Menu
2019-04-20T15:28:58-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mais de 300 postos

Grupo francês Total compra rede de postos mineira por R$ 500 milhões

Grupo “Zema”, do governador de MG, Romeu Zema, teve faturamento de R$ 4,4 bilhões no ano passado

22 de novembro de 2018
13:05 - atualizado às 15:28
Posto do grupo francês “Total”
Imagem: shutterstock

O grupo petroleiro francês Total fechou a compra da rede mineira de postos de combustíveis Zema, que pertence à família do futuro governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Partido Novo), apurou o jornal "O Estado de S. Paulo". A transação, avaliada em cerca de R$ 500 milhões, marca a entrada da companhia francesa na distribuição de combustíveis no País.

Dona de uma rede com cerca de 300 postos e lojas de conveniência, boa parte em Minas Gerais, a Zema Petróleo é a divisão de maior faturamento do grupo mineiro, fundado em Araxá, em 1923.

Com faturamento de cerca de R$ 4,4 bilhões no ano passado, o grupo Zema atua em diversos negócios - de lojas de varejo de móveis, eletrodomésticos e vestuários, concessionárias de veículos a serviços financeiros. Só a divisão de distribuição de combustíveis fatura R$ 2,5 bilhões.

A empresa francesa voltou a mapear ativos na área de distribuição de combustíveis no Brasil no início do ano. O grupo mineiro foi procurado pelos franceses e as conversas engataram em julho. O anúncio da aquisição está previsto para esta quinta-feira, 22.

A Estáter assessorou a petroleira francesa na operação e, o banco ABC, o grupo Zema. Procurada, a Total informou, por meio de sua assessoria, que não comenta rumores de mercado. O grupo Zema também não se manifestou sobre o assunto.

No Brasil desde 1975, a Total atua na área de exploração e produção de óleo e gás. Quarta maior empresa de óleo e gás do mundo, a companhia ganhou força no País ao arrematar a área do campo de Libra no primeiro leilão do pré-sal, em 2013. Em janeiro, concluiu a aquisição dos ativos de Lapa e Iara, ambos no pré-sal da Bacia de Santos.

Em 2014, a petroleira esteve prestes a adquirir um outro ativo no País, a rede Ale, mas as negociações pararam após a morte do presidente do grupo francês, Christophe de Margerie.

Mercado Concentrado

O mercado de distribuição de combustíveis no Brasil é altamente concentrado. As três maiores empresas do setor - BR Distribuidora, controlada pela Petrobras; Raízen (joint venture Cosan e Shell) e Ipiranga (do grupo Ultra) - detêm juntam mais de 70% de participação. Os poucos ativos à venda desse setor são controlados pelas chamadas companhias de "bandeira branca" (não filiadas às grandes marcas internacionais ou nacionais).

A última grande transação desse mercado foi a venda do controle da Ale para a suíça Glencore, em junho deste ano. Considerada a grande joia do setor, a Ale, quarta maior rede de postos do País, com cerca de 1,5 mil unidades e cerca de 4% de participação no mercado nacional, já tinha sido sondada por várias empresas.

Além da Total, a Raízen já tinha analisado o negócio no passado. Em 2016, a Ale recebeu uma proposta de R$ 2,2 bilhões do grupo Ipiranga por 100% da rede de postos, mas a operação foi barrada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2017, alegando concentração no setor. Com a compra da Zema, a Total terá menos de 1% do mercado.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements