Menu
2018-11-30T08:30:11-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Expectativa com G-20 domina os mercados

A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva

30 de novembro de 2018
7:28 - atualizado às 8:30
Selo esquenta mercados
Selo marca a cobertura do Seu Dinheiro antes da abertura da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor!  Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, já estão em Buenos Aires para a cúpula do G‐20, mas o encontro dos dois será no sábado à noite. É grande a expectativa por um acordo que possa reduzir as tensões comerciais entre os dois países.

A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva, inclusive aqui. O presidente americano joga duro, até o último minuto. Apostar em um resultado parece ser arriscado. Ontem, Trump voltou a ameaçar com a retórica protecionista e, já pela manhã, foi ao Twitter dizer que os EUA estão enchendo os cofres com as tarifas cobradas e que, se Pequim não quer pagar, “que fabrique aqui”. Mais tarde, antes de decolar à Argentina, disse estar “aberto” a um acordo com a China, “mas não sei se quero fazer”, porque “honestamente gosto do que temos agora (...) bilhões e bilhões de dólares com tarifas”.

Pode ser teatro, porque fontes da Dow Jones garantem que EUA e China estão buscando um entendimento. Os dois países estariam explorando a chance de Washington suspender novas tarifas até o final da primavera (no Hemisfério Norte), em troca de diálogos em torno de grandes mudanças na política econômica de Pequim.

A reunião de dois dias do G‐20 começa sob um forte esquema de segurança e coincide com o momento de apreensão com o ritmo de crescimento global, embora o presidente dos banco central americano (o Federal Reserve), Jerome Powell e a ata do FED aliviem a pressão. O presidente Michel Temer e o ministro da fazenda, Eduardo Guardia já estão na Argentina. O presidente dá entrevista às 18h. O novo governo não mandou ninguém.

A recessão na espreita

As turbulências com a China, combinadas ao ciclo de normalização monetária do FED, deflagram o sentimento de que os EUA estejam próximos de entrar em um período recessivo. Ontem, dados fracos endossaram a percepção de risco, com o núcleo da inflação do PCE (+1,8%) abaixo da meta do FED (2%). As vendas pendentes de imóveis caíram 2,6% em outubro. Previsão era de aumento de 0,3%.

Após os dados, o JPMorgan projetou que o risco de recessão nos EUA no intervalo de um ano subiu de 32,3% para 33,3%. De seu lado, a S&P elevou sua previsão para a faixa de 15‐20%, contra 10‐15% anteriormente.

Hoje, entre os indicadores nos EUA, o índice de atividade industrial de Chicago, elaborado pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) sai às 12h45 e deve recuar para 58 em novembro, de 58,4 em outubro. Ao meio‐dia, o FED boy John Williams participa de painel sobre a desaceleração da economia global.

Ata confirma Powell

Divulgada no final da tarde, a ata da última reunião de política monetária (FOMC) mostrou os FED boys inclinados a considerarem que o juro nos EUA já está em níveis próximos de neutro. O documento reiterou a posição suave de Powell na véspera, reforçando as novas expectativas de que o ciclo de aperto pode durar menos. O juro ainda subirá em dezembro, mas não mais três ou quatro vezes em 2019, como foi dito.

A ata melhorou o ânimo em Wall Street, embora a reação tenha sido inibida pela cautela antes do G‐20. “Powell preparou o trenó para um rali de Natal, mas continuamos céticos de que a reunião entre Trump e Xi Jinping coloque a relação dos dois países de volta aos trilhos”, disse o Nomura em relatório a clientes.

Assim, depois de ensaiarem alta, as bolsas em NY fecharam negativas, com o Dow Jones em baixa de 0,11%, o S&P 500 com queda de 0,22% e o Nasdaq, com menos 0,25%.

Na Bovespa

A torcida pelo rali de Natal levou a bolsa à máxima histórica no fechamento, a 89.709,56 pontos, embora com alta moderada de 0,51%. Mesmo sem o estrangeiro, que continua saindo, o investidor quer ver os 90 mil batendo na tela. Na máxima, quase chegou lá, aos 89.909,58 pontos, mas, sem a ajuda de Petrobras (baixa de 0,83) e de Vale (queda de 0,57), ficou difícil.

Cessão vagarosa

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), responsabilizou o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, pelo impasse em torno do projeto de revisão da cessão onerosa da Petrobras, que estava previsto para ser votada nesta semana. Eunício disse que toda a "resistência" à partilha do bônus com Estados e municípios vem de Guardia e que o ministro estaria negociando diretamente com o Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo Eunício, Guardia, “que quer guardar o dinheiro para a regra de ouro”, mas o fato é que mesmo o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes está convencido de que o repasse aos Estados compromete o teto de gastos.

Eletrobras

As ações da Eletrobras devem reagir positivamente à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, de revogar ontem à noite a liminar que impedia a realização do leilão de privatização da Companhia Energética de Alagoas (CEAL). Em nota, a estatal afirmou que não há mais óbice (empecilho) para o BNDES retomar o processo de venda da distribuidora.

Tem PIB hoje

A expansão estimada para a economia no terceiro trimestre está entre 0,40% e 1,10%, segundo pesquisa do Broadcast, que apurou como mediana um crescimento de 0,80%, de 0,20% no 2TRI. O dado sairá às 9h. Às 10h30, as contas do setor público em outubro podem mostrar um superávit de R$ 2,3 bilhões.
A expectativa de manutenção da Selic em 6,50% é ancorada pela inflação baixa. Na reunião com diretores do BC, ontem, alguns profissionais saíram com a impressão de que o Copom pode até mesmo retomar os cortes do juro. Hoje, o encontro é com economistas do Rio de Janeiro
Ontem, o mercado recebeu com surpresa o superávit do Governo Central, de R$ 9,4 bilhões, o melhor para meses de outubro em dois anos, superando a mediana das estimativas entre os analistas (R$ 2,5 bilhões). A melhora foi atribuída à arrecadação de royalties de petróleo, e segundo o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, não se repetirá em novembro e dezembro. Mas o déficit do ano pode ficar abaixo da meta. “Esperamos R$ 139 bilhões”. Apesar do bom resultado fiscal e da deflação do IGP‐M de novembro, os juros futuros operavam com viés de alta durante boa parte do dia, refletindo as preocupações com o encaminhamento das reformas.

Novo governo

Mais uma vez, o presidente eleito Jair Bolsonaro sinalizou que pretende fazer uma proposta mais branda para a Previdência, “porque essa (do Temer) é um pouco agressiva para o trabalhador”. O mercado teme pelo que vem por aí. Também pesa a indefinição da cessão onerosa e o risco de que a União não possa contar com os recursos do leilão do pré‐sal em 2019, se tudo acabar dando errado. São R$ 100 bilhões que devem entrar no caixa. E, finalmente, o investidor não sabe o que esperar do programa de privatização. Enquanto Paulo Guedes monta um “banker” de Chicago Boys, Bolsonaro descarta a venda das estratégicas: Petrobras, Eletrobras, BB e Caixa.

Preocupam também as condições de governabilidade. Enquanto o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni diz que a base de Bolsonaro terá “pelo menos 350 deputados” (em entrevista a Roberto D’Ávila), Paulo Guedes não conseguiu aprovar nem a autonomia do BC.

Câmbio

Traders de câmbio estão intrigados com a pressão persistente do dólar, que voltou a subir ontem (+0,40%), apesar dos três dias de leilões sucessivos de linha, no total de R$ 4,25 bilhões, e da queda lá fora. Entre os motivos cogitados está a Ptax de hoje, para a liquidação dos futuros de dezembro, e a antecipação de remessas de fim de ano, além de saídas dos investidores estrangeiros da bolsa, que continuou este mês.

 

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br  
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

projeto em brasília

Ensino privado quer socorro do governo

Senadores apresentaram um pacote de medidas de socorro ao setor, que prevê linha de crédito de R$ 40 bilhões, além de benefícios diretos que representariam gastos de R$ 13 bilhões aos cofres públicos

Excelência Premium

Onda de lucros: veja 4 motivos pelos quais o ouro pode continuar subindo

Após semana de queda interrompendo o ciclo de alta histórica, colunista do Seu Dinheiro acredita que a ‘nova corrida do ouro’ está longe de acabar

sinais ambíguos

Bolsonaro cita respeito a teto de gastos, mas acerta R$ 5 bi extras para obras

Uso de créditos extraordinários, sob o argumento de estimular a economia no pós-covid-19, é defendido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

gritty investidor

Quatro passos importantes para avaliar se uma empresa é bom negócio

Vou compartilhar com você quatro pontos importantes para ver uma empresa na bolsa

Disputa corporativa

Totvs entra na disputa pela Linx contra a Stone com oferta igual para todos os acionistas

A proposta formalizada hoje pela Totvs avalia a Linx em R$ 6,1 bilhões e não prevê pagamento adicional a conselheiros da empresa como a oferta da Stone

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements