Menu
2018-10-31T18:38:27-03:00
Bancos

Santander supera projeções (de novo) com lucro de R$ 3,1 bilhões, alta de 20%

O resultado da unidade brasileira do banco espanhol pode passar dos R$ 12 bilhões no ano como um todo, se mantiver o ritmo no último trimestre

31 de outubro de 2018
7:59 - atualizado às 18:38
Santander
Santander - Imagem: Shutterstock

O Santander Brasil manteve a sequência de resultados acima do esperado pelo mercado. No terceiro trimestre, o banco registrou lucro líquido de R$ 3,108 bilhões no terceiro trimestre, alta de 20%.

Desta vez os analistas quase acertaram. A média das projeções compiladas pela Bloomberg apontava para um resultado de R$ 3,058 bilhões.

De janeiro a setembro, o lucro atingiu R$ 8,992 bilhões. Isso significa que o resultado da unidade brasileira do Santander pode passar dos R$ 12 bilhões no ano como um todo, se mantiver o ritmo nos últimos três meses. Em 2017, o banco chegou perto, mas não rompeu a barreira dos R$ 10 bilhões, ao lucrar R$ 9,953 bilhões.

A rentabilidade do Santander atingiu 19,5% no terceiro trimestre, um salto em relação aos 17,1% do mesmo período do ano passado.

A menos que o Bradesco tire algum coelho da cartola no balanço amanhã, o Santander deve se manter como o segundo mais rentável por mais um trimestre, atrás apenas do Itaú, que teve retorno de 21,3%.

O resultado do Brasil representou 26% do lucro de todo o grupo Santander, de acordo com o balanço do banco espanhol, que também saiu hoje.

Apesar do lucro acima do esperado, nem todos os números do balanço vieram bons. E o mercado decidiu dar mais importância a eles. Tanto que os recibos de ações (units) do Santander Brasil caíram 5,17%, a maior queda entre as ações do Ibovespa. Ainda assim, os papéis do banco acumulam valorização de quase 40% no ano.

Para o BTG Pactual, ainda que o lucro tenha sido bom, a "qualidade dos resultados" veio pior do que o esperado. "As expectativas para o banco agora são muito mais altas", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

Crédito

O Santander vem surfando uma onda de melhora nos resultados desde que Sérgio Rial assumiu a presidência, há quase dois anos.

O banco largou na frente dos concorrentes ao acelerar no crédito enquanto os demais mantiveram as torneiras fechadas em razão da crise. A estratégia se reflete no balanço.

A carteira de crédito do Santander encerrou setembro em R$ 380,7 bilhões, o que representa um aumento de 3,4% no trimestre e de 13,1% em 12 meses. O desempenho é puxado pelas linhas a pessoas físicas e a pequenas e médias empresas.

A alta nos financiamentos contribui para a margem financeira, que somou R$ 10,6 bilhões, um avanço de 7,8% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. No acumulado do ano até setembro, a margem cresce 12,3%.

Inadimplência

O banco vem mantendo os índices de inadimplência comportados em meio à aposta na concessão de crédito para melhorar os resultados.

O índice de calotes acima de 90 dias na carteira atingiu 2,9% no final de setembro de 2018, estável em doze meses e aumento de 0,1 ponto percentual no trimestre.

Já as despesas com provisão para calotes aumentaram 7,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, para R$ 2,6 bilhões. A tendência é oposta à dos concorrentes, que vêm registrando redução no custo do crédito.

De olho nas tarifas

Além do crédito, o Santander vem turbinando os resultados com o aumento nas receitas de prestação de serviços. Mas aqui surgiu um número que pode preocupar quem acompanha o balanço.

Os ganhos com tarifas e outras cobranças somaram R$ 4,1 bilhões. Apesar da alta de 6,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, na comparação com o trimestre anterior houve uma queda de 3,3%. A redução das tarifas pode ser uma boa notícia para o cliente, mas não para quem é acionista do banco.

Do lado das despesas, o Santander gastou R$ 5 bilhões, um aumento de 4,5% em relação aos meses de julho a setembro do ano passado e de 3,2% no trimestre. O banco atribuiu o desempenho às maiores despesas com processamento de dados e com pessoal.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

mercado aquecido

Cury, da Cyrela, tem preço por ação a R$ 9,35 em IPO

Com a emissão de 18,1 milhões de novas ações, a empresa teve um aumento de capital social de R$ 169,9 milhões

fora do Executivo

Bolsonaro diz que BB, Caixa e Casa da Moeda não serão privatizados em seu governo

Ele afirmou que não está “segurando privatizações” e que qualquer processo é “demorado”

mudança

BC altera assinatura no câmbio e permite conta pré-paga em compra internacional

No caso da assinatura eletrônica em contratos de câmbio, será permitido usar soluções como a gravação de imagem ou de voz, o registro de sinalização gráfica de concordância e o envio ou recebimento de e-mail

Sextou com o Ruy

Como investir bem em um país que insiste em não dar certo

Para não depender do sucesso do Brasil nem da boa vontade dos governantes, o Felipe Miranda decidiu procurar por um ativo que desse grandes lucros e não estivesse ligado a nenhum desdobramento macroeconômico

projeções da corretora

XP Investimentos amplia cobertura e recomenda compra para dois FIIs de lajes corporativas

Cotas dos fundos PVBI11 e RECT11 têm potencial de alta de no mínimo 12% e oferecem rendimento de dividendo de até 8,4%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements