Menu
2019-04-20T16:00:14-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Mercados

Ibovespa sobe quase 2% à espera de Ibope e de olho em China e EUA

Mercado aguarda novas informações com pesquisa eleitoral e digeriu durante o dia a guerra de tarifas entre EUA e China

18 de setembro de 2018
10:26 - atualizado às 16:00
cotações tela mercado financeiro
Imagem: Creative Commons/Pixabay

O Ibovespa, principal índice de ações da B3, fechou em alta pelo terceiro pregão consecutivo nesta terça-feira (18). Durante todo o dia o mercado se manteve atento aos próximos passos da corrida presidencial e aos efeitos (atenuados, por ora) da guerra comercial entre EUA e China.

O índice encerrou os negócios em alta de 1,99%, a 78.313 pontos, com volume financeiro total de R$ 11,18 bilhões. Ontem, a bolsa fechou em alta de 1,80%, a 76.676 pontos.

Tchau, Alckmin

O mercado resolveu abandonar de vez a aposta de uma vitória do candidato do PSDB Geraldo Alckmin nas eleições de outubro. O foco agora começa a ser Jair Bolsonaro (PSL) que, apesar de não ter uma agenda econômica clara, é visto como uma alternativa melhor para se contrapor a um candidato de esquerda. Os investidores dão a ele o famoso benefício da dúvida.

Com esse desapego ao tucanato, o humor dos analistas melhorou e puxa o Ibovespa para cima. Na agenda de hoje, o principal evento é a divulgação de mais uma pesquisa Ibope no fim do dia. As atenções estão voltadas ao desempenho de Bolsonaro e Fernando Haddad (PT).

Toma lá, dá cá

Também esteve no radar dos negócios o anúncio de que o governo da chinês adotará retaliação contra os Estados Unidos após o presidente Donald Trump anunciar nova tarifa, de 10%, sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.

O americano ainda disse que planeja subir as tarifas a 25% em 1º de janeiro de 2019. Em comunicado, o Ministério do Comércio de Pequim afirmou que a China irá retaliar, sem dar detalhes de como o fará.

Apesar da tensão comercial, os analistas sinalizam que já haviam precificado esses novos embates entre as duas maiores economias do mundo. Com isso, o impacto nas ações acabou atenuado.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies