Menu
2018-12-13T16:11:29-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Brasil é o emergente com menor posição de investidor estrangeiro

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças (IIF) considera tanto a entrada e a saída de capitais como efeitos de variação cambial e outros vetores sobre o estoque de alocação

13 de dezembro de 2018
16:11
investimento brasil
Imagem: Shutterstock

A notícia é seguinte: a posição do investidor estrangeiro em ativos brasileiros é a menor entre os mercados emergentes. Já o maior posicionamento está na África do Sul. A constatação é do Instituto Internacional de Finanças (IIF), reúne mais de 450 bancos de 70 países.

O lado bom de tal notícia é que há espaço para recuperação, como mostraram as estimativas do BTG Pactual. O lado ruim, por assim dizer, é que não é só o fluxo que importa quando se trata do posicionamento dos investidores.

Quando falamos de posição de investidor estrangeiro o que se tem em mente é basicamente a entrada e saída efetiva de capital do não residente em bolsa de valores e títulos. No entanto, o IIF desenvolveu e vem aprimorando uma medida mais ampla.

Além de considerar o fluxo, as análises do órgão também levam em conta o “valuation” das posições, ou seja, como a valorização ou desvalorização de ações, títulos e da taxa de câmbio afetam essas posições.

Vamos a um exemplo, se o mercado de ações apresentar um firme movimento de alta, isso torna um investimento inicial (fluxo) relativamente pequeno em uma grande posição (estoque), algo que tem o potencial de se tornar uma grande saída de capital no futuro (fluxo novamente).

Da mesma forma, um aporte inicial grande (fluxo) pode se tornar relativamente pequeno (estoque) no caso de uma acentuada desvalorização cambial.

O que o IIF fez foi calcular essa variável mais ampla de posição estrangeira em mercados emergentes para concluir que o Brasil é o mais “under-positioned” entre os pares.

Como isso é feito?

O IIF combina as informações sobre fluxo de investimento em portfólio (ações e títulos), que estão no balanço de pagamentos, com dados sobre a posição internacional de investimento, que permite calcular esse “efeito preço e renda” sobre os fluxos.

O que os dados mostram é que os movimentos de fluxo (entrada e saída – barras vermelhas nos gráficos abaixo) são muito raros, tanto que a maior parte na mudança de posicionamento dos investidores em momentos de stress acontece pelas mudanças no “valuation” do estoque de posições já existentes nesses mercados. Essas variações refletem depreciações cambiais, momentos de baixa no mercado de ações e no mercado de títulos

No gráfico abaixo, retirado do estudo do IIF, "BRL" representa o Brasil. A barra vermelha é o fluxo em % do PIB de 2010 a 2018. A barra azul é a variação no “valutation” das posições. ZAR é a África do Sul.

O próximo gráfico faz a mesma avaliação considerando as posições desde o primeiro trimestre de 2008.

E esse último mostra o total agregado para todos os emergentes com e sem a China.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ministério atualiza dados

Brasil registra mais de 31 mil mortes por covid-19

De 526.447 casos confirmados, 223.638 pacientes foram recuperados

6,8% dos recursos foram gastos

MPF investiga baixo investimento do governo Bolsonaro no combate ao coronavírus

O Ministério Público Federal determinou, nesta terça-feira, 2, a abertura de um inquérito civil público para apurar a baixa aplicação de dinheiro público, por parte do governo de Jair Bolsonaro, no combate à pandemia do novo coronavírus

A volta dos touros

Acabou a crise? 5 razões para a disparada da bolsa e a queda do dólar

O dólar à vista acumula queda de mais de 11% nas últimas 15 sessões, afastando-se de vez da faixa dos R$ 6,00 — na bolsa, o Ibovespa também teve alívio forte no período, retomando os 90 mil pontos

Atenção com contas públicas

Déficit fiscal poderá ser de 12% do PIB, diz Armínio Fraga

“Estritamente do ponto de vista fiscal, estamos trabalhando com uma margem de manobra muito apertada. Tenho comentado que a consequência disso vai ser um crescimento imenso das necessidades de financiamento do governo”, comentou Fraga ao participar de uma live promovida pelo BTG Pactual

seu dinheiro na sua noite

Velozes e furiosos, parte 91 mil

Eu não sou um grande fã de filmes de ação, e ainda menos da franquia Velozes e Furiosos. Assisti apenas ao primeiro longa da série, tentando imaginar como um roteiro tão desconectado da realidade foi parar nas telas – ainda que tenha seus momentos. Foi só alguns anos depois, durante uma discussão de bar (saudades das […]

ex-ministro da fazenda

Pedro Malan vê excesso de otimismo em órgãos internacionais para o pós-pandemia

O ex-ministro da Fazenda Pedro Malan disse nesta terça-feira, 2, que vê um excesso de otimismo nas previsões de organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), e também de parte do mercado, de uma recuperação na forma de “V” após a pandemia do coronavírus

Procurador-geral da República

Alinhado a Bolsonaro, Aras diz que Forças Armadas podem atuar em caso de ruptura

A posição do procurador está alinhada à do presidente Jair Bolsonaro, que tem citado o artigo 142 da Constituição como uma saída para a crise do governo com o Supremo

Alívio inesperado?

Dólar despenca a R$ 5,20 e Ibovespa sobe forte: o que aconteceu com o mercado?

Enquanto o mundo passa por forte turbulência, os mercados estão mais calmos que nunca: o dólar teve a maior queda diária desde 2018 e o Ibovespa foi às máximas em quase três meses

Dados de associação

Comércio paulistano cai 67% nas vendas de maio

Mês é estratégico em razão do Dia das Mães

Presidente da Câmara

MP que estabelece crédito para folha de pagamento não pode ser votada, diz Maia

Editada no dia 3 de abril, a medida estabelece uma linha de crédito de R$ 34 bilhões para garantir o pagamento dos salários em empresas com receita anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões durante a pandemia do coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements