Menu
2019-03-15T15:22:57+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

Paulo Guedes sobre Previdência: Me deem R$ 1 trilhão pelo amor de Deus!

Ministro também falou que Bolsonaro queria 60 anos para mulheres, mas que bancou 62 anos pela responsabilidade do cargo e que reforma pode ser aprovada ainda no primeiro semestre

15 de março de 2019
13:57 - atualizado às 15:22
Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia de transmissão de cargo para o novo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da economia, Paulo Guedes, demostrou renovado otimismo com a aprovação da reforma da Previdência e também com o Pacto Federativo em evento na FGV. A reforma pode ser aprovada ainda no primeiro semestre e ele disse que ainda não encontrou político contrário à revisão do pacto.

Guedes falou por uma hora em evento na FGV e divertiu a plateia com piadas, ironias e algumas duras verdades sobre o processo de retomada da economia brasileira, que, segundo ele, não será rápida nem fácil, "pois foram muitos anos de mentalidade muito diferente".

Evidentemente, disse ele, a recuperação será mais rápida quanto mais efetivas forem as medidas e as aprovações no Congresso, já que o timing das mudanças será dado pela política.

Citando um painel de votação montado pelo secretário da Previdência, Rogério Marinho, que computa as declarações de políticos sobre o tema, Guedes disse que o secretário tem 160 votos declarados publicamente.

Conta que sobe a 260 votos considerando cerca de 100 votos “velados”, de parlamentares que falam que vão votar, mas não declaram, pois seus partidos têm atritos com alguns pontos da reforma, como a mudança no BPC.

Assim, disse o ministro, faltam de 48 a 50 votos que são uma questão de “opinião pública”. Ainda de acordo com os cálculos políticos da equipe, Guedes disse que a reforma “sai ainda no primeiro semestre”.

Bolsonaro queria 60 anos

Guedes também falou sobre a postura do presidente Jair Bolsonaro, dizendo que “todo mundo sabe que o Bolsonaro adoraria que as mulheres pudessem aposentar com 60, 58, 55 anos. Ele é um homem autêntico, transparente, ele fala. Todo mundo sabe que ele fala, mas a responsabilidade de ser presidente da República deu a ele o compromisso de mandar uma proposta onde as mulheres se aposentam com 62 anos”.

Ainda de acordo com Guedes, Bolsonaro não é o tipo de político que mandaria 62 anos para o Congresso empurrar para 60. “Ele acha que é 60 mesmo, mas bancou 62 anos”.

Em 28 de fevereiro, em conversa com jornalistas, Bolsonaro disse que a idade mínima das mulheres era um ponto que poderia ser mudado, além de falar de outras "gorduras" que existiam no texto. A repercussão foi negativa e, desde então, houve uma mudança na comunicação, com o presidente defendendo o texto da reforma e usando suas redes sociais para tratar do tema.

Quero meu trilhão

Guedes voltou a pedir seu R$ 1 trilhão em economia com reforma para que ele possa lançar o segundo estágio, o regime de capitalização que é um “paraíso”, com menos encargos trabalhistas.

“Pelo amor de deu me deem R$ 1 trilhão. Abaixo disso não consigo fazer a transição. Se não temos coragem ou somos ignorantes, nós vamos condenar filhos e netos a caírem na mesma armadilha de um sistema Previdenciário que vai falir”, disse.

Reforçando a argumentação, Guedes disse que nós, os contemporâneos, temos de ter a coragem de arrumar esse trilhão, se não tiraremos esse valor do futuro de nossos filhos e netos.

O ministro voltou a enfatizar que a ideia da reforma é tirar privilégios, fazer com que o político se aposente como qualquer outro cidadão.

“Estou muito esperançoso na aprovação da reforma. Quem está contra são 8,5 milhões de pessoas. Não preciso nem dizer quem é contra”, disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Pacto Federativo

Guedes disse que foi aconselhado a não falar tudo o pensa sobre a revisão do Pacto Federativo, pois os Estados podem pedir ainda mais, mas disse que iria falar, pois “sou direto, rasgado e transparente”.

A proposta dele é de divisão de receitas de 70% para Estados e municípios e 30% para o governo federal. Ele sugeriu que essa também seria a divisão para uma receita estimada de US$ 1 trilhão, em 15 anos, que viriam as operações do pré-sal.

“Qual governador que não vai apoiar isso? Qual prefeito que não vai apoiar isso? Qual o deputado que não gostaria de aprovar isso? Esse é o pacto federativo, devolve a capacidade de gestão para a classe política, você manda no seu orçamento”, disse.

Guedes disse estar tendo dificuldade de encontra quem possa ser contra esse desenho do pacto, que também prevê a total desvinculação orçamentária.

“Estou procurando no Congresso, mas não achei ainda. Não achei quem possa ser contra o Pacto Federativo. Ou eu estou bebendo muito em Brasília, que eu não bebo. E foi a brincadeira que fiz no BC, ou os caras são muito perigosos. Não acho que são não, todo mundo precisando disso aqui [gesto de dinheiro com as mãos] faz o que tem de ser feito”, finalizou.

Na terça-feira, em evento no BC, Guedes falou em tom de brincadeira que iria embora se não tivesse eu R$ 1 trilhão com reforma, pois se os políticos seriam capazes de prejudicar filhos e netos, imagina o que fariam com ele. Ainda assim, a frase repercutiu como se fosse ameaça em alguns veículos de comunicação.

Doido para privatizar

Guedes também falou de outras dimensões do plano econômico. O início pela Previdência decorre da urgência de resolver a questão fiscal, mudar a trajetória de gastos. Depois está a redução da dívida pública, resultado do descasamento entre política monetária e fiscal, via privatizações.

Segundo o ministro, o secretário de Desestatização, Salim Mattar, tem um apetite enorme, “doido para privatizar, passar a faca, privatizar tudo que passa na frente”.

Ainda de acordo com Guedes, o secretário pergunta a Bolsonaro se, no final, também serão privatizados o Banco do Brasil e a Petrobras. “No final vai tudo, ne?”, disse Guedes, relatando fala de Mattar.

Também no evento, mas antes de Guedes, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, pediu que os liberais defendam as privatizações relevantes. Entre elas, a do próprio BB, Petrobras e Caixa.

Segundo Guedes, com a valorização das bolsas de valores, as estatais listadas estão valando cerca de R$ 700 bilhões. Se considerar a Caixa e outras não listadas, o valor sobe a R$ 1,2 trilhão. Colocando todos os imóveis na contabilidade, o valor sobe em outros R$ 700 bilhões a R$ 1 trilhão.

Assim, o valor total de eventuais privatizações passaria dos R$ 2 trilhões, com os quais seria possível reduzir em cerca de 50% a dívida líquida de cerca de R$ 3,7 trilhões.

Cessão onerosa

Segundo o ministro, o pré-sal vem aí e os leilões serão um sucesso. Ele também perguntou à plateia sobre o leilão de aeroportos, que ocorria em São Paulo, e recebeu resposta de que já “tinha saído tudo”.

De acordo com Guedes, o contrato de cessão onera entre a Petrobras e União está sendo fechado. A revisão do acordo aparece com um passo necessário para o governo fazer os leilões das áreas do pré-sal.

Guedes disse que a discussão começou com o então ministério da Fazenda querendo receber R$ 30 bilhões com a revisão do contrato e a Petrobras também se achando credora de R$ 30 bilhões, resultando em uma diferença de R$ 60 bilhões.

“A última informação que tive é que o spread caiu para R$ 2 bilhões”, disse, dando como sugestão que cada um “suba um e baixe um” para que se feche o acordo.

Impostos e gestão do Estado

Segundo Guedes, a ideia é fazer um choque de digitalização na máquina do Estado, reduzindo gastos. Ele lembrou que de 40% a 50% do funcionalismo vai se aposentar nos próximos cinco anos e que a ideia é não contratar esse volume de pessoas que vai se aposentar. Ele também lembrou do corte de 21 mil cargos, formalizado nesta semana, mas disse que isso é pouco.

Sobre regime tributário, Guedes falou que se pensou, junto com o secretário da Receita, Marcos Cintra, na ideia de um imposto único não declaratório, que poderia ser sobre movimentação financeira. Algo que acabaria até com a necessidade de uma Receita Federal, que é um órgão que intimida a população.

Como isso se mostra impossível, a ideia é fazer uma “simplificação brutal” do sistema. Segundo Guedes, se o número de impostos e contribuições cair de 54 para 8 “será um grande passo”. Também tem a ideia de fazer um imposto único federal. Mas o Imposto de Renda continuaria a existir. No entanto, todas essas alterações tributárias não podem ser feitas agora.

Na sequência, o ministro voltou a reforçar que a abertura econômica será gradual, pois será preciso abaixar impostos primeiro.

Transição e bombas

O ministro é um pouco caótico nas suas apresentações, indo e voltando nos temas e trazendo fatos e comparações históricas para reforçar sua avaliação central de que foi o descontrole gastos que corrompeu a política e estagnou a economia e que estamos em uma transição incompleta, iniciada depois da saída dos militares.

Segundo Guedes, fizemos a nossa “Glasnost”, mas não fizemos a nossa “Perestroika”, em referência aos processos de “transparência” e “abertura” da ex-União Soviética.

Para defender a descentralização do Orçamento, Guedes voltou a falar que o presidente é muito poderoso no Brasil, e tirando risos da plateia disse que se o presidente é corintiano, “surge” um estádio para o time de futebol Corinthians (em referência a Lula). Se o presidente gosta de um país, “surge” um porto (em referência à Cuba) e se gosta de um empresário, dá crédito e surge a maior empresa de proteína animal do mundo (referência à JBS).

Guedes também voltou a falar que somos uma democracia vibrante, algo que o ministro tem feito em suas apresentações para rebater a imagem, principalmente existente no exterior, de que Bolsonaro seria uma ameaça à democracia.

Ainda sobre a transição incompleta, Guedes lembrou que “tanto nós quanto a Rússia fomos os dois para a hiperinflação fomos os dois para a moratória e os dois temos presidente fortes. Quando o presidente forte é de esquerda todo mundo faz assim [positivo com os dedos]. Quando é de direita todo mundo diz que a democracia vai acabar. Não vai acabar não”, disse.

Na sequência, Guedes fez referências a ex-presidente Dilma Rousseff e ao presidente Bolsonaro, arrancando aplausos da plateia.

“Se uma moça que fazia as bombas quando tinha 18 anos pode ser [presidente], um menino que batia continência na Aman pode ser também. Está todo mundo anistiado. Houve uma anistia. Acabou. Ninguém tem esse problema, é só olhar para frente.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

SUGESTÃO DE LEITURA

Eu falei para minha irmã comprar…

Essa ação é considerada uma “oportunidades de uma vida” ou mesmo “a verdadeira Magazine Luiza”. Os leitores do Seu Dinheiro podem consultar esse conteúdo de graça.

Dúvidas atrás de dúvidas

Bolsas da Europa fecham em queda, com incertezas sobre acordo entre EUA e China

Apesar de resultados econômicos positivos da Alemanha, a cautela no mercado também foi alimentada por dados fracos no Reino Unido e na China

Joia reluzente

A Vivara cresceu no trimestre e já começa a entregar uma das promessas do IPO

A Vivara mostrou crescimento da receita líquida e um aumento importante nas vendas do e-commerce — resultados que dão força às ações da empresa

Bolsa

Via Varejo tem prejuízo maior e queda nas vendas. Então por que a ação sobe?

Como ninguém esperava mesmo um balanço bonito, os investidores se debruçaram em encontrar algum sinal de avanço na ampla reestruturação implementada desde que Michael Klein reassumiu o comando da varejista

atento ao balanço

Ação da Sinqia sobe com resultado do terceiro trimestre — analistas veem espaço para valorização de mais de 20% da ação

Após quatro aquisições, provedora de tecnologia para o sistema financeiro bateu recorde de receita; para analistas, ação pode chegar a R$ 23

hora do tchau?

Presidente do BNDES vê redução de carteira de ações da instituição em até três anos

Gustavo Montezano ressaltou que as alienações podem ser pela “mesa de operações” do banco, em bloco ou em ofertas

Tem que melhorar

Fitch mantém nota de crédito do Brasil em grau especulativo

Ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento

em brasília

Presidente do STF exige do BC e obtém acesso a dados sigilosos de 600 mil pessoas

Segundo fontes, Toffoli ainda não acessou os relatórios, que lhe foram disponibilizados eletronicamente; PGR avalia recorrer da decisão

Economia

“Se o Brasil continuar com as reformas, as agências podem voltar com o grau de investimento em até um ano”, destaca Mario Mesquita

Mesquita disse que, se olhar o Credit Default Swap (CDS) brasileiro, “é possível perceber que ele já é compatível com país com grau de investimentos”

DEPOIS DE DOIS ANOS...

Pão de Açúcar planeja abrir novas unidades em 2020

A marca Pão de Açúcar sempre foi a “queridinha” do setor de supermercados e sinônimo de loja com produtos diferenciados. “Mas, nos últimos anos, a marca empalideceu”, afirma o consultor da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, Eugênio Foganholo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements