Menu
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
AINDA DENTRO DA META

Mercado continua sentindo cheiro de inflação maior para este ano

Essa é a quarta alta de previsão do indicador no ano, segundo boletim Focus, do Banco Central

8 de outubro de 2018
10:40 - atualizado às 11:32
Estimativa do mercado para o IPCA foi de 4,30% para 4,40% neste ano - Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

O mercado financeiro elevou, mais uma vez, a estimativa de inflação para este ano, segundo relatório de mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (8).

Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, os economistas subiram a estimativa de 4,30% para 4,40% em 2018. Essa é a quarta alta do indicador no ano que, há um mês, estava em 4,05%. Para 2019, o mercado continua prevendo um índice de 4,20%. Há um mês, estava em 4,11%.

Para 2020, a projeção do Focus para o IPCA continuou a 4%. Pra 2021, a expectativa foi de 3,97% para 3,95%. Há quatro semanas, era 4% e 3,87%, respectivamente.

Com isso, as estimativas do IPCA ainda seguem dentro da meta de 4,5% para o ano.

O relatório também trouxe outras previsões:

  • Produto Interno Bruto (PIB): caiu de 1,35% a 1,34% para 2018 e manteve estável em 2,50% para 2019.  Os economistas também não alteraram previsão para 2020 e 2021, que continuou em 2,5%
  • Dólar: o mercado manteve as projeções anteriores para 2018, a R$ 3,89, e para 2019, a R$ 3,83
  • Taxa básica de juros (Selic): estável em 6,50% em 2018 e 8% para 2019
  • Balança comercial: projeção de 2018 subiu de US$ 54,6 bilhões para US$ 55 bilhões; para 2019, foi de US$ 45,6 para US$ 46,3 bilhões

IGP-M

O relatório também mostrou a média das projeções para o IGP-M em 2018 permaneceu em 9,60%. Há um mês, estava em 8,25%. No caso de 2019, a alta do IGP-M projetada foi de 4,50% para 4,49%, ante os mesmos 4,49% de quatro semanas antes.

Os Índices Gerais de Preços (IGPs) são calculados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV)  e são afetados pelo desempenho do câmbio e pelos produtos de atacado, em especial os agrícolas.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu