Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-05-26T10:55:50+00:00
Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

26 de maio de 2019
11:35 - atualizado às 10:55
Kleber Bambam
Kleber Bambam, o vencedor do primeiro BBB - Imagem: Reprodução YouTube

Kleber Bambam foi o vencedor da primeira edição do Big Brother Brasil, o reality show exibido na TV Globo. Para quem não se lembra ou não assistiu ao programa, Bambam ficou conhecido por passar quase todo o tempo confinado na casa do lado de uma boneca feita de sucata, batizada por ele de Maria Eugênia.

Quando a produção do programa tirou a boneca da casa, Bambam desatou a chorar em frente às câmeras, e não parou até que a devolvessem. O gesto comoveu os espectadores e até hoje é lembrado pelos fãs do BBB.

Um deles, quem diria, é Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia. O economista com pós-doutorado na Universidade do Alabama fez a revelação durante uma palestra na quinta-feira em um evento para investidores em São Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Eu estava na plateia e confesso que fiquei surpreso com a referência ao reality show, ainda mais vinda de um dos liberais e acadêmicos mais graduados da equipe do ministro Paulo Guedes.

Questionado se faltou foco ao governo nos primeiros meses, Sachsida respondeu que o problema do país não é o Twitter, a rede social preferida de Bolsonaro e responsável por algumas das polêmicas nas quais o presidente se envolveu.

“Será que a gente não está criando um estresse descomunal por um escovão?”, disse Sachsida, ao contar ao público a história da boneca do Bambam.

O secretário atribuiu o atual quadro de estagnação do país aos anos de desajuste fiscal dos governos petistas. “Foram adotadas medidas desastrosas do ponto de vista monetário e fiscal de 2007 a 2016.”

Ele citou como exemplo dessa política a reforma do estádio Mané Garrincha para a Copa de 2014, que além do custo bilionário ainda gera uma despesa de manutenção de R$ 60 milhões por ano. “Se o governo tivesse queimado dinheiro seria melhor.”

Com ou sem Twitter, um dos desafios da equipe que assumiu o comando da economia em janeiro é corrigir essa má alocação de recursos e tirar o Brasil do paredão. Ou, como disse Salim Mattar, responsável pelo programa de privatizações do governo, tirar a locomotiva do brejo e colocá-la de volta aos trilhos.

A gestão Bolsonaro é a primeira assumidamente liberal a assumir os destinos da economia brasileira. Mas quem ficou ansioso para ver logo algum resultado dessa mudança de direção deve ter ficado frustrado.

As fichas foram todas colocadas na (necessária e urgente) reforma da Previdência. Poderia ser diferente? Talvez, se em vez de enviar uma proposta nova e recomeçar a tramitação do zero o governo decidisse levar adiante o projeto da gestão Temer, que estava pronto para ser votado no plenário da Câmara.

O atraso pode até compensar no longo prazo se o saldo final for a aprovação do “R$ 1 trilhão do Guedes”. Mas seja qual for o resultado, o fato é que teremos mais um ano praticamente perdido. Para um país com 13,4 milhões de pessoas em busca de emprego, fico em dúvida se o governo podia se dar a esse luxo.

Com as atenções voltadas para a Previdência, as medidas da agenda liberal na economia devem ficar para depois. Até agora tivemos apenas uma “palhinha” com a Medida Provisória nº 881, a tal “MP da Liberdade Econômica”.

Com pouco menos de seis meses de governo, seria mesmo injusto cobrar resultados dos liberais de Paulo Guedes. É só lembrarmos que o time montado pelo então ministro Fernando Henrique Cardoso no governo Itamar Franco atuou um bom tempo nas sombras até tirar o Plano Real da cartola.

O problema é que mais de duas décadas separam os dois governos. De lá para cá, a sociedade se tornou muito mais imediatista. E, em tempos de Big Brother e redes sociais, é quase um dever cívico ficar o tempo todo de olho nas autoridades de Brasília.

E você, acha que já deu tempo para avaliar o desempenho da economia no governo Bolsonaro? Deixe seu comentário logo abaixo – ou no Twitter, é claro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Sai da minha aba, Estado

O Estado é aquele gigante metido que mais atrapalha do que ajuda. Os empreendedores precisam tirar ele do seu caminho. Confira as mais lidas da semana no Seu Dinheiro

O FRUTO DA CANNABIS

Cofres cheios de verde: Colorado atinge US$ 1 bilhão em arrecadação com maconha

Pioneiro na legalização do comércio da erva, estado americano comemora cifra e quer atrair empresas para expandir e lucrar ainda mais com o setor

MAIS UM PRA CONTA

Bolsonaro demite terceiro militar em uma semana

Segundo o presidente, Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista” ao criticar a privatização da estatal e tirar fotos com parlamentares da oposição

"Cash is king"

O risco “oculto” que deixa até famílias ricas sem dinheiro para pagar as contas

Já pensou ter milhões em imóveis, mas nem um tostão para o dia a dia? A falta de liquidez é um vilão até para os mais ricos. Saiba como fugir dessa armadilha

Olha ele aí

Michael Klein confirma compra de 1,6% de ações da Via Varejo em leilão da B3

Com o movimento, Klein agora se torna o maior acionista de referência da companhia de varejo

De costas para o ministro

Ramos: não nos contaminaremos pela fala de Guedes num momento bom da reforma

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez críticas nesta sexta-feira, 14, aos deputados depois da apresentação do relatório da reforma

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements