Menu
2018-11-26T07:56:53-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esquenta dos mercados

Mercados: semana começa de olho no G‐20, Fed e cessão onerosa

Internacionalizante, hoje, em menos de uma hora de pregão, o minério de ferro caía 6%, mas o petróleo recuperava os US$ 50, depois do tombo de sexta-feira

26 de novembro de 2018
7:21 - atualizado às 7:56
Selo esquenta mercados
Petrobras perdeu quase US$ 50 bilhões em valor de mercado este mês - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! Hoje, nos mercados internacionais, em menos de uma hora de pregão, o futuro do minério caía 6%, mas o petróleo recuperava os US$ 50, depois do tombo de sexta-feira, enquanto o euro reagia à aprovação do acordo do Brexit pela União Europeia.

Aqui, as expectativas são com uma possível decisão do presidente Michel Temer para o reajuste do Supremo Tribunal Federal, a definição do ministro das Minas e Energia e as negociações da cessão onerosa, que autoriza a Petrobras a transferir a petroleiras privadas até 70% de seus direitos de exploração de petróleo na área do pré-sal. Também se espera boas noticia de um possível acordo entre EUA e China, no G‐20, e do FED, o banco central americano.

Cenário político

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já criou a primeira confusão, que ainda pode dar muita dor de cabeça. Em entrevista na quinta-feira (23), Maia mostrou má vontade em colaborar com o acordo fechado entre o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) e os governadores para votar a cessão onerosa no Senado, nesta semana. Descontente com o apoio do futuro governo ao nome de João Campos (PRB) à presidência da Casa, Maia não está disposto a colocar em votação o PLS 209/2015, que destina recursos do pré‐sal ao Fundo Social. Essa regulamentação garantirá a partilha do dinheiro com os Estados, pelo acordo fechado por Eunício com Guedes e os governadores, abrindo espaço para a votação da cessão onerosa no Senado, sem emendas.

A falta de articulação política tem sido vista como um problema no futuro governo de Jair Bolsonaro. A nomeação de três ministros do DEM foi feita sem consulta a Rodrigo Maia e o partido resiste a apoiar o governo. Mais recentemente, a abordagem a Celso Russomanno irritou Marcos Pereira (PRB). Russomanno, que tem proximidade com o PSL, foi sondado para a pasta do Esporte, Turismo e Cultura. Analistas políticos dizem que a estratégia é arriscada porque “as bancadas temáticas não têm unidade fora de seus temas específicos” e podem não apresentar resultado homogêneo nas votações de interesse do governo.

Somados os votos do PSL (52) aos partidos que aderiram ou têm afinidade com Bolsonaro o governo pode formar uma base de 191 deputados, ainda longe dos 308 votos necessários para aprovar uma PEC (308). O governo dependerá dos partidos do Centrão e da centro‐direita, entre eles MDB (34 deputados), PP (37), PR (34) e siglas nanicas. Muitas dessas legendas estão fora do novo governo, e não estão gostando disso.

Amanhã, terça-feira, Bolsonaro volta a Brasília para reuniões com aliados e a equipe de transição, e como tem acontecido, pode bater o martelo sobre novos ministros, entre os quais, das Minas e Energia. No domingo, Bolsonaro disse que deve ter todo o ministério formado até o fim do mês, ou seja, nesta semana.

Já o reajuste dos ministros do STF, segundo publicou O Globo, deve ser sancionado (e não vetado) pelo presidente Temer até quarta-feira.

Petróleo

Na catarse de pessimismo que tem como gatilho os efeitos da guerra comercial entre Estados Unidos e China e as indicações de que o FED continuará subindo o juro, os tombos do petróleo antecipam a desaceleração global.

Os preços vêm caindo desde outubro e assustam as correções violentas como a que aconteceu sexta-feira, quando o Brent perdeu 6%, furando os US$ 60 (US$ 58,80), e o WTI ameaçou perder os US$ 50, em queda livre de 7,7% (US$ 50,42).

Só na semana passada, o petróleo ficou 11% mais barato e, no mês, já acumula desvalorização de 20%.

Nos últimos dois meses, as cotações caíram 30%, nos menores níveis em mais de um ano, elevando a pressão para a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) daqui a duas semanas, no dia 6 de dezembro. O cartel deve reduzir a oferta, mas evitar corte muito agressivo, mesmo com produção recorde este mês. Os sauditas não querem conflito com os EUA, após Donal Trump apoiar o rei Salman no caso do assassinato do jornalista, Jamal Khashoggi.

Petrobras

Isso tudo cobra seu preço da Petrobras, que perdeu quase US$ 50 bilhões em valor de mercado este mês, por conta do impacto na receita. Está valendo hoje R$ 335 bilhões, contra R$ 384 bilhões em outubro. Em menos de um mês, as ações caíram 15%. No último pregão, o colapso do petróleo derrubou Petrobras PN em 3,10%. ON caiu 2,34%.

O desfecho da cessão onerosa se torna particularmente importante neste momento para recuperar os preços, mas isso também passou a ser dúvida.

O exterminador do futuro

Relatos de que Trump está pressionando aliados a não fazerem negócios com a fabricante de equipamentos de tecnologia chinesa Huawei só pioram o sentimento para a reunião do G‐20. O presidente americano se encontra com o colega chinês, Xi Jinping, na cúpula de sexta-feira, em Buenos Aires.

Neste cenário, gera grande expectativa a segunda leitura do PIB (terceito trimestre) nos EUA, na quarta-feira, com previsão de 3,5%.

O Núcleo do Índice de Preços (PCE) de outubro, referência de inflação do FED, sai quinta-feira. Horas depois, a China divulga o índice de atividade dos gerentes de compras (PMI) de novembro. Também entram no radar a ata do FED (quinta-feira), além dos discursos do presidente do Fed, Jerome Powell (quarta-feira) e de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, hoje, ao meio‐dia.

Dólar

Encostado em R$ 3,83, o dólar entra em uma zona de perigo, que precipita apostas de que não cairá mais abaixo de R$ 3,70. Na mais longa sequência de altas (quatro seguidas) desde agosto, o dólar subiu mais 0,40% na sexta-feira, cotado no fechamento a R$ 3,82. Estrategistas de câmbio do Société Générale falam em R$ 3,95 em março e R$ 4,05 em junho, fechando 2019 em R$ 4,10, por conta dos indicadores deteriorados e de eventuais dificuldades de governabilidade.

 

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Na contramão

Bolsa cai e dólar dispara depois de governo revelar como pretende financiar Renda Cidadã

Ibovespa abriu em alta, mas virou em meio à frustração dos investidores com o financiamento do programa que sucederá o Bolsa Família

em anúncio do renda cidadã

Guedes: Política dá o timing e desoneração está sendo estudada

No anúncio do novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, o Renda Cidadã, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”

oferta adiada

Cosan cancela IPO da subsidiária Compass com piores condições de mercado

Tempo fechado para IPO: Cosan cita deterioração de cenário para suspender oferta, que havia entrado em análise pela CVM em julho

novo programa

Governo anuncia proposta para Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família

Proposta é usar os recursos de pagamento de precatórios e parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)

NOVATA NA BOLSA

Subsidiária da Even, Melnick estreia na B3 com queda de mais de 1%

IPO movimentou R$ 713,6 milhões, com as ações sendo precificadas no piso da faixa indicativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements