IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-04-05T10:19:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Troca de comando

“Defesa agropecuária será foco para evitar perdas”, diz ministra da Agricultura

Novo Ministério da Agricultura terá mais atribuições e vai absorver unidades que estavam abrigadas em outros ministérios

2 de janeiro de 2019
13:11 - atualizado às 10:19
Ministra da Agricultura, Tereza Cristina
Tereza Cristina, ministra da Agricultura do governo Bolsonaro. - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Ao realizar a cerimônia de posse de seu secretariado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina disse que a Defesa Agropecuária, secretaria assumida por José Guilherme Tollstadius Leal, será um dos focos de sua gestão para evitar danos como os ocorridos na esteira da operação Carne Fraca.

O ex-ministro Blairo Maggi não compareceu ao evento e foi representando pelo chefe de gabinete, o coronel Coraci Castilho, que definiu a função dos ex-membros da pasta como "caixeiros-viajantes", em referência às viagens feitas pela equipe nos últimos dois anos para abertura de mercados e resolução de imbróglios internacionais.

Tereza Cristina iniciou o discurso agradecendo a nova função e parabenizando colegas que assumiram outros ministérios, como Luiz Mandetta (DEM-MS), novo ministro da Saúde. "Temos obrigação de fazer um grande ministério e entregar aos produtores rurais aquilo que eles esperam deste novo governo", disse. Ela afirmou que Maggi deixou um legado e que sua missão será "fazer mais e melhor".

Sobre as fusões que ocorreram com a reforma ministerial promovida por Bolsonaro, Cristina disse que foi possível "abrigar no mesmo teto áreas afins que já estiveram separadas".

O novo Ministério da Agricultura terá mais atribuições e vai absorver unidades que estavam abrigadas nos ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Social, na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural, da Casa Civil, e na Secretaria de Mobilidade Social e Cooperativismo da própria Agricultura. "Comemoramos a volta da agricultura familiar, somos convictos que a agricultura empresarial e familiar são o mesmo negócio", disse.

Sobre a pasta Secretaria Especial de Assuntos Fundiários, a ser comandada por Naban Garcia, a ministra afirmou que será um desafio realizar a titulação das terras familiares, "hoje utilizadas de forma precária". "Naban, esse será seu desafio", completou.

"O setor agropecuário apoiou em peso a candidatura de Bolsonaro e é natural que haja grande expectativa de inovação no setor, nosso setor é grande e gerador de empregos", afirmou. Tereza Cristina ainda mandou um recado para o Banco do Brasil e afirmou que quer crédito e seguro rurais disponíveis, de maneira farta e ágil para os produtores.

Tereza Cristina ignorou em seu discurso a questão das terras indígenas. Medida Provisória publicada hoje passou a responsabilidade de realizar a reforma agrária e demarcar e regularizar terras indígenas e áreas remanescentes dos quilombos passou a ser, ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Antes da publicação da MP, a demarcação das terras indígenas cabia à Fundação Nacional do Índio (Funai). Já o trabalho de reforma agrária e as demarcações das áreas dos antigos quilombos eram realizadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DE OLHO NAS REDES

Adeus, Nubank: não se engane com os resultados do trimestre, ação ainda é furada e esta outra fintech é capaz de ‘vencer’ o roxinho, alerta Empiricus — descubra

28 de novembro de 2022 - 11:14

Analistas da Empiricus destacam que o Nubank usou uma nova metodologia para calcular a inadimplência e esse detalhe faz toda diferença; entenda

LEVANTANDO DINHEIRO

Grupo Casino faz oferta secundária de ações para levantar R$ 2,7 bilhões para vender sua fatia no Assaí (ASAI3)

28 de novembro de 2022 - 10:50

Problemas financeiros constantes obrigaram o grupo francês a vender sua parte no Assaí (ASAI3), em negócio previsto pelo mercado

MAIS E MAIS PROBLEMAS

Protocolo Aave (AAVE) suspende empréstimos em criptomoedas e bitcoin (BTC) vê preços estabilizarem com crise na China; acompanhe

28 de novembro de 2022 - 10:37

O Aave é o maior protocolo de lending do Ethereum e somando os efeitos do bloqueio aos problemas de liquidez da FTX, as criptomoedas terão dias difíceis pela frente

DANÇA DAS CADEIRAS

Sai Roberto, entra Roberto: Braskem (BRKM5) anuncia troca de CEO a partir do ano que vem; veja quem ocupará o cargo

28 de novembro de 2022 - 10:23

A Novonor, acionista controladora da empresa, indicou Roberto Bischoff como substituto de Simões. A nomeação do executivo ainda deverá ser submetida à aprovação do Conselho

ALÔ, ACIONISTA

Vem provento por aí: Banco do Brasil (BBAS3) vai pagar R$ 985 milhões em JCP; saiba quem terá direito à bolada

28 de novembro de 2022 - 9:27

Poderá receber o pagamento de R$ 0,34552 por papel BBAS3 o investidor que possuir ações da companhia em 12 de dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies