Menu
2019-06-26T17:27:01+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Acabou a moleza

Mansueto: Ganhar 6% real com título público é anomalia do Brasil do passado

Secretário do Tesouro relaciona queda de juros com otimismo do mercado sobre reformas e se diz tomador de prefixados com taxas na casa dos 8%

26 de junho de 2019
17:27
Mansueto
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, comenta o Resultado Primário do Governo Central relativo a maio de 2019 - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que a queda nas taxas de juros dos títulos públicos é um sinal claro do otimismo do mercado com a aprovação da reforma da Previdência. Mas ponderou que o cenário fiscal do país ainda é muito frágil.

“Sem reforma da Previdência, esse cenário vai embora”, disse.

Mansueto chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados. As NTN-Fs para 2029 saíram a 7,96% no último leilão feito pelo Tesouro na semana passada, contra 8,45% no fim do mês passado e 9,01% no começo de maio.

Perguntei ao secretário se ele era comprador desses títulos nessa faixa de preço. Bem-humorado, ele disse que não tinha dinheiro, mas depois disse que aplicaria.

Na sequência, Mansueto falou que algo bem interessante está acontecendo.

“Nos acostumamos com taxas altas. Gestores e aplicadores estavam acostumados com rendimento real de 6% ou mais. E isso acontecia dois anos atrás. Agora, estamos rumando para um cenário de juro de equilíbrio caminhando para valor muito baixo”, disse.

De acordo com Mansueto, os fundos de investimento e demais aplicadores já estão procurando alternativas de rendimento e terão de buscar retorno em crédito privado, debêntures e outros instrumentos.

“Ficar tranquilo ganhando 6% real ao ano é anomalia do Brasil do passado, que não espero que volte a acontecer. Essa questão de ter segurança de título público com juro real alto só acontece em país que precisa se endividar e o mercado exigia uma taxa punitiva. Mas novamente, sem reformas, esse cenário todo vai embora”, concluiu.

Para ilustrar essa fala do secretário, replico abaixo slide da apresentação sobre a dívida pública, feita na manhã de hoje, onde podemos ver a queda no custo de captação do Tesouro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O FUTURO CHEGOU

“Revolução que está por vir é a maior que a indústria já teve”, diz Carlos Zarlenga

Para o presidente da General Motors América do Sul, a tarefa diária é tentar liderar o processo de metamorfose digital que tornará o automóvel uma espécie de celular gigante que carrega pessoas

Surpresa

Bilionário Bernard Arnault fica US$ 6 bi mais rico em menos de 3 dias

O homem mais rico da Europa viu sua fortuna subir de novo para a casa dos US$ 100 bilhões após a divulgação dos resultados de seu conglomerado

HERMANOS

O sobe e desce da Argentina sob o governo Macri

As falhas do presidente argentino no comando do país ficaram evidentes em 2018, quando seu plano econômico foi por água abaixo

Seu dinheiro no domingo

Você prefere comprar ações baratas ou que estão em alta?

Setembro viu um movimento de rotação entre essas categorias de ações, com grandes investidores trocando momentum por value. Calma que vamos explicar

Gigante

Natura diz que custo de união de negócios com Avon será de R$ 349 milhões

A expectativa é de que a combinação dos negócios dê origem ao quarto maior grupo do setor de beleza no mundo

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS: O bilionário mais (des)conhecido do Brasil

Existem algumas situações na vida em que, simplesmente, não dá para não ser notado. Gêmeos idênticos, por exemplo. Falo por experiência própria: quando eu ando na rua ao lado da minha irmã as pessoas ficam olhando como se estivessem assistindo a um jogo de ping-pong. Olham para uma, depois para a outra, depois voltam na […]

BACK TO THE GAME

O bilionário André Esteves e sua incrível capacidade de voltar ao jogo

Conheça a história do banqueiro que começou como garoto-prodígio, fez fortuna no mercado financeiro, já foi preso e está de volta

Pesquisa

20% dos usuários do Twitter são investidores; será este o perfil do #fintwit?

Segundo pesquisa da empresa responsável pela rede social, este público é majoritariamente masculino e de renda alta

Mais um casamento?

“Bolsonaro é o principal influenciador em SP”, diz Datena

O apresentador nunca concorreu a cargo público, mas seu nome tem surgido nas últimas eleições como potencial “outsider” a entrar para a política

Em obras

Retomar obras destrava até R$ 144 bilhões

Os “esqueletos” correspondem a 14 mil obras paralisadas em todo o País, 37,5% dos empreendimentos analisados pelo órgão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements