Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-20T16:57:47-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Oferta de ações

Warren Buffett quer investir até US$ 315 milhões na brasileira Stone

Abertura de capital da empresa de maquininhas de cartão em Nova York pode movimentar até US$ 1,3 bilhão

16 de outubro de 2018
11:30 - atualizado às 16:57
Warren_Buffett
Imagem: Wikimedia commons

Tem uma Stone no caminho de Warren Buffett. O megainvestidor quer virar sócio da empresa de pagamentos brasileira, que se prepara para abrir o capital na bolsa Nasdaq, em Nova York.

A Berkshire Hathaway, holding que concentra os investimentos do bilionário americano, pode investir até US$ 315 milhões (R$ 1,165 bilhão) na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da empresa de maquininhas de cartão.

Somado ao compromisso de outros investidores, a Stone já tem demanda garantida para mais de metade da oferta de ações, que pode chegar a quase US$ 1,3 bilhão (R$ 4,7 bilhões), dependendo do preço por ação que for definido na oferta. Os bancos coordenadores da operação estipularam uma faixa entre US$ 21 e US$ 23 por ação.

Fase de crescimento

Mas, afinal, o que o Warren Buffett viu na empresa brasileira? Criada há seis anos por André Street e Eduardo Pontes, a Stone conquistou 5,5% de participação de mercado na captura de transações com débito ou crédito no cartão, com pouco mais de 230 mil clientes. A receita da empresa deve chegar a R$ 1,050 bilhão entre janeiro e setembro deste ano, mais que o dobro do mesmo período do ano passado.

O crescimento chamou a atenção de grandes investidores. Entre os sócios da companhia estão as gestoras Actis e Gávea, do ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga.

A Stone e outras concorrentes vêm ganhando mercado até pouco tempo dominado por duas empresas: a Cielo, controlada por Banco do Brasil e Bradesco, e Rede, do Itaú. Com as sucessivas perdas de participação, as ações da Cielo vêm sendo castigadas na bolsa e acumulam uma queda de 44% só neste ano na B3.

A oferta da Stone é coordenada pelos bancos Goldman Sachs, J.P. Morgan, Citigroup, Itaú BBA, Credit Suisse, Morgan Stanley, BofA Merrill Lynch e BTG Pactual. Ao listar suas ações no exterior, a empresa segue os passos da concorrente PagSeguro, do grupo UOL, que levantou US$ 2,3 bilhões em sua abertura de capital em Nova York, em janeiro deste ano.

Mercado quente

Ao contrário do esperado para um período de incerteza pré-eleitoral, o mercado de IPOs de empresas brasileiras está bastante aquecido. No mês passado, a Arco Educação captou US$ 195 milhões também em uma operação realizada na Nasdaq. Se você quiser saber mais sobre ofertas de ações vale a pena conferir esta matéria que eu escrevi.

Para quem quiser saber mais sobre como desbravar e investir diretamente nas bolsas americanas, recomendo também este guia que o Seu Dinheiro criou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Oportunidades

Ditadura, crise de 2008 e tragédia do governo Dilma: nada venceu a Bolsa no longo prazo; conheça 7 ações promissoras diante da queda do Ibovespa

É tolice cair no desespero de vender ações na baixa do Ibov, afinal, histórico da Bolsa mostra que nenhuma crise venceu a bolsa no longo prazo; dito isso, o Seu Dinheiro apresenta para você oportunidades que você deve ficar de olho

Estável, mas...

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: criptomoedas sentem cautela, mas China pode ajudar mercado após caso Evergrande; entenda

A decisão sobre retirada de estímulos da economia pode afetar as criptomoedas, mas o dinheiro pode vir da China, com o caso Evergrande

Destaques da bolsa

Siderúrgicas e mineradoras puxam alta da bolsa e sobem forte após disparada de 16% no minério de ferro; confira

Depois de cair 8% no início da semana, o minério de ferro disparou no porto de Qingdao, na China e mexeu com as ações do setor na bolsa

Economia chinesa

Em meio a alta nos preços de commodities e a disseminação do coronavírus, Conselho de Estado da China diz que vai garantir estabilidade da economia

Gabinete do governo chinês também prometeu fortalecer a coordenação entre as políticas fiscal, financeira e de emprego

A RECOMENDAÇÃO AGORA É NEUTRA

Não é duplo, mas é dose: Depois do UBS, agora é a vez do BofA rebaixar a recomendação para a Vale (VALE3)

Reavaliação do BofA leva em consideração a desaceleração econômica na China e a queda na cotação do minério de ferro nos mercados internacionais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies