ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2018-10-31T18:38:27-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

Santander supera projeções (de novo) com lucro de R$ 3,1 bilhões, alta de 20%

O resultado da unidade brasileira do banco espanhol pode passar dos R$ 12 bilhões no ano como um todo, se mantiver o ritmo no último trimestre

31 de outubro de 2018
7:59 - atualizado às 18:38
Santander
Santander - Imagem: Shutterstock

O Santander Brasil manteve a sequência de resultados acima do esperado pelo mercado. No terceiro trimestre, o banco registrou lucro líquido de R$ 3,108 bilhões no terceiro trimestre, alta de 20%.

Desta vez os analistas quase acertaram. A média das projeções compiladas pela Bloomberg apontava para um resultado de R$ 3,058 bilhões.

De janeiro a setembro, o lucro atingiu R$ 8,992 bilhões. Isso significa que o resultado da unidade brasileira do Santander pode passar dos R$ 12 bilhões no ano como um todo, se mantiver o ritmo nos últimos três meses. Em 2017, o banco chegou perto, mas não rompeu a barreira dos R$ 10 bilhões, ao lucrar R$ 9,953 bilhões.

A rentabilidade do Santander atingiu 19,5% no terceiro trimestre, um salto em relação aos 17,1% do mesmo período do ano passado.

A menos que o Bradesco tire algum coelho da cartola no balanço amanhã, o Santander deve se manter como o segundo mais rentável por mais um trimestre, atrás apenas do Itaú, que teve retorno de 21,3%.

O resultado do Brasil representou 26% do lucro de todo o grupo Santander, de acordo com o balanço do banco espanhol, que também saiu hoje.

Apesar do lucro acima do esperado, nem todos os números do balanço vieram bons. E o mercado decidiu dar mais importância a eles. Tanto que os recibos de ações (units) do Santander Brasil caíram 5,17%, a maior queda entre as ações do Ibovespa. Ainda assim, os papéis do banco acumulam valorização de quase 40% no ano.

Para o BTG Pactual, ainda que o lucro tenha sido bom, a "qualidade dos resultados" veio pior do que o esperado. "As expectativas para o banco agora são muito mais altas", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

Crédito

O Santander vem surfando uma onda de melhora nos resultados desde que Sérgio Rial assumiu a presidência, há quase dois anos.

O banco largou na frente dos concorrentes ao acelerar no crédito enquanto os demais mantiveram as torneiras fechadas em razão da crise. A estratégia se reflete no balanço.

A carteira de crédito do Santander encerrou setembro em R$ 380,7 bilhões, o que representa um aumento de 3,4% no trimestre e de 13,1% em 12 meses. O desempenho é puxado pelas linhas a pessoas físicas e a pequenas e médias empresas.

A alta nos financiamentos contribui para a margem financeira, que somou R$ 10,6 bilhões, um avanço de 7,8% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. No acumulado do ano até setembro, a margem cresce 12,3%.

Inadimplência

O banco vem mantendo os índices de inadimplência comportados em meio à aposta na concessão de crédito para melhorar os resultados.

O índice de calotes acima de 90 dias na carteira atingiu 2,9% no final de setembro de 2018, estável em doze meses e aumento de 0,1 ponto percentual no trimestre.

Já as despesas com provisão para calotes aumentaram 7,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, para R$ 2,6 bilhões. A tendência é oposta à dos concorrentes, que vêm registrando redução no custo do crédito.

De olho nas tarifas

Além do crédito, o Santander vem turbinando os resultados com o aumento nas receitas de prestação de serviços. Mas aqui surgiu um número que pode preocupar quem acompanha o balanço.

Os ganhos com tarifas e outras cobranças somaram R$ 4,1 bilhões. Apesar da alta de 6,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, na comparação com o trimestre anterior houve uma queda de 3,3%. A redução das tarifas pode ser uma boa notícia para o cliente, mas não para quem é acionista do banco.

Do lado das despesas, o Santander gastou R$ 5 bilhões, um aumento de 4,5% em relação aos meses de julho a setembro do ano passado e de 3,2% no trimestre. O banco atribuiu o desempenho às maiores despesas com processamento de dados e com pessoal.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SOBE E DESCE

Entenda por que o dólar ficou abaixo de R$ 5,00 pela primeira vez em meses e se a moeda americana ainda pode cair mais

5 de fevereiro de 2023 - 15:46

O dólar vem demonstrando fraqueza em relação à diversas outras divisas globais e algumas razões explicam esse movimento

RISCOS

Entenda como a atuação mais forte do BNDES pode afetar a eficácia da Selic contra a inflação

5 de fevereiro de 2023 - 12:52

Aloizio Mercadante assume o comando BNDES nesta segunda-feira (6) e já disse que há espaço para reduzir a taxa de juros cobrada pelo banco

NÃO FOI DESTA VEZ

Mega-Sena acumula de novo e prêmio vai a R$ 160 milhões; veja como aumentar suas chances de ganhar

5 de fevereiro de 2023 - 10:43

Mega-Sena está acumulada desde o sorteio da virada, próxima chance de virar um milionário será na quarta-feira (8)

FUTURO PLANEJADO

Quanto investir para garantir uma renda igual ao teto do INSS no Tesouro RendA+, o título do Tesouro Direto para aposentadoria

5 de fevereiro de 2023 - 9:38

Quanto mais tempo você puder esperar para começar a receber a renda, menos precisará investir. Confira duas simulações no Tesouro RendA+

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Copom, dados de atividade e balanços de bancos são destaque na semana

5 de fevereiro de 2023 - 8:11

A ata da última decisão do Copom vai dar novas pistas quanto à trajetória da Selic. Lá fora, a agenda econômica estará mais vazia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies