Menu
2019-11-07T09:08:14+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Balanço da companhia

Movida tem lucro de R$ 60,2 milhões no terceiro trimestre e está mais perto de resolver problema antigo

No terceiro trimestre, a empresa demostrou uma evolução da margem Ebitda no segmento de seminovos ao fechar com o indicador negativo em 1,3%, desconsiderando os efeitos do IFRS16. Considerando os efeitos, o percentual passaria a ser negativo em 0,5%

6 de novembro de 2019
20:12 - atualizado às 9:08
Movida
Imagem: Divulgação

A passos cada vez mais largos, a locadora Movida (MOVI3) vem mostrando que está mais preparada para brigar com grandes concorrentes como Localiza e Unidas no setor de locação de carros.

Segundo dados apresentados hoje (6) em seu balanço, a empresa encerrou o terceiro trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 60,2 milhões, o que representa uma alta de 45,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

O valor superou as expectativas dos analistas consultados pela Bloomberg, que esperavam que o lucro líquido ajustado ficasse na casa dos R$ 53,5 milhões. A receita líquida, por sua vez, também veio forte e terminou o período em R$ 960,8 milhões, uma expansão de 57,1% ante o mesmo período de 2018. Na previsão dos analistas consultados pela Bloomberg, o indicador ficaria em R$ 942,2 milhões.

Outro indicador que mostrou maior robustez foi o potencial de geração de caixa (Ebitda), que alcançou o maior valor registrado pela companhia em sua história. No terceiro trimestre, o Ebitda encerrou o período em R$ 191,8 milhões, o que significa uma alta de 60,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Quase lá

Mas um dos grandes destaques do balanço da companhia está na evolução do que ficou conhecido como o seu "calcanhar de Aquiles", que é o segmento de seminovos.

Isso porque a companhia teve que lidar durante um certo tempo com uma frota de seminovos que ficaram encalhados, muitas vezes porque os carros eram mais velhos e não existiam muito modelos populares.

Depois de reportar margem Ebitda negativa - que mostra a eficiência da companhia na capacidade potencial de gerar caixa - de 6,8% no ano passado, a empresa demostrou uma grande evolução ao entregar uma margem Ebitda negativa de 1,3% no terceiro trimestre de 2019, isso desconsiderando os efeitos do IFRS16.

Considerando o IFRS 16, a margem Ebitda permaneceria negativa, mas chegaria ao patamar de 0,5%. Mesmo abaixo de zero, a evolução do indicador aponta que a empresa está de fato cada vez mais perto de atingir o ponto de equilíbrio (breakeven) do indicador.

O percentual ainda está distante de concorrentes mais consolidadas no segmento de seminovos como a Localiza, por exemplo, que reportou uma margem Ebitda positiva de 3,6% no terceiro trimestre de 2019, ante os 2,1% do mesmo período de 2018, considerando o efeito do IFRS16. 

Mesmo assim, ao ser indagado pelo Seu Dinheiro, Edmar Lopes, CFO da Movida, disse que o resultado não é nada diferente do que eles esperavam.

"Estamos performando tal como havíamos planejado. Continuamos com a expectativa de que a margem Ebitda alcance o breakeven no último trimestre do ano ou no primeiro trimestre do ano que vem", destacou.

Segundo ele, a razão para a manutenção de uma margem Ebitda negativa está no fato de que a empresa esteve bastante focada em volume por um tempo e agora está mais focada em melhorar o preço.

Estratégias para melhorar

E isso vem surtindo efeito. No segmento de seminovos, o número de carros vendidos alcançou a marca dos 14,5 mil, ante os 7,9 mil veículos vendidos no terceiro trimestre de 2018.

Ao comparar o resultado operacional do segmento de seminovos do ano passado com este ano, por exemplo, é possível perceber também que a companhia adotou estratégias como a redução da idade dos carros vendidos e passou a oferecer um mix de carros melhor para os seus clientes. A recompensa veio com a evolução na margem Ebitda. 

Com isso, o preço médio dos carros vendidos também aumentou de R$ 38.156 e chegou a R$ 40.211 no terceiro trimestre de 2019. O gráfico do número de carros vendidos pelo preço médio do carro, por exemplo, mostra que o valor de venda alcançou o seu ápice agora no terceiro trimestre. 

 

Aluguel de carros

Além de ter tido uma melhora significativa no segmento de seminovos, a companhia demonstrou que vem aumentando a receita líquida na parte de aluguel de carros (RAC).

Na ocasião, a receita líquida dentro desse segmento alcançou R$ 269,7 milhões no terceiro trimestre deste ano, valor que é 17% maior do que o montante visto no mesmo período do ano passado.

A expansão está relacionada ao aumento de 17% na frota operacional, impulsionada pelo leve crescimento de 1% na receita média mensal por carro. A frota total de aluguel de carros no período também teve um salto de 10,4% e terminou o terceiro trimestre com 70.900 veículos.

Mesmo com o crescimento, um ponto chamou a atenção. Houve queda na margem bruta no segmento de aluguel de carros, ou seja, houve perda de poder competitivo.

No terceiro trimestre deste ano, a margem bruta do segmento de aluguel de carros ficou em 58,8%, o que representa uma variação negativa de 2 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

A razão para queda está relacionada ao aumento da depreciação da frota. O valor da depreciação trimestral anualizada saiu de R$ 1.027 para R$ 1.373 por carro no período, devido à mudança das taxas no terceiro trimestre de 2018 e do mix da frota.

Gestão e terceirização de frotas

Outro segmento que também está ganhando maior espaço é o segmento de gestão e terceirização de frotas (GTF). No terceiro trimestre, a receita líquida alcançou R$ 106,3 milhões, o que representa um aumento de 35,6%, e houve adição de 9,4 mil carros em relação ao mesmo período do ano passado.

A frota total de GTF durante o período, por sua vez, teve um aumento de 59,2% e fechou o trimestre em 39.303 veículos.

Porém, houve diminuição de 5,6% na receita média por carro. O motivo é a mudança de um perfil mais leve de contratos, aliado ao novo patamar de juros visto no Brasil.

Outro fator que também foi impactado foi o preço médio do carro comprado, que teve contração de 11% em relação ao terceiro trimestre de 2018. Tudo isso porque houve uma concentração de fechamento de contratos no fim do trimestre.

Na ocasião, também houve recuo na margem bruta no segmento de gestão e terceirização de frotas, ou seja, houve perda do poder competitivo. O indicador passou de 63,9% para 54,9%, o que representa um recuo de 9 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado. Isso é reflexo do aumento na depreciação.

De olho no endividamento

Já em termos de endividamento, a companhia também mostrou que vem diminuindo gradativamente o seu nível de alavancagem. 

Depois de captar R$ 832,5 milhões em oferta subsequente de ações (follow-on) em julho deste ano, a Movida conseguiu melhorar o seu caixa e fazer com que a relação entre a dívida líquida e o potencial de geração de caixa (Ebitda) alcançasse a mínima histórica de 2,3 vezes nos últimos 12 meses. No mesmo período do ano passado, a alavancagem da companhia era de 2,8 vezes.

Apenas para fins de comparação, a Localiza, que é a líder no setor e que reportou seus números no último dia 23 de outubro, apresentou uma relação entre a dívida líquida e o Ebitda de 2,7 vezes nos últimos 12 meses, considerando os efeitos da IFRS16.

De acordo com Lopes, agora a companhia está mais confortável para aumentar o seu endividamento com foco em capturar o crescimento do mercado.

Em sua fala, ele destacou que "é possível crescer e mesmo assim fazer com que a relação entre a dívida líquida e o Ebitda fique abaixo de 3 vezes. Com o caixa robusto que temos hoje de R$ 1,6 bilhão e a atual curva de juros, a expectativa é adicionar 10 mil carros até o ano que vem".

E o cenário para ajudar a empresa a investir nela mesma também é favorável. Segundo ele, há um espaço bom para a locadora crescer, já que a penetração das locadoras ainda é baixa no Brasil e porque a queda na taxa básica de juros vai ajudar na redução do custo da dívida, que é pós-fixada e atrelada à Selic.

Na opinião dele, nem mesmo a recente notícia de que as montadoras passaram a oferecer locação de modelos para pessoas físicas pode atrapalhar o crescimento da locadora.

"As montadoras terão uma atuação de nicho. A gente vê como uma nova alternativa, mas que ainda não possui escala relevante. Além disso, nós oferecemos uma operação muito mais complexa e completa ao cliente", pontua Lopes. 

Rentabilidade

Em termos de rentabilidade, o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) da companhia também teve uma evolução. No comparativo com o terceiro trimestre do ano passado, o ROE passou de 8,8% para 10,1%. 

O aumento do indicador mostra que houve uma melhoria na eficiência da empresa em gerar valor na forma de patrimônio líquido em relação às demais concorrentes do segmento.

Mas, ainda que tenha ocorrido uma expansão, o ROE da Movida está atrás de sua principal concorrente. No terceiro trimestre deste ano, a rival alcançou um retorno sobre o patrimônio líquido de 14,88%.

O retorno sobre o capital investido (ROIC), por sua vez, teve leve evolução e passou de 10,2% no terceiro trimestre do ano passado para 10,6% no mesmo período deste ano.

Na prática, o ROIC mostra quanto de dinheiro a organização tem capacidade de gerar com o capital que foi investido, e o seu aumento é bastante positivo para a companhia.

Os bons números apresentados pela companhia têm feito com que as ações da Movida tenham alcançado uma alta de 84,90% no ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Tensão nos ares

Crise na Boeing: sindicatos de companhias aéreas temem a liberação do 737 Max

Com a possibilidade de as aeronaves 737 Max da Boeing serem liberadas novamente para voar, os sindicatos das companhias aéreas mostram-se preocupados

Protestos no país

Banco Central do Chile anuncia novas medidas para conter a queda do peso

A autoridade monetária do Chile irá adotar mais ferramentas para frear a trajetória de desvalorização da moeda do país, em meio à onda de protestos sociais vistos nos últimos dias

Renda fixa

CDB com remuneração de até 124% do CDI? É a oferta do C6 Bank

O C6 Bank oferece novas opções de investimento em CDB com resgates mais longos. A rentabilidade pode chegar a 124% do CDI

Expansão no país

Carrefour Brasil investe R$ 2 bilhões e quer mais parcerias

O Carrefour Brasil mostra-se otimista em relação às perspectivas para o país em 2020. Como resultado, o grupo continuará investindo e abrindo novas unidades

Tudo que vai mexer com o seu dinheiro hoje

Inflação e terno preto nunca saem de moda

Um certo frenesi sempre tomou conta das redações do país no dia de divulgação do índice de preços. A inflação brasileira é um número a acompanhar com lupa no noticiário econômico. Em um passado não tão distante, todo o mês os economistas apontavam o vilão dos custos do consumidor. O tomate virou uma espécie de […]

Agora vai?

Declarações de autoridades dos EUA mostram otimismo nas negociações com a China

O tom mais ameno assumido por duas autoridades dos EUA em relação às conversas com a China renova a esperança dos mercados quanto ao fechamento de um acordo

Siga o mestre

Warren Buffett fez novas apostas na bolsa e vendeu parte de suas ações da Apple

Um frenesi toma conta dos mercados americanos nesta sexta-feira: o lendário Warren Buffett comprou ações de duas empresas — o que faz esses papéis dispararem hoje

Feriado? Que feriado?

Os mercados estão abertos lá fora — e as bolsas dos EUA estão nas máximas

Uma sinalização animadora das autoridades americanas quanto às negociações com a China dá força aos mercados globais nesta sexta-feira

Sem crise

Sabesp tem lucro líquido de R$ 1,209 bilhão no 3º trimestre, alta de 113,9%

A Sabesp reportou forte expansão no lucro líquido e no Ebitda no terceiro trimestre deste ano, impulsionada pelo início das operações em Santo André e Guarulhos

Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements