Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-01T15:04:15-03:00
Estadão Conteúdo
fazendo as contas

Etanol recua em 19 Estados e no DF; preço médio cai 0,89% no País

Já valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros recuou em 22 Estados na semana passada, segundo a ANP

1 de julho de 2019
12:54 - atualizado às 15:04
Posto de combustível em Brasília
Posto de combustível em Brasília - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os preços médios do etanol hidratado recuaram em 19 Estados brasileiros e no Distrito Federal na semana passada, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Houve alta em seis Estados e no Amapá não foi feita avaliação.

Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP houve recuo de 0,89% no preço médio do etanol na semana passada ante a anterior, de R$ 2,803 para R$ 2,778. Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, houve baixa de 1,39% no período e a cotação média do hidratado variou de R$ 2,593 para R$ 2,557 o litro. A maior queda semanal, de 2,19%, foi na Bahia e a maior elevação, de 1,23%, foi em Alagoas.

Na comparação mensal, os preços do etanol recuaram em 23 Estados e no Distrito Federal e subiram apenas na Paraíba e em Tocantins. Sem avaliação na semana passada, não houve base de comparação mensal no Amapá. Na média brasileira o preço do biocombustível pesquisado pela ANP acumulou baixa mensal de 5,70%, com destaque para Mato Grosso, maior recuo individual, de 7,70% no período.

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,159 o litro, em São Paulo e o menor preço médio, de R$ 2,436, foi em Mato Grosso. O preço máximo individual de R$ 4,970 o litro, foi registrado em um posto do Pará e o Rio Grande do Sul registrou o maior preço médio, de R$ 4,116 o litro.

Gasolina

O valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros recuou em 22 Estados brasileiros na semana passada, segundo dados da ANP compilados pelo AE-Taxas. Houve alta apenas no Distrito Federal, no Maranhão, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Norte. Em Tocantins, não houve variação entre as semanas.

Na média nacional, o preço médio recuou 0,45% na semana sobre a anterior, de R$ 4,445 para R$ 4,425. Em São Paulo, maior consumidor do País e com mais postos pesquisados, o litro da gasolina caiu 0,62%, de R$ 4,168 para R$ 4,142, em média. No Rio de Janeiro, o combustível subiu 0,02%, de R$ 4,927 para R$ 4,928, em média. Em Minas Gerais houve a queda no preço médio da gasolina foi 0,15%, de R$ 4,715 para R$ 4,708 o litro.

Vantagem

Os preços médios do etanol continuaram vantajosos ante os da gasolina em cinco Estados brasileiros na semana passada - Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Paraná -, todos grandes produtores do biocombustível. O levantamento da ANP compilado pelo AE-Taxas considera que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Em Mato Grosso, o hidratado é vendido, em média, por 54,77% do preço da gasolina, em Goiás a 63,24% e em Minas Gerais a 61,98%. Em São Paulo, a paridade ficou em 61,73% e no Paraná em 67,54%.

Na média dos postos pesquisados no País, a paridade é de 62,78% entre os preços médios de etanol e gasolina, também favorável ao biocombustível. A gasolina foi mais vantajosa no Rio Grande do Sul, com a paridade de 90,42% para o preço do etanol.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies