🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Brasil é o emergente com menor posição de investidor estrangeiro

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças (IIF) considera tanto a entrada e a saída de capitais como efeitos de variação cambial e outros vetores sobre o estoque de alocação

Brasil dinheiro bussola bolsa brasileira ibovespa b3
Imagem: Shutterstock

A notícia é seguinte: a posição do investidor estrangeiro em ativos brasileiros é a menor entre os mercados emergentes. Já o maior posicionamento está na África do Sul. A constatação é do Instituto Internacional de Finanças (IIF), reúne mais de 450 bancos de 70 países.

O lado bom de tal notícia é que há espaço para recuperação, como mostraram as estimativas do BTG Pactual. O lado ruim, por assim dizer, é que não é só o fluxo que importa quando se trata do posicionamento dos investidores.

Quando falamos de posição de investidor estrangeiro o que se tem em mente é basicamente a entrada e saída efetiva de capital do não residente em bolsa de valores e títulos. No entanto, o IIF desenvolveu e vem aprimorando uma medida mais ampla.

Além de considerar o fluxo, as análises do órgão também levam em conta o “valuation” das posições, ou seja, como a valorização ou desvalorização de ações, títulos e da taxa de câmbio afetam essas posições.

Vamos a um exemplo, se o mercado de ações apresentar um firme movimento de alta, isso torna um investimento inicial (fluxo) relativamente pequeno em uma grande posição (estoque), algo que tem o potencial de se tornar uma grande saída de capital no futuro (fluxo novamente).

Da mesma forma, um aporte inicial grande (fluxo) pode se tornar relativamente pequeno (estoque) no caso de uma acentuada desvalorização cambial.

O que o IIF fez foi calcular essa variável mais ampla de posição estrangeira em mercados emergentes para concluir que o Brasil é o mais “under-positioned” entre os pares.

Como isso é feito?

O IIF combina as informações sobre fluxo de investimento em portfólio (ações e títulos), que estão no balanço de pagamentos, com dados sobre a posição internacional de investimento, que permite calcular esse “efeito preço e renda” sobre os fluxos.

O que os dados mostram é que os movimentos de fluxo (entrada e saída – barras vermelhas nos gráficos abaixo) são muito raros, tanto que a maior parte na mudança de posicionamento dos investidores em momentos de stress acontece pelas mudanças no “valuation” do estoque de posições já existentes nesses mercados. Essas variações refletem depreciações cambiais, momentos de baixa no mercado de ações e no mercado de títulos

No gráfico abaixo, retirado do estudo do IIF, "BRL" representa o Brasil. A barra vermelha é o fluxo em % do PIB de 2010 a 2018. A barra azul é a variação no “valutation” das posições. ZAR é a África do Sul.

O próximo gráfico faz a mesma avaliação considerando as posições desde o primeiro trimestre de 2008.

E esse último mostra o total agregado para todos os emergentes com e sem a China.

 

Compartilhe

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

Segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: Inflação dos EUA não assusta e bolsas internacionais começam semana em alta; Ibovespa acompanha prévia do PIB

12 de setembro de 2022 - 7:57

O exterior ignora a crise energética hoje e amplia o rali da última sexta-feira

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Inflação e eleições movimentam o Ibovespa enquanto bolsas no exterior sobem em busca de ‘descontos’ nas ações

9 de setembro de 2022 - 7:36

O exterior ignora a crise energética e a perspectiva de juros elevados faz as ações de bancos dispararem na Europa

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Decisão de juros do BCE movimenta as bolsas no exterior enquanto Ibovespa digere o 7 de setembro

8 de setembro de 2022 - 7:47

Se o saldo da Independência foi positivo para Bolsonaro e negativo aos demais concorrentes — ou vice-versa —, só o tempo e as pesquisas eleitorais dirão

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior deixam crise energética de lado e investidores buscam barganhas hoje; Ibovespa reage às falas de Campos Neto

6 de setembro de 2022 - 7:43

Às vésperas do feriado local, a bolsa brasileira deve acompanhar o exterior, que vive momentos tensos entre Europa e Rússia

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais caem com crise energética no radar; Ibovespa acompanha calendário eleitoral hoje

5 de setembro de 2022 - 7:46

Com o feriado nos EUA e sem a operação das bolsas por lá, a cautela deve prevalecer e a volatilidade aumentar no pregão de hoje

Aperta o play!

Ibovespa vs. S&P 500: quem ganha na ‘eleição’ das bolsas?

3 de setembro de 2022 - 8:30

No podcast Touros e Ursos desta semana, recebemos Matheus Spiess, analista da Empiricus e colunista do Seu Dinheiro, para comentar sobre o que esperar para as bolsas brasileiras e americanas daqui para frente

Falta só 1 mês

A bolsa costuma subir ou cair antes das eleições? Saiba como o Ibovespa se comportou na reta final das últimas votações e o que esperar agora

3 de setembro de 2022 - 8:00

A um mês do primeiro turno das Eleições 2022, veja como o Ibovespa se comportou no mesmo período antes de todas as escolhas presidenciais desde 1998

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies