Menu
2018-11-01T18:04:03-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa supera máximas históricas e fecha em alta de 1,14%, aos 88.419 pontos

Índice superou máxima histórica intraday de 88.317 pontos, passando dos 89 mil pontos durante o pregão; bolsa também bateu recorde de fechamento

1 de novembro de 2018
10:48 - atualizado às 18:04
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Mundo está otimista com a possibilidade de EUA e China se acertarem - Imagem: Seu Dinheiro

A bolsa brasileira atingiu novos recordes nesta quinta-feira pré-feriado, superando os 89 mil pontos durante o pregão e fechando em alta de 1,14%, aos 88.419 pontos. O dólar à vista caiu 0,82%, a R$ 3,6979.

Anteriormente, o maior nível intraday do Ibovespa havia sido de 88.317 pontos, e o maior fechamento, de 87.652 pontos.

O que era para ser um dia de cautela - véspera de feriado e de Payroll, o relatório de emprego americano que costuma mexer com os mercados - tornou-se uma grande euforia com bons ventos vindos de fora.

Claro que, por aqui, o otimismo continuou com as reações aos balanços de empresas e com o novo governo.

Até a nomeação do juiz Sérgio Moro como ministro da Justiça, que nada tem a ver com economia, foi interpretada como algo que pode ser positivo para os mercados, pois sua popularidade pode facilitar para o governo passar reformas como a da Previdência.

Durante a manhã, o Ibovespa operou instável, com altos e baixos. Mas perto da hora do almoço engatou forte alta e assim permaneceu durante todo o dia. As bolsas americanas ajudaram, animadas pela possibilidade de EUA e China se acertarem.

O DI com vencimento em janeiro de 2021 fechou estável em 8,12%. Já o DI para janeiro de 2023 recuou de 9,273% para 9,21%.

Tensão menor entre EUA e China?

As bolsas americanas fecharam em alta, nesta quinta, animadas pela tensão aparentemente menor entre EUA e China.

O Dow Jones subiu 1,05%, para os 25.380 pontos; o S&P500 também avançou 1,05%, para os 2.740 pontos; e a Nasdaq fechou com ganho de 1,75%, aos 7.434 pontos.

Os investidores começaram o dia animados com a perspectiva de um acordo entre EUA e China no encontro entre os chefes de Estado dos dois países durante reunião do G-20 na Argentina, no fim do mês.

Além disso, Larry Kudlow, diretor do Conselho Econômico Nacional em Washington, já havia dito ontem que não é certo que Trump imporá novas tarifas sobre importações chinesas.

Os investidores também ficaram otimistas com a informação do Departamento do Trabalho dos EUA de que os pedidos de auxílio-desemprego recuaram na semana passada para 214 mil. Trata-se de uma baixa de 2 mil, mas ainda acima das expectativas de 211 mil dos economistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.

No meio da manhã, porém, Wall Street chegou a desanimar com dois dados econômicos que apontaram atividade aquém do esperado nos EUA.

O índice de atividade industrial de outubro, medido pelo ISM, e os investimentos em construção em setembro, medido pelo Departamento do Comércio americano, vieram abaixo do esperado pelo mercado.

Mas o que sustentou a alta dos índices foi uma fala de Trump sobre a China. O presidente tuitou que teve uma "conversa muito boa" com o presidente chinês Xi Jinping sobre comércio.

A declaração ajudou também a derrubar o dólar globalmente e, consequentemente, por aqui também.

Na Europa, algumas bolsas fecharam em alta e outras em queda, com reações a balanços corporativos. Mas índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,41%.

Reações aos balanços

Os balanços trimestrais continuaram impactando os preços das ações hoje. As ações do Bradesco fecharam em alta de 5,26% (BBDC3) e 5,71% (BBDC4), duas das maiores valorizações do Ibovespa, em reação aos seus fortes resultados divulgados nesta manhã.

Já as ações da B2W (BTOW3) despencaram 6,84%, maior queda do Ibovespa, após a companhia reportar resultados abaixo do esperado pelo mercado, com prejuízo maior que o previsto e baixa geração de caixa.

Apesar do resultado positivo, as ações das Lojas Americanas (LAME4) recuaram 2,13%, também uma das maiores quedas do dia. Embora forte, o lucro líquido ainda veio abaixo do esperado pelos analistas consultados pela "Bloomberg".

Segundo o "Broadcast", serviço de notícias em tempo real do "Estadão", Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, acredita que se trate de um movimento de correção depois de uma alta de 18% no preço da ação nos últimos 30 dias, em razão do otimismo eleitoral.

Já as ações da Gol (GOLL4) fecharam em alta de 4,62%, apesar dos resultados ruins, mas sem surpresas para o mercado. Segundo o "Broadcast", para o analista do Safra, Luiz Peçanha, as perspectivas de curto prazo da companhia são boas.

O combustível mais caro e a depreciação do real pressionaram as margens da aérea, mas a recente apreciação do real e a queda no preço do petróleo trazem um futuro mais ensolarado. O analista observou, ainda, que a Gol não fez mudanças significativas para suas perspectivas de 2018 e 2019.

As ações da EDP Energias do Brasil (ENBR3) subiram 0,90%, depois de a companhia apresentar resultados que superaram até as projeções mais otimistas do mercado. A previsão mais otimista para o lucro líquido, dentre aquelas colhidas pelo "Broadcast" junto a analistas, ainda foi 37% menor que a cifra reportada de R$ 306,9 milhões no terceiro trimestre.

Mais do cenário corporativo

Petrobras caiu 1,81% (PETR3) e 1,09% (PETR4), com a queda no preço do petróleo; Vale (VALE3) avançou 1,39%; BB (BBAS3) subiu 1,47%; Eletrobrás teve alta de 2,13% (ELET3) e 0,71% (ELET6); Itaú (ITUB4) subiu 1,42%; e Santander (SANB11) teve baixa de 0,95%.

As ações da Cielo (CIEL3) recuaram 2,20%, depois de o Citi cortar a recomendação da ação para "neutral" ao revisar suas estimativas para 2018 e 2019, considerando o desempenho da empresa no terceiro trimestre. O preço-alvo em 12 meses também foi reduzido para R$ 13,80.

A CCR venceu o leilão para concessão da Rodovia de Integração Sul (RIS) e fará investimento inicial de aproximadamente R$ 1,3 bilhão no projeto. A companhia ofereceu a menor tarifa básica de pedágio, de R$ 4,30, com deságio de 40,53% ante a tarifa-teto fixada em R$ 7,24. As ações da CCR (CCRO3) fecharam em alta de 1,64%.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

fechamento do dia

Lá em cima, de novo: Ibovespa é puxado por bancos, alívio fiscal e NY e fecha acima dos 100 mil pontos

Principal índice acionário da B3 avança quase 2% e fecha acima da importante marca psicológica após mais de um mês. Dólar registra queda durante maior parte da sessão, mas vira em minutos finais com indefinição sobre pacote de estímulos

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Empréstimos sem autorização

C6 Bank é notificado pelo Procon-SP por operações de crédito não solicitadas

O órgão afirma que foram registradas 149 queixas contra o C6 no mês passado e comparou com maio, quando apenas uma reclamação foi registrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies