Menu
2018-11-30T08:30:11-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Expectativa com G-20 domina os mercados

A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva

30 de novembro de 2018
7:28 - atualizado às 8:30
Selo esquenta mercados
Selo marca a cobertura do Seu Dinheiro antes da abertura da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor!  Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, já estão em Buenos Aires para a cúpula do G‐20, mas o encontro dos dois será no sábado à noite. É grande a expectativa por um acordo que possa reduzir as tensões comerciais entre os dois países.

A guerra das tarifas aumenta os receios com a desaceleração global e mantém os mercados na defensiva, inclusive aqui. O presidente americano joga duro, até o último minuto. Apostar em um resultado parece ser arriscado. Ontem, Trump voltou a ameaçar com a retórica protecionista e, já pela manhã, foi ao Twitter dizer que os EUA estão enchendo os cofres com as tarifas cobradas e que, se Pequim não quer pagar, “que fabrique aqui”. Mais tarde, antes de decolar à Argentina, disse estar “aberto” a um acordo com a China, “mas não sei se quero fazer”, porque “honestamente gosto do que temos agora (...) bilhões e bilhões de dólares com tarifas”.

Pode ser teatro, porque fontes da Dow Jones garantem que EUA e China estão buscando um entendimento. Os dois países estariam explorando a chance de Washington suspender novas tarifas até o final da primavera (no Hemisfério Norte), em troca de diálogos em torno de grandes mudanças na política econômica de Pequim.

A reunião de dois dias do G‐20 começa sob um forte esquema de segurança e coincide com o momento de apreensão com o ritmo de crescimento global, embora o presidente dos banco central americano (o Federal Reserve), Jerome Powell e a ata do FED aliviem a pressão. O presidente Michel Temer e o ministro da fazenda, Eduardo Guardia já estão na Argentina. O presidente dá entrevista às 18h. O novo governo não mandou ninguém.

A recessão na espreita

As turbulências com a China, combinadas ao ciclo de normalização monetária do FED, deflagram o sentimento de que os EUA estejam próximos de entrar em um período recessivo. Ontem, dados fracos endossaram a percepção de risco, com o núcleo da inflação do PCE (+1,8%) abaixo da meta do FED (2%). As vendas pendentes de imóveis caíram 2,6% em outubro. Previsão era de aumento de 0,3%.

Após os dados, o JPMorgan projetou que o risco de recessão nos EUA no intervalo de um ano subiu de 32,3% para 33,3%. De seu lado, a S&P elevou sua previsão para a faixa de 15‐20%, contra 10‐15% anteriormente.

Hoje, entre os indicadores nos EUA, o índice de atividade industrial de Chicago, elaborado pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) sai às 12h45 e deve recuar para 58 em novembro, de 58,4 em outubro. Ao meio‐dia, o FED boy John Williams participa de painel sobre a desaceleração da economia global.

Ata confirma Powell

Divulgada no final da tarde, a ata da última reunião de política monetária (FOMC) mostrou os FED boys inclinados a considerarem que o juro nos EUA já está em níveis próximos de neutro. O documento reiterou a posição suave de Powell na véspera, reforçando as novas expectativas de que o ciclo de aperto pode durar menos. O juro ainda subirá em dezembro, mas não mais três ou quatro vezes em 2019, como foi dito.

A ata melhorou o ânimo em Wall Street, embora a reação tenha sido inibida pela cautela antes do G‐20. “Powell preparou o trenó para um rali de Natal, mas continuamos céticos de que a reunião entre Trump e Xi Jinping coloque a relação dos dois países de volta aos trilhos”, disse o Nomura em relatório a clientes.

Assim, depois de ensaiarem alta, as bolsas em NY fecharam negativas, com o Dow Jones em baixa de 0,11%, o S&P 500 com queda de 0,22% e o Nasdaq, com menos 0,25%.

Na Bovespa

A torcida pelo rali de Natal levou a bolsa à máxima histórica no fechamento, a 89.709,56 pontos, embora com alta moderada de 0,51%. Mesmo sem o estrangeiro, que continua saindo, o investidor quer ver os 90 mil batendo na tela. Na máxima, quase chegou lá, aos 89.909,58 pontos, mas, sem a ajuda de Petrobras (baixa de 0,83) e de Vale (queda de 0,57), ficou difícil.

Cessão vagarosa

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), responsabilizou o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, pelo impasse em torno do projeto de revisão da cessão onerosa da Petrobras, que estava previsto para ser votada nesta semana. Eunício disse que toda a "resistência" à partilha do bônus com Estados e municípios vem de Guardia e que o ministro estaria negociando diretamente com o Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo Eunício, Guardia, “que quer guardar o dinheiro para a regra de ouro”, mas o fato é que mesmo o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes está convencido de que o repasse aos Estados compromete o teto de gastos.

Eletrobras

As ações da Eletrobras devem reagir positivamente à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, de revogar ontem à noite a liminar que impedia a realização do leilão de privatização da Companhia Energética de Alagoas (CEAL). Em nota, a estatal afirmou que não há mais óbice (empecilho) para o BNDES retomar o processo de venda da distribuidora.

Tem PIB hoje

A expansão estimada para a economia no terceiro trimestre está entre 0,40% e 1,10%, segundo pesquisa do Broadcast, que apurou como mediana um crescimento de 0,80%, de 0,20% no 2TRI. O dado sairá às 9h. Às 10h30, as contas do setor público em outubro podem mostrar um superávit de R$ 2,3 bilhões.
A expectativa de manutenção da Selic em 6,50% é ancorada pela inflação baixa. Na reunião com diretores do BC, ontem, alguns profissionais saíram com a impressão de que o Copom pode até mesmo retomar os cortes do juro. Hoje, o encontro é com economistas do Rio de Janeiro
Ontem, o mercado recebeu com surpresa o superávit do Governo Central, de R$ 9,4 bilhões, o melhor para meses de outubro em dois anos, superando a mediana das estimativas entre os analistas (R$ 2,5 bilhões). A melhora foi atribuída à arrecadação de royalties de petróleo, e segundo o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, não se repetirá em novembro e dezembro. Mas o déficit do ano pode ficar abaixo da meta. “Esperamos R$ 139 bilhões”. Apesar do bom resultado fiscal e da deflação do IGP‐M de novembro, os juros futuros operavam com viés de alta durante boa parte do dia, refletindo as preocupações com o encaminhamento das reformas.

Novo governo

Mais uma vez, o presidente eleito Jair Bolsonaro sinalizou que pretende fazer uma proposta mais branda para a Previdência, “porque essa (do Temer) é um pouco agressiva para o trabalhador”. O mercado teme pelo que vem por aí. Também pesa a indefinição da cessão onerosa e o risco de que a União não possa contar com os recursos do leilão do pré‐sal em 2019, se tudo acabar dando errado. São R$ 100 bilhões que devem entrar no caixa. E, finalmente, o investidor não sabe o que esperar do programa de privatização. Enquanto Paulo Guedes monta um “banker” de Chicago Boys, Bolsonaro descarta a venda das estratégicas: Petrobras, Eletrobras, BB e Caixa.

Preocupam também as condições de governabilidade. Enquanto o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni diz que a base de Bolsonaro terá “pelo menos 350 deputados” (em entrevista a Roberto D’Ávila), Paulo Guedes não conseguiu aprovar nem a autonomia do BC.

Câmbio

Traders de câmbio estão intrigados com a pressão persistente do dólar, que voltou a subir ontem (+0,40%), apesar dos três dias de leilões sucessivos de linha, no total de R$ 4,25 bilhões, e da queda lá fora. Entre os motivos cogitados está a Ptax de hoje, para a liquidação dos futuros de dezembro, e a antecipação de remessas de fim de ano, além de saídas dos investidores estrangeiros da bolsa, que continuou este mês.

 

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br  
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

faturamento alto

Petz fecha quarto trimestre e 2020 com resultados “bons para cachorro”

Rede de lojas de produtos para animais ganha impulso com vendas pela internet e fecha ano com recorde trimestral de aberturas de lojas

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 11 milhões de casos e 266,3 mil mortes

Em 24 horas, país registra 987 óbitos e 32.321 novos diagnósticos positivos de covid-19, segundo Ministério da Saúde

Reviravolta política

Vem aí o Lula 3? Como a volta do ex-presidente ao xadrez político pesa nos seus investimentos

Ainda sob o impacto da notícia, eu conversei com gestores de fundos e analistas ao longo da tarde e da noite de ontem e trago cinco razões para o alvoroço dos investidores com a volta de Lula

Insights Assimétricos

O ruído de inflação nos EUA e o ciclo de commodities. O Brasil vai perder o bonde novamente?

O país está perdendo o ponto de entrada, mas existe uma tendência macro global que pode beneficiar nosso país, como foi no início do século 21

IR 2021

Quem pode ser declarado como seu dependente no imposto de renda

Cada dependente gera uma dedução de R$ 2.275,08 na base de cálculo do IR, além de abatimentos adicionais de despesas com saúde e educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies