Menu
2018-11-22T10:33:35-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

BC simplifica compulsórios e libera mais R$ 2,7 bilhões no sistema financeiro

Alíquota sobre os recursos que nós depositamos nos bancos e que precisam ficar recolhidos no BC foi reduzida para compensar o fim das deduções que os bancos podiam fazer sobre esse valor

22 de novembro de 2018
10:33
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

O Banco Central deu mais um passo para simplificar as regras dos compulsórios, aquela parcela do dinheiro que nós depositamos nos bancos que precisam ficar recolhidos no BC.

A simplificação envolveu o fim das deduções que os bancos podiam usar no cálculo do compulsório. Originalmente, as deduções acabariam no ano que vem, mas o BC decidiu antecipar o cronograma para dezembro deste ano.

Para compensar esse efeito, a alíquota do compulsório sobre os depósitos a prazo - por exemplo os CDBs - foi reduzida de 34% para 33%. O percentual recolhido sobre os depósitos à vista caiu de 25% para 21%.

Pelos cálculos do BC, as duas mudanças vão levar a uma liberação de 0,6% dos recursos retidos pelos compulsórios. O valor representa uma injeção de R$ 2,7 bilhões no sistema financeiro. Esses recursos, que hoje ficam retidos no BC, poderão ser destinados ao crédito, por exemplo.

As novas regras do compulsório também vão ajudar os bancos de menor porte. Os valores das deduções baseadas no nível 1 do patrimônio de referência das instituições aumentou de R$ 200 milhões para R$ 500 milhões. Com isso, oito instituições deixarão de recolher compulsórios, segundo o BC.

O regulador também flexibilizou a exigência mínima diária que os bancos precisam cumprir sobre os recursos à vista, de 80% para 65%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies