Menu
2019-07-01T17:36:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Comércio com o exterior

Balança comercial tem superávit de US$ 5,019 bilhões em junho

Saldo foi 13,3% menor do que o registrado em junho do ano passado, quando a balança comercial teve saldo positivo de US$ 5,789 bilhões

1 de julho de 2019
16:06 - atualizado às 17:36
Porto de Santos
Porto de Santos - Imagem: Shutterstock

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 5,019 bilhões em junho, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Economia.

O resultado ficou dentro do intervalo das 19 estimativas coletadas em pesquisa do Projeções Broadcast (de US$ 5,000 bilhões a US$ 6,049 bilhões), mas abaixo da mediana, de US$ 5,300 bilhões.

O saldo foi 13,3% menor do que o registrado em junho do ano passado, quando a balança comercial teve saldo positivo de US$ 5,789 bilhões. Na quarta semana de junho (24 a 30), o saldo comercial foi de um superávit de US$ 1,168 bilhão.

No mês passado, as exportações somaram US$ 18,047 bilhões, uma queda de 0,8% ante junho de 2018, considerando a média diária de embarques. Já as importações chegaram a US$ 13,027 bilhões, uma alta de 0,5% na mesma comparação.

No período, houve um aumento nas vendas de produtos básicos (+10,68%), e queda de manufaturados (-7,18%) e semimanufaturados (-6,78%).

Pelo lado das importações, as maiores altas no período foram de adubos e fertilizantes (40,54%), aeronaves e peças (38,64%) e leite e derivados (18,54%). Enquanto isso, as maiores quedas foram em algodão (-49,01%), cobre e suas obras (-32,31%) e veículos automóveis e partes (-18,96%)

No acumulado do ano até junho, a balança comercial registra um superávit de US$ 27,130 bilhões, decorrente de US$ 110,896 bilhões em exportações e US$ 83,765 bilhões em importações. No primeiro semestre de 2018, o superávit comercial brasileiro foi de US$ 30,017 bilhões.

Previsão para o ano

O governo revisou a estimativa para o saldo comercial brasileiro em 2019 e espera um resultado de US$ 56,7 bilhões, ante US$ 50 bilhões da projeção anterior.

O saldo maior, no entanto, é acompanhado por uma estimativa de queda na corrente de comércio de 2%, com queda nas exportações também de 2% e de 1,9% nas importações na comparação anual.

No ano passado, o saldo comercial ficou em US$ 58 bilhões. O subsecretário de Inteligência e Estatística, Herlon Brandão, ressaltou o cenário de desaquecimento da economia global e de lento crescimento da economia brasileira.

Segundo Brandão, isso afeta principalmente exportações de soja e café, enquanto há também uma demanda menor por produtos importados.

Expectativa conservadora

O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, afirmou que a expectativa para o comércio internacional brasileiro não é extraordinária, com crescimento mais baixo do comércio global em 2019.

"A nossa expectativa para o saldo da balança comercial neste ano é conservadora. A economia global tem retração e nós sofremos como consequência disso", avaliou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

mudanças na estatal

Conselheiro recém-eleito da Petrobras renuncia

Marcelo Gasparino da Silva foi eleito no último dia 12; executivo indica medida como “irrevogável”

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies