Menu
2018-10-26T08:29:55-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Datafolha, balanços e PIB nos EUA devem afetar mercados hoje

Último pregão antes do segundo turno presidencial promete: Datafolha de ontem surpreende, crescimento americano deve se mostrar robusto e temporada de balanços continua

26 de outubro de 2018
8:21 - atualizado às 8:29
Selo esquenta mercados
Diferença entre Bolsonaro e Haddad nas intenções de voto caiu seis pontos percentuais, segundo Datafolha - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! O último pregão antes das eleições promete. Os mercados verão a repercussão da pesquisa Datafolha de ontem, dos balanços corporativos no Brasil e no exterior e dos números do PIB dos Estados Unidos.

O Ibovespa fechou ontem em alta de 1,23%, aos 84.083 pontos, em dia de recuperação parcial dos tombos de quarta-feira, no Brasil e no exterior. Balanços positivos impactaram as bolsas em NY, influenciando os mercados por aqui.

O dólar fechou em queda de 0,88%, a R$ 3,7052, depois de operar boa parte do dia abaixo de R$ 3,70, patamar que vem sendo difícil de furar antes das eleições.

O resultado da pesquisa Datafolha e um PIB forte nos EUA, a ser conhecido hoje, podem levar a uma alta da moeda americana frente ao real.

Datafolha surpreende

A pesquisa Datafolha de intenções de voto para presidente no segundo turno, divulgada ontem à noite, pode causar algum mal estar nos mercados, ao menos no início do pregão.

O levantamento surpreendeu, mostrando uma redução de seis pontos percentuais nos votos válidos entre Bolsonaro e Haddad em relação à última pesquisa do instituto.

O candidato do PSL tem 56% dos votos válidos (queda de três pontos percentuais), enquanto o petista tem 44% (alta de três pontos percentuais). Com isso, a diferença se reduziu de 18 para 12 pontos.

O resultado fez o EWZ, principal fundo de índice do Brasil negociado em Nova York, cair quase 3% no after hours, fechando em queda de 1,28%. Os ADRs, recibos de ações brasileiras negociados lá fora, também recuaram.

Esse desempenho dos ativos brasileiros no exterior ontem à noite sugerem que o Ibovespa abra em queda, mas é possível que o impacto negativo da pesquisa seja limitado.

Mesmo com a redução da diferença, ainda é muito improvável que o candidato favorito do mercado perca as eleições. Dificilmente os investidores vão se arriscar a começarem a próxima semana vendidos em ações.

O grande problema desse resultado para os mercados é que ele mostra um Brasil mais dividido, o que pode ser ruim para a governabilidade do próximo presidente.

O investidor poderá verificar essa tendência caso as próximas pesquisas confirmem o Datafolha. A última TV Record/Real Time mostrou o mesmo resultado. Às 9h sai a Crusoé/Paraná, com comentários dos jornalistas do "Antagonista". Às 10h tem XP/Ipespe. No sábado à noite serão divulgados as últimas Ibope e Datafolha.

Segundo o Datafolha, Bolsonaro perdeu votos sobretudo entre os mais ricos e escolarizados. A capital paulista mostrou-se bastante dividida, com 41% dos votos totais para Haddad e 40% para Bolsonaro, em empate técnico.

Em entrevista à "GloboNews", o presidente do Instituto Datafolha, Mauro Paulino, afirmou que foram os "arroubos autoritários" de Bolsonaro que fizeram o candidato perder votos.

Ele citou o discurso do capitão reformado na Paulista, onde prometeu banir "os vermelhos" e adversários políticos, e o vídeo de seu filho Eduardo falando em fechar o STF.

O favoritismo de Bolsonaro fez a bolsa disparar desde a reta final antes do primeiro turno. Para quem não entrou, ainda dá tempo, a gente te conta como aqui.

Temporada de balanços

No pregão de hoje devemos ver os impactos dos balanços de Suzano, CCR, Lojas Renner e Pão de Açúcar, divulgados ontem à noite.

Os resultados da Suzano vieram muito abaixo do esperado pelos investidores. A companhia teve prejuízo de R$ 107,6 milhões no terceiro trimestre, enquanto o mercado esperava um lucro de de R$ 524 milhões.

No entanto, o Ebitda ajustado, termômetro do mercado para mensurar a capacidade operacional das empresas, bateu recorde ao crescer 78,6% no comparativo anual e atingir R$ 2,1 bilhões, acima das previsões de R$ 1,96 bilhões.

Nos Estados Unidos, devemos ver a reação do mercado aos resultados de grandes empresas de tecnologia. O Twitter disparou no pregão de ontem após a divulgação do seu balanço, puxando para cima o desempenho das ações do setor.

Contudo, no after hours, Amazon, Snap (Snapchat) e Alphabet (Google) tiveram quedas expressivas após a divulgação de balanços frustrantes. Só a Intel teve alta, com lucro e receita superando a previsão.

Não há nenhum resultado previsto para hoje nos EUA, só na Europa (RBS, Total e Glencore).

No Brasil, o calendário de resultados trimestrais ainda reserva para hoje Usiminas, antes da abertura dos negócios, com teleconferência prevista para o meio-dia; teleconferências de Suzano (10h), Pão de Açúcar (10h30), CCR (11h) e Lojas Renner (13h); e o balanço da Hypera Pharma (Hypermarcas) depois do fechamento.

Saiba o que esperar dos balanços de Usiminas e Hypera.

PIB nos EUA

Finalmente, hoje saem os números do PIB dos Estados Unidos no terceiro trimestre, às 9h30. Analistas esperam alta anualizada de 3,4%, após o crescimento robusto de 4,2% no segundo trimestre, melhor cifra em quatro anos. Ainda assim, é um crescimento forte o suficiente para provar a supremacia americana.

Para o investidor, os dados devem nortear as expectativas quanto a um aumento de juros mais agressivo pelo Fed, o banco central americano, o que tende a impactar negativamente as bolsas.

Enquanto a Ásia sente os efeitos da guerra comercial e a zona do euro não deslancha, os cortes de impostos do governo Trump em janeiro bancam o desempenho dos EUA, recuperam os salários e limitam o desemprego. O consumo é a principal mola do crescimento.

E o que mais tem hoje?

Na agenda do dia, temos ainda o relatório da dívida pública federal (10h), a nota de operações de crédito do Banco Central (10h30) e a decisão da Aneel sobre a cor da bandeira tarifária a ser adotada nas contas de luz em novembro.

Às 14h30, saem as contas do Governo Central, que devem apresentar déficit de R$ 23,15 bilhões em setembro, segundo mediana de pesquisa do "Broadcast", serviço de notícias em tempo real do "Estadão".

Nos EUA, sai a leitura final de outubro do índice de sentimento do consumidor, às 11 horas.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements