Menu
2019-04-20T15:57:52-03:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
Investimento com garantia

FGC – a sigla que as corretoras usam para vender. Dá para confiar?

O Fundo Garantidor de Crédito virou um trunfo para a equipe de marketing das corretoras vender CDBs, LCIs e LCAs de bancos pequenos e médios

27 de setembro de 2018
6:05 - atualizado às 15:57
André Loes, diretor-executivo do FGC
André Loes, diretor-executivo do FGC, explica como funciona sistema de garantias dos bancos. - Imagem: Fabio Macedo/Seu Dinheiro

George Bailey estava a caminho do aeroporto para sua viagem de lua de mel quando viu uma multidão em frente à financeira da família, a Building & Loan. Uma dívida foi executada e esvaziou o caixa do banco. A população de Bedford Falls entrou em pânico e correu para sacar o dinheiro.

O caixa não era suficiente para pagar a todos. Bailey convenceu os clientes a só retirarem o dinheiro que precisavam em vez de limpar suas poupanças. Usou as economias da lua de mel e conseguiu fechar o dia com US$ 2 no cofre. A cena do filme “A felicidade não se compra”, um clássico de Frank Capra, retrata uma corrida bancária nos anos 1930.

É uma obra de ficção, mas o movimento de “salve-se quem puder” diante de uma bancarrota de um banco é bem próximo dos relatos históricos. Como a maioria dos bancos não tem um Bailey capaz de acalmar clientes apavorados, o sistema bancário criou formas de se proteger.

Em 1933, ano em que 4 mil bancos quebraram em meio à Grande Depressão, os EUA criaram o seu fundo garantidor de crédito, o Fdic. No Brasil, a novidade chegou apenas em 1995, depois que grandes bancos brasileiros quase quebraram com a estabilização da moeda pelo Plano Real – e o fim dos ganhos exorbitantes que tinham com a hiperinflação.

Foi nesse contexto que nasceu o fundo garantidor de crédito brasileiro, o FGC, instituição mantida pelos bancos para proteger os recursos do investidor depositado nos próprios bancos.

O FGC nunca foi sexy. Ele só aparecia no noticiário quando algum banco se metia em uma enrascada. Mas a instituição ganhou novo status com a popularização das plataformas abertas de investimentos. O FGC virou um trunfo para a equipe de marketing das corretoras vender CDBs, LCIs e LCAs de bancos pequenos e médios.

É uma oferta tentadora: você empresta dinheiro para bancos pequenos – alguns com solidez duvidosa - e se ele quebrar um fundo dos próprios bancos vai assumir o prejuízo por você. Dá para confiar ou é bom demais para ser verdade?

Fui até a sede do FGC para fazer essa pergunta ao André Loes, diretor-executivo do fundo. Ele garante que o FGC é seguro.

“O FGC sempre pagou e tenho plena tranquilidade que sempre vai pagar”.

Regras de cobertura

A dica dele é ficar atento às regras de cobertura na hora de investir (veja abaixo).

  • Limite de R$ 250 mil por pessoa em cada instituição financeira.
  • Limite adicional de pagamento de R$ 1 milhão por CPF a cada 4 anos

São garantidos pelo FGC: depósitos em conta corrente, poupança, CDB, LCI, LCA, letra de câmbio, letra hipotecária, letras imobiliárias, depósitos a prazo e operações compromissadas.

Não tem garantia do FGC: títulos públicos, fundos de investimento, fundo imobiliário, depósitos no exterior, COE e LIG, entre outros.

FGC tem dinheiro suficiente?

O FGC tem um patrimônio líquido de R$ 66,4 bilhões e R$ 45,9 bilhões deles são transformáveis em caixa (dados de dezembro de 2017). A diferença de R$ 20,5 bilhões está nos empréstimos feitos pelo FGC em operações de assistência – uma espécie de crédito emergencial para evitar a quebra de um banco com problemas pontuais.

Não precisa ser um gênio da economia para concluir que se todo mundo quebrar o FGC não tem saldo para honrar seus compromissos. Loes explica que a instituição definiu a liquidez necessária é entre 2,3% a 2,7% dos depósitos elegíveis: “Usamos um modelo científico para chegar no nível que é suficiente para superar uma crise de alta severidade.

E o que seria uma crise de alta severidade?, perguntei. Loes não deu muitos detalhes, mas disse que é bem maior do que a crise do subprime nos EUA, com elevado grau de contágio entre as instituições. Ele ressaltou que o modelo usado pelo FGC tem um grau de certeza de 99,8%. Há uma chance, ainda que mínima, de tudo dar errado. Mas também há uma chance de um meteoro cair na Terra, provocou Loes.

Quem deve para o FGC?

O número que ficou na minha cabeça não foi o modelo matemático do fundo. Foram os R$ 20 bilhões que o FGC emprestou para os bancos. Se o banco precisou de uma linha de crédito emergencial é um sinal de que não vai muito bem – e pode ser um candidato a entrar na lista de bancos quebrados no futuro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Reflexos da pandemia

Com coronavírus, lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º tri, para R$ 12,5 milhões

Operadora de shopping centers viu queda nas vendas, na receita líquida e no Ebitda com fechamento da maioria das lojas no fim de março por conta da pandemia

Atualização do Ministério da Saúde

Brasil tem 391.222 casos confirmados e 24.512 mortes pelo coronavírus

Segundo Ministério da Saúde, 158.593 pacientes foram recuperados

Projeto de ajuda a Estados

Bolsonaro diz não poder mais socorrer Estados e insiste na reabertura da economia

“Nós não podemos continuar socorrendo Estados e municípios que devem no meu entender de forma racional começar a abrir o mercado”, afirmou

seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão. Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma […]

Condição para socorro financeiro

MP que concede reajuste salarial a policiais e bombeiros no DF é publicada

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve sancionar o projeto de socorro a Estados e municípios até amanhã; edição de medida provisória era uma das condições para a sanção

Energia elétrica

Aneel retira de pauta reajuste da Cemig e prorroga vigência de tarifas atuais

Com isso, as tarifas atuais serão prorrogadas até 30 de junho

Pessimismo aumenta

IIF passa a prever que PIB do Brasil terá contração de 6,9% em 2020

Em relatório divulgado nesta terça-feira, 26, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o País

Mais alívio no câmbio

R$ 5,35: com uma ajuda do exterior, o dólar zerou os ganhos no mês e virou para queda

O clima tranquilo visto nos mercados globais abriu espaço para mais uma queda no dólar à vista — a sexta nas últimas sete sessões. Com isso, a moeda americana voltou aos níveis do fim de abril, afastando-se cada vez mais do patamar dos R$ 6,00

Títulos públicos

Tesouro Direto tem emissão líquida recorde de R$ 1,57 bilhão em abril

Com a emissão recorde, o estoque do programa fechou abril em R$ 60,24 bilhões, um aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões)

Em meio à pandemia

56,6 milhões de brasileiros já receberam auxílio emergencial, diz Caixa

Todos receberam o pagamento da primeira parcela do benefício, no valor total de R$ 39,9 bilhões, enquanto 44,2 milhões de brasileiros também já receberam a segunda parcela, em um total de R$ 30,9 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements