Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-07T15:20:18-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O TOP 3 DAS CARTEIRAS RECOMENDADAS

Ser Educacional se junta a ‘figurinhas carimbadas’ na lista tríplice de ações recomendadas para maio

Maio chega para tentar quebrar o marasmo que a bolsa viveu em abril, e a aposta do mercado vai para dois clássicos e uma novinha na bolsa

6 de maio de 2019
5:43 - atualizado às 15:20
Selo Ação do mês
Ser Educacional, Petrobras e Banco do Brasil são destaques no Top 3 das gestoras - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Se por um lado o Campeonato Brasileiro de 2019 começou com uma chuva de gols logo na primeira rodada, com boa parte dos jogos registrando pelo menos 4 balançadas de rede, por outro a bolsa não saiu do zero a zero em abril. Os negócios do mês passado foram tomados pelo marasmo diante da falta de gás tanto nos noticiários políticos como nos empresariais. Resultado: Ibovespa fechou o mês com variação positiva de 0,98%.

Maio chegou com a expectativa de mudar essa realidade. Embora o cenário ainda seja de neblina e pouca visibilidade na política, como bem pontuou nossa colunista Angela Bittencourt, a renda variável pode mostrar alguma reação já nos próximos pregões, impulsionada tanto pela temporada de balanços do 1º trimestre como pelas notícias vindas das companhias que mantêm ações no mercado.

E qual prancha escolher para surfar na melhor onda da temporada? Fizemos um levantamento entre as principais gestoras do mercado financeiro e trouxemos para você o Top 3 de ações recomendadas em cada uma delas.

Nessa lista, a estrela não poderia ser outra senão as ações preferenciais da Petrobras, indicadas por quatro gestoras. Banco do Brasil vem na sequência, com duas indicações. Mas a grande novidade do mês foram as ações da Ser Educacional, que passou para o Top 3 de duas gestoras neste mês. Confira o que está por trás de cada indicação.

Balança mas não cai

O mês de abril pode não ter sido fácil para a Petrobras, mas a petroleira segue mais líder do que nunca no Top 3 da corretoras.

E não é para menos. A empresa continua a todo vapor com o seu plano de desinvestimento, se desfazendo de ativos não-estratégicos e fazendo mudanças significativas na gestão. O objetivo é otimizar o portfólio e a alocação de capital da companhia.

Pasadena, sistema de refino que já deu muita dor de cabeça no passado, foi finalmente vendida por U$ 467 milhões.  No começo de abril, a petroleira já havia batido o martelo na venda de 90% de sua participação na TAG (Transportadora Associada de Gás), na maior operação realizada dentro do plano da empresa. Já são mais de US$ 11,3 bilhões em transações de desinvestimento só neste ano. A previsão é que os negócios não parem por aí.

Como nem tudo foram flores em abril, a companhia mostrou a sua fragilidade frente ao cenário político, quando sofreu com a interferência do presidente Jair Bolsonaro em sua política de preços

Não deu outra. As ações foram para baixo e foi preciso muito jogo de cintura para lidar com a crise. No fim, a estatal voltou atrás e alterou sua política de reajuste.  Recuperado do susto, o próprio Bolsonaro chegou a admitir que o governo pode "caminhar para a privatização mais ampla da Petrobras".

No clube dos bilionários

Outra queridinha que continua em alta e se beneficiando da onda liberal é o Banco do Brasil. E o otimismo das corretoras que conversaram com a gente não é só por conta do bom momento do setor bancário.

A postura da diretoria , que defende uma extensa pauta de privatização, se soma aos bons resultados que o banco apresentou em 2018. No balanço anual, o banco apresentou um crescimento de 22% no lucro, totalizando um ganho de R$ 13,5 bilhões.

Dá para entender o otimismo dos analistas com as ações da estatal. A Guide Investimentos, uma das corretoras que mantém as ações do BB em sua carteira, explica que os últimos resultados operacionais da companhia têm superado as expectativas do mercado e apresentado uma recuperação de sua carteira de crédito, "além do eficiente controle das despesas administrativas e crescimento das rendas de tarifas, reflexo do maior consumo de produtos e serviços."

Em diversas ocasiões Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, se mostrou favorável às medidas de privatização, chegando a declarar que está "cada vez mais convencido que o BB deveria ser privatizado" e que as empresas estatais "estariam bem melhor na mão do setor privado".

A venda de participações consideradas não estratégicas pela estatal já estão engatilhadas. A Neoenergia deve ser a primeira da fila, e será vendida em uma oferta pública de ações na bolsa.  A empresa também espera se desfazer de participação em unidades de negócio como o banco de investimentos e a BB DTVM, área de gestão de fundos.

Na semana que vem, vale a pena ficar de olho na divulgação dos resultados do primeiro trimestre, marcado para o dia 9. Você pode acompanhar todas as informações aqui no Seu Dinheiro.

A novata está bem na fita

A novidade de maio para as ações recomendadas ficou com a Ser Educacional. E motivos não faltam para esse otimismo todo.

Caloura no quesito abertura de capital entre as empresas de educação, a Ser trouxe parte dos holofotes para si no mês passado, após anunciar a compra da gigante Uninorte, líder do ensino superior privado na região, por R$ 194 milhões.

E para aguçar ainda mais o interesse do investidor, o mercado passou a especular que o controle da companhia pode sair das mãos de Janguiê Diniz. Uma matéria do jornal Valor Econômico divulgada na última segunda-feira afirmava que o executivo teria recebido diversas ofertas pelos 55% das ações da empresa que estão nas mãos dele. Resultado: alta de 6% no pregão daquele dia.

E falando em desempenho na bolsa, a Ser também não fica para trás nesse quesito. Com uma alta de quase 7% em abril, a empresa acumula ganhos de 46% desde o início do ano. Nada mal se compararmos os 8,5% de alta do Ibovespa no mesmo período.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na onda das commodities, short de Nubank e o fim das ações das Lojas Americanas: veja as principais notícias do dia

Entre importar o otimismo ou o pessimismo do exterior, a bolsa brasileira tem preferido a primeira opção, nos últimos dias. Em mais um dia negativo para as bolsas americanas, o Ibovespa novamente nadou contra a maré vermelha e fechou em alta, impulsionado pelo avanço dos preços das commodities – sobretudo do minério de ferro. Com […]

Fechamento Hoje

Ibovespa novamente contraria exterior, sobe mais de 1% e fecha acima dos 108 mil pontos; dólar cai abaixo de R$ 5,50

Mesmo com dia negativo em Nova York, Ibovespa é impulsionado pelas commodities; varejistas e techs se recuperam com alívio nos juros futuros

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de Bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies