Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-28T17:22:20-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Serviços financeiros

Clientes das fintechs estão (bem) mais satisfeitos que os dos bancos

Uma pesquisa do Google mostra que 71% dos usuários das novas empresas financeiras com foco em tecnologia estão felizes com serviços. Já nos bancos, esse percentual é de apenas 42%

28 de novembro de 2018
16:14 - atualizado às 17:22
Cartão nubank
Cartão de crédito, como o do Nubank, é o produto mais usado pelos clientes das fintechsImagem: shutterstock

Você está satisfeito com o seu banco? Já pensou em testar os serviços de uma fintech? Pois uma pesquisa do Google mostra que os clientes das novas empresas financeiras com foco em tecnologia estão mais felizes.

O índice de satisfação com as fintechs é de 71%, bem acima dos consumidores dos bancos tradicionais, que está em apenas 42%, de acordo com o levantamento.

As novas empresas que passaram a concorrer com os bancos têm atraído uma quantidade cada vez maior de usuários. Entre os atrativos estão as tarifas mais baixas ou mesmo inexistentes.

O produto mais usado pelas pessoas que se tornaram clientes das fintechs é o cartão de crédito, de acordo com a pesquisa. Uma das empresas mais bem sucedidas entre as fintechs brasileiras é justamente a emissora de cartões Nubank.

As buscas no Google também sinalizam o maior interesse dos clientes de serviços financeiros. A procura por "melhor banco digital", por exemplo, cresceu quatro vezes no último ano.

Os resultados da pesquisa, feita com 800 pessoas entre os dias 16 e 20 de novembro, foram apresentados durante um evento sobre fintechs que acontece nesta quarta-feira, na sede do Google em São Paulo.

Marcas pouco amadas

Os bancos têm motivos para se preocupar com o avanço da concorrência. Indústrias com margens altas, marcas pouco amadas e barreiras de entrada supostamente altas são as mais propensas a sofrer a chamada disrupção.

"Esse é exatamente o caso do setor financeiro no Brasil", diz Guilherme Horn, diretor da consultoria Accenture, que participou do evento.

A pesquisa do Google sugere que há um espaço grande para novas empresas como as fintechs ganharem a preferência do consumidor. Dos clientes que se declararam muito insatisfeitos com os serviços financeiros, 52% não sabem para qual empresa mudariam.

E você, já mudou ou está disposto a experimentar algum serviço financeiro fora dos bancões? Deixe seu comentário logo abaixo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies