Menu
2019-08-23T19:14:16+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Nova cartada

Trump contra-ataca e anuncia um aumento nas tarifas sobre importações chineses

O presidente dos Estados Unidos anunciou a elevação das tarifas de importação sobre produtos da China, elevando a tensão no front da guerra comercial

23 de agosto de 2019
19:14
Donald Trump
Imagem: Shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China ganhou mais um desdobramento no início da noite desta sexta-feira (23): conforme prometido, o presidente americano, Donald Trump, anunciou medidas para revidar a ofensiva feita por Pequim nesta manhã.

Como de costume, Trump usou o Twitter para contar as novidades — e, também como de costume, não poupou palavras para se referir ao governo de Pequim. Após tecer uma série de críticas ao gigante asiático, o republicano anunciou uma elevação nas tarifas incidentes sobre US$ 250 bilhões em importações chinesas, de 25% para 30%, com início em 1º de outubro.

Além disso, o presidente americano afirmou que um segundo grupo de produtos importados da China, de US$ 300 bilhões, que começaria a sofrer com taxas de 10% a partir de 1º de setembro, agora será sobretaxado em 15%.

Guerra de tarifas

A nova cartada de Trump ocorre em resposta à adoção, pelo governo chinês, de alíquotas de 5% a 10% sobre US$ 75 bilhões em importações americanas — a medida, anunciada mais cedo, será implantada em duas fases: uma em 1º de setembro e outra em 15 de dezembro.

E, vale lembrar, essa ofensiva de Pequim ocorreu como forma de revidar a imposição de novas sobretaxas às importações chinesas por parte do governo americano, anunciadas no início de agosto.

Além de anunciar as novas medidas, o presidente americano aproveitou para criticar o governo chinês e as administrações passadas dos Estados Unidos. "Durante muitos anos, a China e outros países têm se aproveitado dos EUA no comércio, roubo de propriedade intelectual e muito mais", escreveu Trump.

Segundo o republicano, os Estados Unidos tem perdido bilhões de dólares por ano para o gigante asiático. "Lamentavelmente, as administrações passadas permitiram que a China tivesse uma vantagem comercial tão grande que ela se tornou um fardo para o contribuinte americano".

Tensões elevadas

Com China e Estados Unidos atacando e contra-atacando no front da guerra comercial, os mercados financeiros tiveram uma sessão de cautela intensa nesta sexta-feira: o Ibovespa e as bolsas americanas fecharam a sessão de hoje em baixa de mais de 2%. Você pode conferir a cobertura completa dos mercados nesta matéria.

No fim desta manhã, Trump foi ao Twitter para comentar a ofensiva chinesa e assumiu um tom bastante agressivo em suas mensagens, classificando o presidente do país asiático, Xi Jinping, como inimigo e afirmando que as empresas americanas deveriam "buscar alternativas" à China.

Analistas e operadores destacam que o tom mais acirrado das disputas entre Washington e Pequim desencadearam uma onda de aversão ao risco nos mercados. A percepção é a de que, com a guerra comercial atingindo um estágio mais crítico, a economia global pode sofrer com um movimento mais intenso de desaceleração.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Após operação da PF

Governo Bolsonaro já avalia substituto para líder no Senado

Dois nomes cogitados para ocupar o cargo de Fernando Bezerra Coelho devem ser discutidos por aliados com o presidente quando ele retornar dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements