Menu
2018-11-19T15:00:46-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Mercados: definição na Petrobras deve animar Bolsa

O economista Roberto Castello Branco acaba de aceitar o convite para assumir o comando da estatal de petróleo

19 de novembro de 2018
7:43 - atualizado às 15:00
Selo esquenta mercados
Será que teremos um rali de Natal este ano? - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! O economista Roberto Castello Branco acaba de aceitar o convite para assumir o comando da Petrobrás. A informação foi confirmada, por meio de nota, pela assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Ivan Monteiro permanece no cargo até a nomeação do economista pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, o que só deve ocorrer em janeiro, após a posse.

Isso deve animar os mercados, que têm mais uma semana com dois feriados. Amanhã, o Dia da Consciência Negra fecha as bolsas em São Paulo e, na quinta-feira, é Ação de Graças, nos Estados Unidos. Mas tem muita coisa para acontecer.

Ex-diretor do Banco Central e da Vale, Castello Branco fazia parte do time de especialistas que Guedes reuniu durante a campanha para debater a formulação de propostas econômicas para o então presidenciável.

Castello Branco é visto como homem de confiança de Guedes e seu nome já vinha sendo cogitado para o posto. Mas, como o trabalho de Monteiro à frente da Petrobrás era bem avaliado pelo futuro ministro da Economia, havia disposição para que ele seguisse no comando da petroleira. Monteiro mostrou-se, contudo, reticente em permanecer por mais um período na estatal. De acordo com relato feito à reportagem do Estado, ele argumentou a Guedes que o trabalho de reestruturação financeira já havia sido feito na companhia e descreveu o desgaste a que se submeteu nos últimos anos como empecilho para sua confirmação.

No Exterior, há preocupação com as crises da Itália e do Brexit, enquanto Nova York anda apostando no fim do aperto dos juros e em um acordo com a China, que animam o investidor a sonhar com um rali de Natal.

Papai Noel

Todo ano é a mesma coisa: chega novembro, dezembro e todos os investidores começam a falar sobre o rali de fim de ano ou o "Santa Claus Rally”, um fenômeno que acontece em vários mercados. Nessa época, muitos investidores entram ou retornam para a bolsa de valores, provocando uma alta nos ativos financeiros, geralmente alguns dias antes do Natal.

Na sexta-feira, o Ibovespa rompeu os 88 mil, para fechar na máxima, a 88,5 mil pontos. O exercício hoje ainda pode distorcer o mercado, mas a maioria está otimista e acredita em boas surpresas para o fim do ano.

A razão número um para isso é a ação de Petrobras, que alem da indicação de Castello Branco, conta com a votação do projeto de cessão onerosa no Senado, prevista para quarta-feira, após o feriado. A lei definirá a revisão do contrato da União com a Petrobras, liberando o governo para o leilão do pré‐sal, em 2019, que deve arrecadar de R$ 100 bilhões a R$ 130 bilhões, cerca de R$ 30 bilhões para a estatal.

Na última sexta, Eduardo Guardia disse: "Vamos deixar a cessão onerosa na marca do pênalti para leilão em 2019". O ministro da Fazenda, que concordou em repassar parte dos recursos a Estados e municípios, deu entrevista ao Estadão de sábado, alertando para os riscos de um novo socorro sem a contrapartida do ajuste fiscal.

EUA

Para melhorar ainda mais as perspectivas do Ibovespa, só o que está faltando nesta festa é o estrangeiro voltar. As coisas devem melhorar para os emergentes se o FED (o Banco Central americano) confirmar as indicações recentes de que pode ir com mais calma nos juros e se Donal Trump, presidente dos EUA, entrar em entendimento com a China, como se espera que aconteça.

China

A Casa Branca ainda faz jogo duro, como no fim de semana, quando o vice‐presidente, Mike Pence, disse na reunião dos líderes da Ásia‐Pacífico que os EUA só vão retirar as tarifas se a China mudar a política comercial. As divergências impediram que os 21 países da região chegassem a um comunicado final, mas as expectativas são positivas. No final do mês, Trump e Xi Jinping estarão juntos na reunião do G‐20, na Argentina.

Agenda

O projeto de securitização da dívida dos Estados, que permite a governadores e prefeitos venderem créditos que têm a receber, pode entrar na pauta de votações da Câmara dos deputados, a ser definida amanhã (terça-feira). Também estão ainda na fila: a participação de estrangeiros nas companhias aéreas, a divisão dos recursos da loteria, o Simples Nacional, nova Lei de Licitações, novo Cadastro Positivo e a Medida Provisoria que cria o Fundo Ferroviário. Já a MP 844, que altera as regras do marco legal do saneamento para facilitar a privatização de empresas públicas de saneamento básico, terá de ser votada hoje, ou vai caducar.

 

*Com Estadão Conteúdoinformações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Novela sem fim

Senadores articulam aprovação da MP da Eletrobras sem os ‘jabutis’ polêmicos, mas fazem novas adições ao texto

Os senadores sabem, no entanto, que essa alternativa pode não ser bem sucedida e que a Câmara vai resgatar os trechos retirados

Parlamentares furiosos

CPI suspende trabalhos pede condução coercitiva do empresário Carlos Wizard

Wizard é apontado como um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia

Sobre shoppings e alianças

Como “compra por vingança”, casamentos adiados e bebês podem beneficiar a Vivara

Ao reafirmar recomendação de compra, XP explica como retomada de planos familiares e a vontade de consumir vão beneficiar a produtora de joias

Indenização ao governo

Ford deve pagar R$ 2,5 bilhões ao governo da Bahia

O acerto deve ser anunciado nos próximos dias, segundo fontes dos setores automotivo e jurídico

Força do campo

Prestes a realizar IPO, AgriBrasil aposta em sustentabilidade e expansão geográfica

Empresa que atua no ramo de exportação de grãos foi fundada em 2013 por Frederico Humberg, que vai aproveitar oferta para vender ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies