Menu
2018-11-30T18:48:11-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa bate nos 90 mil pontos, mas fecha em queda

Após ter alcançado um pico histórico no fechamento de ontem, a Bolsa de São Paulo passa boa parte do dia no azul, mas cai no finalzinho

30 de novembro de 2018
10:26 - atualizado às 18:48
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Entrou no radar do investidor também o G-20. Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping se encontram amanhã - Imagem: Seu Dinheiro

Depois de ter alcançado a um novo topo histórico no fechamento de ontem, a Bolsa de São Paulo diminuiu o passo nesta sexta-feira. Mesmo assim, com um pregão suave, o Ibovespa subiu impulsionado pelas boas notícias sobre o PIB o suficiente para bater nos 90 mil pontos. Chegou a 90.245 pontos, na máxima do dia, ainda embalado pelo menor ritmo da política monetária nos Estados Unidos. Tanto é que anteontem, os investidores estrangeiros, depois de semanas retirando investimentos, inverteram a direção e ingressaram com R$ 74 milhões na Bovespa. No fim do dia, porém, Ibovespa perdeu força fechou com que de 0,23%, a 89.504 pontos. O dólar fechou a semana cotado a R$ 3,85, com mais 0,16%.

PIB bom

A divulgação do PIB hoje também ajudou o Ibovespa. O Produto Interno Bruto – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – cresceu 0,8% na passagem do segundo para o terceiro trimestre de 2018,  com ajuste sazonal. Em relação ao terceiro trimestre de 2017, o crescimento foi de 1,3%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado acumulado nos quatro trimestres terminados em setembro (3º trimestre do ano), é 1,4% maior que nos quatro trimestres e anteriores.

Buenos Aires

Os investidores também estão atentos às novidades que possam vir da reunião do G-20. Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, se encontram sábado à noite. É grande a expectativa por um acordo que possa reduzir as tensões comerciais entre os dois países.

A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva, inclusive aqui. O presidente americano joga duro, até o último minuto. Apostar em um resultado parece ser arriscado. Ontem, Trump voltou a ameaçar com a retórica protecionista e, já pela manhã, foi ao Twitter dizer que os EUA estão enchendo os cofres com as tarifas cobradas e que, se Pequim não quer pagar, “que fabrique aqui”. Mais tarde, antes de decolar à Argentina, disse estar “aberto” a um acordo com a China, “mas não sei se quero fazer”, porque “honestamente gosto do que temos agora (...) bilhões e bilhões de dólares com tarifas”.

Siderúrgicas em alta

Os papéis das siderúrgicas hoje pegaram carona na animação dos investidores com o PIB e fecharam a sexta-feira com bons percentuais de elevação. Usiminas PNA subiu 4,25%, Metalúrgica Gerdau PN saltou 2,95% e CSN ON, 1,03%

 

Ressaca da Black Friday

A B2W e o Magazine Luiza estão novamente entre as principais quedas do Ibovespa nesta sexta-feira, e praticamente zeram os ganhos acumulados na semana pós-Black Friday. Segundo operadores, o último dia do mês muitas vezes estimulam esses movimentos, já que os investidores querem fechar suas posições com ganhos. B2W ON caiu 1,83% e Magazine Luiza ON recuou 3,59%.

Eletrobras em queda

A maior queda, entretanto, foi a Eletrobras: 5,20%. O papel, segundo analistas, está  em processo de ajuste após ganhos fortes nos últimos dias, refletindo, em parte também alguma decepção com a indicação do almirante de esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, para o ministro de Minas e Energia, conforme apurou mais cedo o Broadcast. Ontem, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, decidiu revogar a liminar que impedia a realização do leilão de privatização da Companhia Energética de Alagoas (CEAL). Em nota, a estatal afirmou que não há mais óbice (empecilho) para o BNDES retomar o processo de venda da distribuidora.

Suzano

Ainda refletindo a aprovação das autoridades da Comunidade Europeia para a fusão com a Fibria, anunciada ontem, Suzano ON subiu 5,03% e Fibria ON avançou 1,30%.

Cielo azul

A maior alta, quem diria, foi a Cielo ON, com 6,85%. O papel recupera uma parte das perdas acumuladas durante o mês de novembro. Mesmo com a valorização de hoje, a ação deve fechar o mês com queda de quase 30%. O desempenho da rival PagSeguro, que em Nova York tem queda de 12%, é uma das razões da alta. A concorrente divulgou seus resultados essa semana, e as projeções da companhia para 2019, ficaram muito abaixo das estimativas dos analistas.

Câmbio

Traders de câmbio estão intrigados com a pressão persistente do dólar, que voltou a subir ontem (0,40%) e hoje (0,16%), apesar dos três dias de leilões sucessivos de linha, no total de R$ 4,25 bilhões, e da queda lá fora. Entre os motivos cogitados está a Ptax de hoje, para a liquidação dos futuros de dezembro, e a antecipação de remessas de fim de ano, além de saídas dos investidores estrangeiros da bolsa, que continuou este mês.

Inepar

Fora da carteira teórica, as ações da Inepar disparavam 6,83% (PN) deppis de terem batido nos 10% de alta. O motivo é a conclusão do processo de recuperação judicial da companhia, que agora prepara a venda de sua maior fábrica. A Inepar é um grupo industrial paranaense que atua nas áreas de construção de equipamentos de energia.

 

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Painel com gestores

Stuhlberger vê bolha se formando na bolsa, mas segue aplicado

Lendário gestor da Verde Asset diz que “olha porta de saída” da bolsa, mas vê boas perspectivas com avanço do PIB de consumo

olho nos números

Taxa do cheque especial cai para 302,5% em dezembro

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

balanço

Crise do 737 Max faz Boeing ter o primeiro ano de prejuízo desde 1997

Empresa perdeu US$ 636 milhões em 2019, após apresentar prejuízo de US$ 1,01 bilhão no quarto trimestre – analistas esperavam por lucro de US$ 636 milhões no período

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Expectativa

Ibovespa cai e acompanha a cautela global antes da decisão de juros nos EUA; dólar sobe a R$ 4,20

Sem tirar o coronavírus do radar, o Ibovespa acompanha o exterior e opera em leve alta, aguardando o parecer do Federal Reserve em relação à taxa de juros nos EUA

no balanço

Santander Brasil tem lucro de R$ 14,5 bilhões em 2019, e aumenta a participação nos ganhos do grupo

Filial brasileira divulgou resultados do quarto trimestre; lucro chegou a R$ 3,7 bilhões, avançando 9,49%; retorno sobre patrimônio bate 21,3%

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

A elite financeira do país se reúne em um evento do banco Credit Suisse para discutir a economia. Um dos sócios de uma das gestoras mais renomadas do país disse que a maioria das ações do Ibovespa está cara. Nos mercados, as atenções se dividem entre o avanço do coronavírus e a decisão de hoje do Federal […]

auditoria da auditoria?

Bolsonaro vê ‘coisa esquisita’ no BNDES e Montezano deve se explicar nesta quarta

Banco gastou R$ 48 milhões em auditoria; atual presidente autorizou aditivo do contrato inicial

Esquenta dos mercados

Em compasso de espera por decisão do Federal Reserve, bolsas ensaiam mais um dia de recuperação

Coronavírus continua trazendo cautela aos mercados, mas as bolsas tentam engatar mais um dia de recuperação

pode não acontecer

Auditoria em contrato com a Odebrecht pode ser abortada

Após a auditoria do BNDES nas operações da JBS apontar inexistência de indícios de irregularidade e gastar R$ 48 milhões, avaliação é que “não faz mais sentido” gastar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements