Menu
2018-11-09T19:58:55-02:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa fecha estável, mas perde 3,14% na semana

Depois de operar em baixa durante quase todo o dia, bolsa fecha em leve alta com boas notícias vindas do México

9 de novembro de 2018
11:00 - atualizado às 19:58
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Bolsas americanas e europeias fecharam em queda nesta sexta - Imagem: Seu Dinheiro

Depois de altos e baixos e de chegar a perder 1,86% na mínima do dia, o Ibovespa conseguiu nadar para a superfície e colocar só o nariz para fora da linha d'água. O índice fechou praticamente estável, subindo 0,02%, aos 85.641 pontos. Já o dólar à vista, que também passou o dia bastante instável, fechou em queda de 0,25%, a R$ 3,7385.

Assim como o restante da semana, o dia foi de noticiário local fraco, sem grandes novidades que pudessem motivar uma recuperação mais forte das perdas vistas nos últimos três pregões. Na semana, o Ibovespa acumulou queda de 3,14%.

As desejadas notícias sobre reforma da Previdência e os nomes para a equipe econômica do novo governo não vieram. E o mercado anda incomodado com a falta de novidades e de traquejo político do governo eleito.

Essa indefinição interna tem deixado a bolsa brasileira à mercê dos humores internacionais e também se refletiu na cotação do dólar, que na semana acumula alta de 1,10% perante o real.

¡Arriba!

Hoje, o Ibovespa operou em queda durante boa parte do dia, acompanhando as perdas nas bolsas de NY, que caíram durante todo o pregão.

O leve fôlego no fim do dia deveu-se à maior valorização das ações dos bancos, que têm grande peso no índice, devido a uma notícia vinda do México.

O presidente eleito Andrés Manuel López Obrador negou que haverá mudanças nas operações bancárias por meio de uma modificação no marco legal econômico, financeiro e fiscal do país.

Com isso, as ações do BB (BBAS3) subiram 2,22%, os papéis do Itaú (ITUB4) avançaram 1,26%, e os do Santander (SANB11) ganharam 1,91%.

Juros futuros fecharam com sinais mistos

A instabilidade também foi vista nos juros futuros, que fecharam sem sinal único. Os de curto e médio prazos terminaram a sessão em queda, e os longos, em leve alta.

O DI para janeiro de 2021 caiu de 8,223% para 8,16%, e o DI para janeiro de 2023 subiu de 9,443% para 9,47%.

Para a baixa dos juros de prazo mais curto influenciou o maior otimismo com o cenário de inflação e taxa Selic. O Itaú divulgou hoje revisões para ambos os indicadores. Em 2018, a previsão para o IPCA passou de 4,50% para 4,20%; em 2019, caiu de 4,30% para 4,20%. Já a Selic de 2019 foi revisada de 8,00% para 6,50%.

Para profissionais da área de renda fixa, o recuo do dólar, dos preços da gasolina nas refinarias e a entrada em vigor da bandeira amarela nas tarifas de energia vão contribuir para a inflação vir menor neste ano, o que alivia os juros.

Já os juros de longo prazo refletem os temores dos investidores em relação à capacidade de o novo governo tocar as reformas necessárias para o nosso equilíbrio fiscal.

Trying too hard

As ações da Vale (VALE3) e da Bradespar (BRAP4), holding que investe nos papéis da mineradora, tiveram dois dos maiores tombos do Ibovespa nesta sexta, fechando em queda de 4,16% e 4,45%, respectivamente.

A Vale recuou junto com suas concorrentes internacionais, em razão de novos temores em relação à economia chinesa, já que Pequim estaria "se esforçando demais" para manter o crescimento, com medidas como estabelecer cotas mínimas, para os bancos, de empréstimos para o setor privado.

A maior queda do índice foi a das ações da Kroton (KROT3), que fecharam com recuo de 4,61%, ampliando as perdas de ontem.

Apesar do lucro acima do esperado no terceiro trimestre, conforme divulgado nesta sexta, a empresa teve queda na receita líquida em razão de venda de ativos, redução no número de alunos e recuo no ticket médio no ensino presencial.

Outra queda significativa foi a das ações da JBS (JBSS3), que fecharam em baixa de 3,21% com a notícia da prisão de executivos da J&F, a holding que controla a companhia, incluindo o presidente Joesley Batista.

Natura é destaque de alta

As ações da Natura (NATU3) tiveram a maior alta do Ibovespa nesta sexta, com a divulgação de resultados fortes para o terceiro trimestre pela companhia. Em relatório, o BTG Pactual destacou o crescimento das vendas e a expansão da margem no período. Os papéis fecharam com ganho de 8,81%.

Outra valorização significativa foi a das ações da Copel (CPLE6), que fecharam em alta de 4,04%, em reação aos resultados trimestrais, com lucro acima das previsões.

Abilio vende ações do Carrefour

Fora do Ibovespa, as ações do Carrefour (CRFB3) fecharam em baixa de 6,69%. A Península, empresa de investimentos da família de Abilio Diniz, vendeu um bloco de 50,5 milhões de ações da companhia nesta sexta, arrecadando R$ 805 milhões com a operação.

Com isso, a empresa reduziu sua participação no Carrefour de 11,46% para 8,91%.

Segundo um profissional de mercado ouvido pelo "Broadcast", serviço de notícias em tempo real do "Estadão", a operação causa estranheza, principalmente por acontecer menos de 48 horas depois de a rede varejista divulgar resultados do terceiro trimestre considerados acima das expectativas.

Economia aquecida

As bolsas americanas operaram em baixa durante todo o pregão, o que contribuiu para o mau humor por aqui. O Dow Jones fechou em queda de 0,77%, aos 25.989 pontos; o S&P500 caiu 0,92%, aos 2.781 pontos; e a Nasdaq recuou 1,65%, aos 7.406 pontos.

No início do pregão, as bolsas de NY ainda ecoavam a reunião do Fed de ontem. Embora o comunicado do banco central americano tenha mantido um tom neutro, o mercado interpretou que pode haver uma nova alta de juros em dezembro e talvez um aperto monetário maior no ano que vem, o que sacrifica os ativos de risco.

A inflação ao produtor (PPI) dos EUA, divulgada hoje, foi de 0,6% em outubro, acima das expectativas de 0,3%. Foi a maior alta mensal desde setembro de 2012. O núcleo do PPI, que exclui alimentos e energia, veio em 0,5%, também acima das projeções de 0,2%.

Uma inflação acima do esperado sugere um aquecimento na economia americana que pode motivar o Fed a subir mais os juros.

No fim da tarde, declarações duras do diretor do Conselho de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, sobre as relações comerciais entre EUA e China pioraram ainda mais o humor das bolsas de Nova York.

Navarro afirmou que, se houver um acordo entre Washington e Pequim no comércio, será nos termos do presidente americano, Donald Trump.

"Se Wall Street estiver envolvida e continuar a se insinuar nessas negociações, haverá um cheiro podre em torno de qualquer acordo que seja consumado, porque terá o aval do Goldman Sachs e de Wall Street", afirmou Navarro.

O fato de ter citado especificamente o banco mostra ainda tensões internas em Washington, já que Gary Cohn, ex-diretor do Goldman, foi diretor do Conselho Econômico Nacional. A retórica inflamada de Navarro piorou o humor dos investidores.

As bolsas europeias também terminaram o dia em baixa, em razão do resultado da reunião do Fed e da questão fiscal na Itália, que pretende manter seu plano orçamentário deficitário para 2019, mesmo desagradando à União Europeia.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements