⚽️ Jogos das quartas-de-final começam a se desenhar; confira os dias da próxima fase

Cotações por TradingView
2018-10-18T19:08:37-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Montando o governo

“Com a mão na faixa”, Bolsonaro sonda sócio do Banco Modal para o BNDES

Candidato do PSL também embarcou na onda de aliados e procura nomes para montar sua equipe econômica

18 de outubro de 2018
15:09 - atualizado às 19:08
Jair Bolsonaro
Centola é um dos nomes cogitados por Bolsonaro para presidir o BNDES - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agencia Brasil)

Liderando com folga pesquisas de intenção de voto no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL) segue empenhado na montagem de seu eventual governo - e o movimento da vez tem a ver com o BNDES. O presidenciável sondou recentemente Eduardo Centola, que é sócio e copresidente do Banco Modal, sobre o interesse em compor sua futura equipe econômica e comandar o banco de fomento.

Segundo o jornal o Estado de S. Paulo, não houve convite formal, mas Centola segue como um nome cogitado por Bolsonaro. O executivo tem contribuído com propostas para o plano de governo, especialmente na área de infraestrutura, diante de sua experiência com investimentos da China no País. A sondagem não significa que ele será, ao fim, a indicação formal de Bolsonaro. Fontes próximas a Paulo Guedes, apontado por Bolsonaro como seu ministro da Economia, dizem que ele tem conselheiros econômicos de confiança que também seriam qualificados para o cargo.

O futuro do BNDES é uma das pautas que mais interessam o mercado. Desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o banco viveu uma profunda reestruturação, abandonando a polêmica política de incentivo às campeãs nacionais e do "bolsa empresário", que concedia empréstimos a grandes empresas com taxas subsidiadas.

Ao ventilar um nome como Eduardo Centola, a campanha de Bolsonaro deixa uma pista de que pretende manter a mesma política adotada pelo governo de Michel Temer de reduzir o tamanho do banco, focar no pequeno empresário mantendo projetos de infraestrutura. O banco agora é comandado por Dyogo Oliveira.

De onde vem

O sócio do Modal apoia a candidatura de Bolsonaro e aproximou-se da campanha por caminho diferente de outros executivos aventados para a equipe econômica de um governo PSL. Eduardo Centola estabeleceu contato direto com o candidato e os filhos políticos de Bolsonaro por ter amigos em comum. A maior parte dos nomes cogitados até o momento foi levada à campanha pelas mãos de Guedes, que tem grande entrada no mercado financeiro e protagonismo na montagem da equipe.

Guedes se reúne toda a semana com um grupo de economistas de sua confiança, entre eles estão Rubem Novaes, Marcos Cintra, Carlos da Costa e Carlos von Doellinger. Foi Guedes também quem iniciou conversas com executivos como Roberto Campos Neto, diretor do Santander, Pedro Guimarães, sócio do Brasil Plural, e Alexandre Bettamio, presidente do Bank of America Merryl Linch na América Latina, para angariar sugestões de propostas e, eventualmente, atraí-los para a equipe do novo governo.

Resistência de empresários

Centola é entusiasta da candidatura de Bolsonaro e começou a conversar com o grupo próximo ao presidenciável para colaborar com ideias, segundo fontes. Além de contato com os filhos de Bolsonaro, o executivo trabalha com Eudes de Orleans e Bragança, irmão do agora eleito deputado federal pelo PSL Luiz Philipe de Orleans de Bragança, que se tornou aliado do deputado nos últimos meses e chegou a ser cogitado como nome para vice de Bolsonaro.

O executivo, que se especializou em assessorar negócios de chineses no Brasil nos últimos anos, tem atuado para fazer pontes entre campanha e empresários asiáticos e reduzir a resistência de Bolsonaro. O candidato já expressou contrariedade com o apetite de chineses.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo o coordenador dos times que elaboram propostas de infraestrutura para um governo PSL, o economista Paulo Coutinho, pontuou que Bolsonaro só vê problema na compra de terras. "Não há resistência para que chineses construam ferrovias, rodovias, portos." Procurados, Centola e Paulo Guedes não quiseram dar entrevista.

*Com Estadão Conteúdo e jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

COSTURANDO ALIANÇAS

Colocou contra a parede? O que o enviado de Biden disse a Lula na visita ao Brasil

5 de dezembro de 2022 - 20:27

O presidente eleito foi convidado, em nome do presidente dos EUA, a visitar Washington; saiba se ele vai

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Desafio de Powell derruba o Ibovespa, bitcoin tenta se recuperar e príncipe saudita vai atrás do Credit Suisse; confira os destaques do dia

5 de dezembro de 2022 - 20:22

A goleada de 4 a 1 do Brasil sobre a Coreia do Sul, logo após a derrota na última rodada da fase de grupos, serviu para convencer a torcida e aliviar o coração daqueles que esperavam que o bordão cunhado por Galvão Bueno durante a clássica derrota da amarelinha para a seleção alemã, em 2014, […]

FECHAMENTO DO DIA

‘Vai se criando um clima terrível’ para o Fed — e as bolsas globais desabam com a cautela; Ibovespa recua mais de 2% antes de votação da PEC da Transição

5 de dezembro de 2022 - 19:56

O Ibovespa encerrou em queda de 2,25%, aos 109.401 pontos. A força exibida pela economia dos Estados Unidos pressionou o dólar à vista, que subiu 1,30%, a R$ 52829.

SEU DINHEIRO NA COPA

Deu samba: Brasil atropela a Coreia do Sul e garante vaga nas quartas da Copa; veja quanto a seleção paga aos apostadores

5 de dezembro de 2022 - 17:59

O time de Tite segue líder absoluto nos sites de apostas, enquanto Argentina perdeu uma posição para a França e a Inglaterra tomou o lugar da Espanha

ANTES DA POSSE

A diplomação vem aí! Confira o que falta para Lula assumir a presidência pela terceira vez

5 de dezembro de 2022 - 16:50

A diplomação é o momento em que o TSE formaliza os candidatos eleitos por voto popular da maioria dos brasileiros. Neste ano, a cerimônia acontece sob a preocupação de tumulto diante do cenário político extremamente polarizado.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies