Menu
2019-04-04T14:50:05+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Objetivos traçados

Para secretário de Produtividade, chegou a hora de dar valor a quem produz no Brasil

Carlos da Costa apresentou equipe que vai trabalhar para aumentar a produtividade, gerar empregos e livrar as empresas das “bolas de ferro” que dificultam o crescimento

8 de janeiro de 2019
16:45 - atualizado às 14:50
carlos-costa
Carlos da Costa foi aplaudido enquanto falava sobre o lema “mais Brasil e menos Brasília” - Imagem: Divulgação

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos Alexandre da Costa, afirmou que os objetivos da sua pasta são aumentar a produtividade brasileira, gerar empregos e tornar as empresas brasileiras livres “de amarras e bolas de ferro” que dificultam a geração de valor no país.

Costa apresentou a nova estrutura, que faz parte do Ministério da Economia, em evento para empresários no Itamaraty. Foram redesenhadas 12 secretarias que estavam em quatro ministérios. Agora, além da secretaria especial há uma secretaria-executiva e quatro secretarias temáticas.

Costa fez um discurso liberal ao destacar que é o setor produtivo e não o governo e governantes que geram crescimento econômico. O Estado tem atuado como fator de atraso para o desenvolvimento das empresas e trabalhadores e sua meta e mudar essa relação. “Temos que destruir o que não funciona.”

O secretário fez questão de afirmar que não houve influência política na formação da equipe e ressaltou que chegou a hora de “dar o devido valor a quem produz e cria valor”, para que não seja mais necessário vir a Brasília “de pires na mão”, pedindo proteção, subsídios ou outra forma de sobreviver.

Segundo Costa, seu grupo vai trabalhar com coragem para “destruir as barreiras à competitividade” e que os sobreviventes até aqui, são heróis.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Carlos da Costa foi aplaudido enquanto falava sobre o lema “mais Brasil e menos Brasília” e dizia que “temos de lembrar que somos servidores públicos e ouvir o que vocês têm a dizer, vocês são a verdade”.

O secretário especial falou em construir uma agenda positiva com as associações e federações do setor privado, que segundo Costa, estão cansadas de andar de pires na mão “para pedir medidas compensatórias aos problemas causados pelo Estado”.

A ideia de Costa é utilizar as “mesas executivas”, que reúnem governo e setor privado com o foco de trabalhar para reduzir o que dificulta a atividade produtiva.

Costa voltou a ser aplaudido ao falar dos assuntos proibidos nessa relação governo/empresariado: subsídios, proteção e gasto público.

Em breve conversa com a imprensa após sua apresentação, Costa afirmou que não há uma meta formal para a criação de empregos, mas lembrou que ao longo da campanha do presidente Jair Bolsonaro o número falado foi de 10 milhões de postos de trabalho. Costa também afirmou que há milhões de dólares prontos para aportar no Brasil, mas que antes é preciso melhorar a segurança jurídica e facilitar o ambiente de negócios.

Secretarias

Secretário-adjunto – Igor Calvet – Especialista em políticas públicas e ex-secretário do extinto Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Secretário de Advocacia da Concorrência e Competitividade - César Mattos – Economista e ex- conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Secretário de Desenvolvimento de Infraestrutura – Diogo Mac Cord – Mestre em administração pública por Harvard com passagens pela Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib), Fiesp e KMPG.

Secretário de Políticas Públicas para o Emprego – Fernando de Holanda Babosa Filho – Pesquisador do Ibre-FGV e ex-secretário-adjunto de Política Econômica no extinto Ministério da Fazenda. Barbosa afirmou que sua secretaria vai realizar o planejamento, execução e mensuração das medidas voltadas ao treinamento da mão de obra.

Secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação – Caio Megale – Ex-secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, com passagem como economista do Lloyds Asset, Máxima Asset, Gávea Investimentos e Mauá Investimentos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

avanços no diálogo

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

No entanto, segundo Trump, tarifas de automóveis dos EUA, que as autoridades japonesas queriam ver reduzidas, permanecerão onde estão

libra

Projeto de criptomoeda do Facebook pode sofrer baixa com parceiros

Segundo o Financial Times, são dois os parceiros da empreitada de criptomoeda que disseram ao jornal estar considerando abandonar a moeda digital

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements