Menu
2018-10-09T10:13:20-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Estrangeiro voltou a comprar dólar no pregão de ontem

Movimentação foi pouco expressiva, mas elevou “aposta” do estrangeiro a US$ 38 bilhões

9 de outubro de 2018
10:13
Dólar
Imagem: Creative Commons/Pixabay

Pela oscilação e comportamento de preço do dólar se esperava uma movimentação maior no mercado futuro de moeda americana no pregão de segunda-feira, que marcou o ajuste de posições após o primeiro turno das eleições. Mas os dados da B3 contam outra história.

Os investidores estrangeiros, que carregam a maior posição em dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar), fizeram um modesta compra de US$ 124,5 milhões, elevando seu estoque de posição comprada a US$ 37,945 bilhões. Para dar um parâmetro, na abertura do mês chegamos a ver uma venda de US$ 8 bilhões em apenas dois pregões.

Os grandes vendedores de moeda foram os fundos de investimento, com US$ 854,7 milhões. Com isso, ampliaram a posição vendida para US$ 21,1 bilhões.

Os bancos também atuaram na ponta de compra. Foram US$ 637 milhões, que reduziram marginalmente a posição vendida para US$ 19 bilhões.

O dólar terminou o dia com queda de 2,4%, negociado a R$ 3,76, menor cotação em dois meses. Como o preço é determinado por essas negociações no mercado futuro, essa tímida movimentação sugere algum cautela dos investidores, que pode (ou não) se confirmar nos próximos pregões. O feriado no mercado americano pode ser uma das explicações.

A avaliação sobre possíveis perdas e ganhos com as posições é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço a compra ou venda foi feita. Além disso, esses agentes podem ter posições em moeda estrangeira no mercado à vista e em derivativos de balcão. Bancos, por regra, não podem ter exposição cambial direcional. É uma medida prudencial.

Ibovespa Futuro

Com a bolsa registrando o melhor pregão do ano e volume recorde na linha dos R$ 30 bilhões, a movimentação com contratos futuro do Ibovespa foi intensa.

O não residente vendeu quase 37,5 mil contratos, reduzindo sua posição comprada líquida a 50.688 contratos.

Na ponta de compra estavam os fundos de investimento, que tomaram mais de 40,6 mil contratos. Com isso, a posição líquida vendida caiu a 50.875 contratos.

Tanto os fundos quando os estrangeiros estão mais “leves” em Ibovespa futuro, com as menores posições líquidas desde o começo de junho. Vale lembrar que a posição era muito mais “pesada” no fim de setembro. Os fundos estavam vendidos em 180.809 contratos e os estrangeiros comprados em 174.785 contratos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADO DE TRABALHO

EUA: Pedidos de auxílio-desemprego caem 36 mil, a 837 mil

Resultado ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal

DIVULGAÇÃO ATRASADA

CVC cai mais de 4% após ter prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre

Pandemia derruba receita e provoca despesas não recorrentes no período

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercado agora

Ibovespa cede a pressões locais e segue na contramão do otimismo externo; dólar sobe

Cautela com os cenários político e fiscal locais derrubam a bolsa e pesam sobre os mercado de câmbio e juros

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para começar o dia bem informado

Pode parecer que a frase a seguir tenha uma contradição, mas é isso mesmo. A renda fixa deu uma boa chacoalhada nos últimos dias. O mau humor dos mercados com a possível pedalada fiscal do programa Renda Cidadã esticou os juros futuros. Para Alfredo Menezes, CEO da Armor Capital e ex-diretor da Tesouraria do Bradesco, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements