras de energia da Eletrobras, no montante de R$ 181 milhões.

Apesar da alta, o resultado ficou um pouco abaixo do esperado pelos analistas, que previam lucro líquido de R$ 541,5 milhões no primeiro trimestre. A empresa patinou em relação às vendas, mostrando uma retração em todas as frentes de negócio.

Maior empresa de postos de combustíveis do País, a BR Distribuidora registrou Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 841 milhões, alta de 8,7%. A receita líquida ficou praticamente estável e recuou 0,3% para R$ 22,43 bilhões.

Ajuda da Eletrobras

Este não é o primeiro balanço da BR a ser ajudado pelo reconhecimento de dívidas relativas à Eletrobras. Foi há quase um ano, em 30 de abril de 2018, que a Eletrobras e suas distribuidoras de energia - Eletrobras Amazonas, Eletrobras Roraima, Eletrobras Rondônia e Eletrobras Acre - firmaram instrumentos de confissão de dívida com a BR no valor atualizado de R$ 4,6 bilhões.

Segundo a empresa, o acordo prevê 36 prestações mensais. Até 30 de abril de 2019, a empresa já havia recebido 12 parcelas, totalizando R$ 2,172 bilhões de reais.

Tanque meio vazio

Apesar da alta expressiva no lucro, a empresa sofreu uma queda nas vendas nos primeiros três meses do ano. As vendas consolidadas somaram 9,76 bilhões de litros, o que representa uma queda de 3,4% na comparação anual.

Os três produtos mais relevantes da empresa tiveram recuo nas vendas: o diesel para setor não térmico recuou 2,4% para 3,95 bilhões de litros, enquanto as vendas de combustíveis para motores de ciclo otto caíram 1,8% para 3,15 bilhões de litros. No setor de aviação e outros, o recuo foi de 2,2% para 2,19 bilhões de litros.

Outros mercados de menor expressão tiveram uma queda ainda maior, com destaque para queda de 52% na venda de diesel para térmicas, recuo de 20,9% no óleo combustível para não térmicas e de 14,6% nas vendas de óleo combustível para térmicas.

E as vendas por mercado?

A rede de postos, responsável por mais da metade dos negócios da empresa, teve um volume de vendas 2% menor do que no primeiro trimestre de 2018, somando 5,3 bilhões de litros. Segundo a empresa, isso se explica pelo menor volume de diesel e pela maior participação do etanol no mix do ciclo otto. A queda nos volumes levou a uma retração de 2,8% na receita líquida da rede de postos, que ficou em R$ 13 bilhões.

Mesmo assim, a empresa destacou que teve melhores margens médias de comercialização e melhor gestão do portfólio de clientes, o que levou a um aumento de 5,1% no lucro bruto da rede de postos, para R$ 889 milhões.

A companhia expandiu sua rede de postos em 297 unidades em comparação com o primeiro trimestre do ano passado, chegando a 7,703 mil unidades.

Foram investidos no primeiro trimestre um montante total de R$ 284 milhões no embandeiramento e manutenção da rede. Deste total, R$ 181 milhões foram destinados às bonificações antecipadas aos revendedores, R$ 74 milhões aos bônus por performance e R$ 28 milhões aos financiamentos para as revendas.

Outros mercados

O mercado de grandes consumidores teve recuo de 7,5% nas vendas, para 2,3 bilhões de litros. Entre os grandes consumidores da empresa estão empresas de siderurgia, mineração, papel e celulose, cimento, transporte e agronegócio, além de termelétricas.

Segundo empresa, a queda para grandes consumidores se explica principalmente por reduções no fornecimento de óleos combustível e diesel para térmicas.

O mercado de aviação foi outro a esfriar no primeiro trimestre, com queda de 3,7% no volume de vendas. O negócio de mercados especiais – que inclui coque, produtos químicos, energia e asfaltos – registrou queda de 1% nas vendas.

Dívida em queda

A dívida líquida da BR no fim de março era de R$ 2,37 bilhões, queda de 30,5% em relação à mesma data do ano passado. Segundo a empresa, isso se explica pela geração de caixa livre no ano e pelos recebimentos relacionados aos instrumentos de confissão de dívidas firmados com as subsidiárias da Eletrobras.

A alavancagem, indicador que mede a relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado, foi de 0,9 vez, abaixo da alavancagem de um ano antes, que era de 1,1 vez.

Fique de olho

Depois do balanço, o mercado seguirá atento a notícias sobre o processo de privatização da BR Distribuidora. A Petrobras já anunciou que prepara uma operação para vender uma parcela das ações que detém na empresa.

Hoje, a estatal tem 70% da BR Distribuidora, mas esta fatia deve ficar abaixo de 50% após a venda dos papéis, que ocorrerá por meio de uma oferta de ações na B3. A empresa estreou na bolsa em dezembro de 2017.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

AUTOMÓVEIS

Tá difícil comprar carro? 10 dicas que podem ajudar a ter um zero-km (ou quase isso) na garagem

13 de agosto de 2022 - 9:55

Cenário macroeconômico não ajuda, mas há formas de aproveitar o momento e garantir um carro mais novo ou até mesmo zero

TEMPORADA DE BALANÇOS

Lucro líquido da Eletrobras (ELET3) chega a R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre, queda de 45%

13 de agosto de 2022 - 9:00

Segundo o balanço da Eletrobras (ELET3), resultado foi impactado negativamente pela provisão para perdas em investimentos no total de R$ 890 milhões

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

PAPO CRIPTO #025

Vai, Brasil! Mercado brasileiro de criptomoedas é o 11º maior do mundo — e diretor de associação aposta em tokenização; entenda

13 de agosto de 2022 - 7:30

Bernardo Srur, diretor da ABCripto, associação criada para fomentar os negócios em criptoeconomia no Brasil, é o convidado do Papo Cripto desta semana

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sobe, mas perde o protagonismo para o ethereum (ETH); entenda

12 de agosto de 2022 - 20:29

Além de aproveitar a inflação dos EUA mais branda, o que ajudou as criptomoedas em geral, o ETH se beneficiou dos progressos na direção do The Merge

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies