Menu
2019-04-22T18:36:04+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sem informação, sem acordo

Oposição quer barrar votação da reforma da Previdência na CCJ exigindo divulgação de dados

Parlamentares também avaliam pedir uma nova fase de discussões se o parecer do relator Marcelo Freitas (PSL-MG) for alterado

22 de abril de 2019
16:23 - atualizado às 18:36
Deputados membros da CCJ da Câmara
Oposição pedirá abertura de dados relativos à reforma - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Enquanto o governo negocia alterações no parecer da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, a oposição vai tentar impedir a votação prevista para esta terça-feira, 23, exigindo do governo a divulgação dos dados detalhados que embasam a proposta.

Além disso, parlamentares contrários às mudanças apresentadas pelo governo avaliam pedir uma nova fase de discussões se o parecer do relator Marcelo Freitas (PSL-MG) for alterado, o que demandaria mais tempo de análise.

"Nós podemos exigir que não se vote nada. Ou o governo recua ou não deixaremos essa sessão prosseguir amanhã (terça)", disse ao Broadcast/Estadão o deputado José Guimarães (PT-CE).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"O princípio da transparência pública não pode permitir isso (a votação)", declarou, ao cobrar uma divulgação dos dados desagregados que embasam a proposta. O governo promete a divulgação das informações detalhadas na comissão especial da Câmara, a ser instalada após a votação na CCJ.

Antes da sessão da comissão, agendada para as 14 horas desta terça, a oposição discutirá a possibilidade de pedir uma nova rodada de discussão se um novo parecer for apresentado, arrastando o andamento da reforma no colegiado. Guimarães disse acreditar que há uma brecha para a estratégia. "Isso vamos discutir amanhã (terça)".

A Rede anunciou que vai entrar com uma ação na Justiça Federal pedindo a abertura dos dados. O PDT, por sua vez, avalia entrar com uma ação judicial contra o sigilo das informações da reforma da Previdência, conforme apurou o Broadcast Político com fontes do partido.

A legenda também cobra o detalhamento dos dados que levaram o governo a propor a reforma e a estimar uma economia de R$ 1 trilhão com as mudanças no sistema de aposentadorias.

Novo decreto no radar

Já nesta segunda-feira, 22, o grupo oposicionista anunciou um projeto de decreto legislativo contra o sigilo das informações sobre a reforma. A tramitação do projeto depende do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O governo, por sua vez, promete abrir os dados detalhados na comissão especial da Casa, a ser instalada após a votação na CCJ.

Além disso, a oposição promete protocolar um mandado de segurança na Justiça Federal do Distrito Federal pedindo a abertura dos dados.

Na última quarta-feira, o deputado Aliel Machado (PSB-PR) apresentou outro mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão da reforma na Câmara até que o governo divulgue os custos projetados com a transição para o modelo de capitalização.

"Pediremos que sessão da CCJ seja desmarcada até que parlamentares recebam e analisem dados, o que levaria uma semana", disse o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ).

Ainda nesta segunda, Molon e Machado prometem conversar com o presidente da CCJ na Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), pedindo a suspensão da sessão de terça-feira.

"Caso aconteça a votação, a única forma é procurar o Judiciário para cancelamento de uma votação. Isso seria muito pior", declarou Machado.

Parecer

Para que a votação do parecer ocorra na sessão desta terça-feira, integrantes do Centrão seguem em conversas com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, sobre alterações no texto. A equipe econômica garante que as mudanças não vão desidratar o impacto fiscal da reforma.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Novidade no pedaço

Azul e Unidas anunciam parceria para acúmulo de pontos

A partir de sexta-feira, os clientes passam a acumular dois pontos por real gasto e continuarão a ter o desconto de 10% na diária do aluguel dos carros da empresa parceira

Novos dados

Monitor do PIB aponta alta de 0,5% em maio ante abril, diz FGV

Em relação a maio de 2018, o PIB cresceu 4,3%, mas o resultado foi contaminado pela fraca base de comparação, já que a atividade econômica de maio do ano passado foi atingida em cheio pela greve de caminhoneiros

ficou mais pobre

Bill Gates perde 2º lugar em ranking dos mais ricos da Bloomberg

Com US$ 107 bilhões, empresário perdeu o posto para o CEO da empresa de artigos de luxo LVMH – dona da marca Louis Vuitton

Saldo negativo

Indústria paulista fecha 13 mil postos de trabalho em junho, diz Fiesp

Mesmo com o fechamento das 13 mil postos no mês passado, a indústria contabilizou saldo positivo no primeiro semestre, com a abertura de 2,5 mil vagas, um aumento de 0,11% sobre o semestre anterior

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alternativas para a Previdência

Guedes elogia ideia de PEC paralela para incluir Estados e municípios na reforma

Paulo Guedes, ministro da Economia, afirmou que a inclusão de Estados e municípios geraria economia de R$ 350 bilhões

Blog da Angela

Os dilemas de Paulo Guedes para liberar o saque de FGTS e PIS/Pasep

Mais complexa, liberação de contas ativas do FGTS tem impacto positivo que poderá ser potencializado pelo corte da taxa Selic no próximo Copom

Privatização

Governo muda de tática para vender Eletrobras

Com o dinheiro que captar com a venda das ações na B3, a bolsa paulista, a Eletrobras vai pagar à União pelo direito de operar usinas hidrelétricas a preços de mercado

sem perturbação

Plataforma para não receber ligações de telemarketing tem 620 mil inscrições

Número se refere apenas até as 17 horas desta terça-feira, 16. No mesmo dia, o sindicato que representa as operadoras, divulgou que nas primeiras 12 horas de funcionamento o site nãomeperturbe teve 328 mil cadastros

Tudo acaba em shopping

Liberação de FGTS é boa notícia para setor de varejo na bolsa

Em 2017, quando Temer liberou saques de contas inativas do FGTS, shoppings e varejistas observaram elevação de vendas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements