Menu
2018-10-14T00:48:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

Fintech oferece aplicação direta em títulos de financeiras

Com investimento a partir de R$ 1 mil, PoupaBrasil Investimentos oferece RDB e Letra de Câmbio

14 de outubro de 2018
5:47 - atualizado às 0:48
Claudio-Ferro-PoupaBrasil-Investimentos
Cláudio Ferro: Plataforma é simples e apresenta alternativa com vantagem de rentabilidade. - Imagem: Acervo pessoal

A associação que representa as financeiras, a Acrefi, reuniu alguns de seus membros dentro de uma plataforma de captação de recursos para suas atividades. Para o investidor, a ferramenta representa mais uma alternativa de investimento em renda fixa, com proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Criada há quase 3 anos, a fintech PoupaBrasil Investimentos é uma facilitadora, segundo seu diretor-executivo, Cláudio Ferro, pois com um único cadastro feito pela internet o investidor tem acesso aos papéis das oito empresas cadastradas (Caruana, Dacasa, Lecca, Omni, Portocred, Santana, Santinvest e Viacerta).

Segundo Ferro, a captação está na casa dos R$ 220 milhões e há 20 mil investidores cadastrados, sendo que 15 mil atualmente estão com alguma aplicação em andamento.

A Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) reúne mais de 60 instituições e tem grandes bancos, como Itaú, Banco do Brasil e Bradesco entre os associados. Mas como os grandes tem estruturas próprias de captação e marketing foram as pequenas que se interessaram pelo projeto.

Uma vez cadastrado, o investidor escolhe prazo, valor a ser aportado e taxa de rendimento e a plataforma indica o ativo mais apropriado. Se o aplicador quiser fazer o aporte diretamente para uma das financeiras, basta fazer essa solicitação. Não há custos nem taxa de administração. O site também traz um simulador de investimento que ajuda a fazer a escolha.

São ofertados três tipos de instrumentos de renda fixa. O RDB (que é um primo do CDB) com taxas de 106% a 123% do CDI dependendo do prazo e liquidez diária. A Letra de Câmbio (LC) pós-fixada, com taxas que vão de 111% a 125% do CDI. E a LC prefixada, com retornos de 8,75% a 12,5% ao ano (taxas podem variar). Como financeiras não podem emitir CDBs, elas utilizam esses instrumentos, que têm nome diferente, mas seguem a mesma lógica de um empréstimo com promessa de retorno acrescido de juros em determinado prazo. Há incidência de Imposto de Renda (IR) de acordo com o vencimento.

“Tentamos fazer uma coisa simples, fácil de entender e que se apresenta como alternativa para o investidor com vantagem absurda de rentabilidade, o dobro da poupança, e com segurança”, explica Ferro.

O executivo destaca a cobertura do FGC, até R$ 250 mil, como um fator que dá mais segurança ao investidor, justamente por se tratar de instituições menores e pouco conhecidas do público.

Segundo Ferro, são ofertadas as mesmas taxas para todas as instituições participantes e há uma espécie de fila virtual que ordena o recebimento dos recursos entre as financeiras.

Ferro afirma que é sempre cruel concorrer com as grandes corretoras e distribuidoras em termos de propaganda, mas ressalta que a empresa vem investindo em divulgação principalmente na internet.

“Nos sentíamos um patinho feio, mas começamos o trabalho de firmar a marca de sermos alguém especialista em renda fixa. E não importa o tamanho do investidor, ele sempre tem parte das aplicações em renda fixa.”

Segundo Ferro, a criação de uma plataforma própria é um caminho para as financeiras não precisarem fazer o pagamento de taxas aos distribuidores tradicionais, como XP e Órama. E o objetivo futuro é buscar essa independência. Por ora, no entanto, o executivo reconhece a importância dos grandes distribuidores por sua capacidade de oferta e estrutura de marketing.

Ferro explica, ainda, que o PoupaBrasil Investimentos não faz intermediação, ou seja, o dinheiro não passa pela plataforma. O investidor faz o aporte diretamente na financeira indicada ou escolhida por ele, diferentemente do que ocorre quando ele compra por uma corretora ou distribuidora. Os títulos comprados são registrados na B3, no CPF do investidor, que acompanha as notas de negociação e informes pela plataforma na internet ou no celular.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Vai e vém

Demanda por crédito no Brasil cai 11% em abril, mas sobe 231% em 12 meses

Oscilação do índice medido pela Neurotech é atribuída a sazonalidade

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies