Menu
2018-10-03T09:11:44-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Euforia na Bolsa

Mercados já saboreiam vitória de Bolsonaro no 1° turno, mas deve ser só uma provinha

Investidores embarcaram na terça-feira na tese de possível vitória em primeiro turno, levando a alta no Ibovespa e queda do dólar; tese é considerada muito difícil, porém não é inviável.

3 de outubro de 2018
6:01 - atualizado às 9:11
Jair-Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

O pregão de terça-feira nos mercados de bolsa, câmbio e juros foi uma degustação do que seria a eleição em primeiro turno do candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Evento tido como possível, mas pouco provável.

O pano de fundo veio com a pesquisa Ibope que mostrou uma alta de 4 pontos percentuais na intenção de voto de Bolsonaro, para 31%. Mas mais relevante que isso, um salto de 11 pontos na rejeição do petista de Fernando Haddad, para 38% contra 44% do capitão.

Junto com a pesquisa Ibope, que segundo um ex-tesoureiro, estava “fora de prumo” em comparação com as demais, outros eventos levaram o mercado a embarcar na tese da possível vitória em primeiro turno. E se não for no primeiro turno, esses eventos podem facilitar a campanha até o dia 28 de outubro. “Mercado funciona assim. Fazer o quê”, diz ele.

Como diz um amigo esse é o mercado Tim Maia. “Me dê motivo”, como diz a música. E o mercado Tim Maia vale para os dias de alta e baixa. O mercado queria um motivo e o encontrou.

Paga a conta de uma vez

A declaração de apoio da bancada ruralista a Bolsonaro também é citada como fator importante para o bom-humor. “Acho um apoio muito importante, dá sinal de governabilidade”, diz o gestor da SF2 Investimentos Sergio Machado.

Para Machado, o pregão desta terça-feira foi sim uma “provinha” de vitória em primeiro turno. Para o gestor, se essa tese se confirmar, o Ibovespa buscaria rapidamente os 100 mil pontos e o dólar ia testar a zona baixa dos R$ 3,0. “Depois tem que ver como os caras dançam.”

Segundo Machado, parece haver um “efeito onda” na candidatura de Bolsonaro, com mais gente buscando “liquidar a fatura” no primeiro turno. “Liquida essa fatura e vamos trabalhar. Não se aguenta mais política.”

Revanche e ódio

Alimentando essa percepção está a avaliação dos eventos do fim de semana. Sábado foi o dia do #Elenão, marcado por manifestações contrárias a Bolsonaro. A resposta veio no domingo, com diversas demonstrações de apoio ao candidato em todo país.

“Sem o poder de mobilização que o PT historicamente tem, Bolsonaro conseguiu juntar milhões de pessoas a favor dele. Isso mostra que o eleitor dele é convicto”, diz o ex-tesoureiro.

Para ele, essa é a eleição do “ódio” contra a “revanche”. A manifestação do lado da “revanche petista”, no sábado, despertou ainda mais o “ódio ao PT”.

Outro vetor foi o apoio formal do bispo Edir Macedo à candidatura de Bolsonaro. Boa parte do chamado “voto evangélico” – geralmente disperso – já estava com Bolsonaro e ganhou reforço.

No meio do oba-oba do dia, meu amigo estrangeiro pergunta: “Não entendo esse rali. O Haddad foi preso ou algo parecido?”

Possível, mas muito difícil

O economista e sócio da GO Associados, Eduardo Velho, avalia que a chance de vitória de Bolsonaro de fato aumentou.

Sua avaliação tem com base um modelo matemático feito por especialistas da GO que busca estimar as probabilidades de vitória levando em consideração outros fatores além da intenção de voto.

Por esse modelo, alimentado com os últimos dados da pesquisa Ibope, a probabilidade de vitória de Bolsonaro saiu de perto de zero para 49%. Enquanto que a chance de vitória de Haddad que beirava os 100% após a pesquisa Datafolha do dia 28 de setembro, caiu para 51%. A variável que mais pesou na modelagem estatística foi o salto na rejeição de Haddad.

Como a avaliação é de que a rejeição a Haddad tem espaço para aumentar mais, a chance de vitória de Bolsonaro seria maior, mas após os dois turnos.

Para Velho, uma definição em primeiro turno seria muito difícil. Bolsonaro tem cerca de 37% dos votos válidos no quadro atual, considerando a pesquisa Ibope. Ele teria que conseguir outros 13 pontos até domingo. “Acho pouco provável”, diz.

Para o economista, com a chance de uma agenda mais liberal o mercado deve reagir de forma positiva à vitória de Bolsonaro. Depois os investidores tentariam verificar qual seria o grau de autonomia de Paulo Guedes para levar essa agenda adiante.

Com o mercado fechado, saiu nova sondagem Datafolha, que renovou o bom humor. Índices de ações brasileiras negociadas no exterior acentuaram alta. Os números mostraram crescimento de 28% para 32% da intenção de voto em Bolsonaro. Haddad caiu na margem, de 22% para 21%. Entre as mulheres, o capitão passou de 21% para 27%, acima de Haddad, que tem 20%.

A taxa de rejeição de Bolsonaro cedeu, marginalmente, de 46% para 45%, já para a Haddad, a taxa subiu de 32% para 41%. Em eventual segundo turno o candidato do PSL aparece com 44%, ante 39% da sondagem anterior, enquanto o petista caiu de 45% para 42%. Empate técnico.

Toda essa movimentação sempre me faz lembrar que algo que aprendi com um amigo operador: “O mercado financeiro não elege ninguém. Só ajuda a derrubar.”

E você, concorda com o mercado e acha que o Bolsonaro vai ganhar no primeiro turno? Diga abaixo nos comentários!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

Chegou a segunda-feira e o Victor Aguiar traz um panorama das ações para você ficar de olho nesta semana. Eu também tenho um recado importante: abra seu e-mail às 11h. Vou trazer uma novidade que pode adiantar seus planos de aposentadoria. O que você precisa saber hoje: Mercados • Mesmo sem empolgar com os mais recentes dados da […]

bem na praça

Fintechs e corretoras lideram avaliações positivas de clientes

Nota geral mais alta foi da corretora Órama, com 4,64, em uma escala de 0 a 5. Ela foi seguida pelo Nubank (4,37), Banco Inter (4,31), a corretora Mirae (4,22) e o BTG Pactual Digital (4,20)

olho na composição

Ações de companhias elétricas podem equilibrar a carteira de investimentos

Empresas são consideradas mais resistentes a ciclos de baixo crescimento da economia e sentem menos os altos e baixos da Bolsa

sem privilégios

Petrobras pode perder direito de preferência no próximo leilão do pré-sal

Segundo jornal, avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores

O que esperar dos mercados?

BCs, Davos e feriados pautam os negócios na semana

Enquanto líderes mundiais viajam para o Fórum Econômico de Davos, os investidores aguardam novidades dos BCs e da atividade doméstica. Feriados diminuem a liquidez dos negócios

dinheiro no caixa

Ânima Educação anuncia oferta de ações que pode movimentar R$ 1 bilhão

Empresa quer recursos para novas aquisições estratégicas e investimentos nas atuais linhas de negócio da companhia

na mesma

China mantém taxas de juros de referência inalteradas pelo 2º mês seguido

Taxa de empréstimos de um ano, que em agosto passou a ser uma taxa principal, permanece em 4,15%

empresário tinha 96 anos

Morre fundador do grupo Queiroz Galvão

Fundador ao lado de seus irmãos Dario, João e Mário em 1953, Antônio ajudou a transformar a pequena construtora de Pernambuco em uma das maiores empreiteiras do País

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements