Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
Advogada do investidor

E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho…

Mudar de previdência pode ser uma das melhores decisões que você toma para seu dinheiro

6 de fevereiro de 2019
19:12 - atualizado às 16:32
No universo da previdência, assim como no de telefones celulares, mudar é mais do que legal – é necessárioImagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

De uma semana para cá, mudei de carro, mudei de casa e até diria que mudei de estado civil – não fosse o fato de eu achar que amor e cartório não combinam. Entre os dois, fico com o primeiro. Hoje cedo, para me vestir, combinei o conteúdo de seis caixas diferentes. Em uma delas, o Getúlio tinha feito xixi. Getúlio é o cachorro, bom dizer – ele veio no pacotinho.

É a quarta mudança de casa desde que vim morar em São Paulo, deixando para trás Campinas, depois de dar adeus a Brasília, para onde meus pais foram quando eu tinha oito anos, partindo de Diamantina, cidade em que fui registrada, apesar de ter nascido em Belo Horizonte um mês antes.

A mudança de Diamantina para Brasília foi a mais difícil. Fomos de férias, minha mãe decidiu que queria ficar. Coube a meu pai vender o que ficou para trás e seguir.

Àquele momento da vida atribuo minha quase ausência de sotaque mineiro – “ocê” e “docê” não fizeram sucesso no recreio. Minha irmã mais velha me orientou carinhosamente a parar imediatamente de falar daquele jeito se não quisesse continuar lanchando sozinha.

Mudanças não são fáceis. Ponto. Olhando para trás, entretanto, não me arrependo de nenhuma delas (talvez de ter abandonado o sotaque mineiro). Elas me fizeram mais forte e me renderam uma capacidade de me adaptar a qualquer ambiente. A verdade é que hoje sou viciada nelas: há algo melhor para trabalhar o cérebro do que decorar o nome do novo zelador, dos novos vizinhos, conhecer as ruas próximas?

Talvez não seja coincidência que eu tenha escolhido para dividir meu universo particular alguém que carregue no currículo Rio, Vila Velha, Goiânia, Brasília, Belo Horizonte, São Bernardo do Campo e São Paulo. Sintonia.

No universo da previdência, assim como no de telefones celulares, mudar é mais do que legal – é necessário. E tem verbo próprio de mesma conjugação: portar.

O fato é que, se você investiu em VGBL ou PGBL algum dia, muito provavelmente está em um produto ruim e vai ficar melhor se portar. Não é culpa sua. Essa é uma indústria cheia de conflitos, que paga comissões gordas a quem vende e, por isso, feita para não ser compreendida, começando pelas siglas: Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Não consigo ver em que ordem esse nome faz algum sentido.

Enquanto a maior parte da previdência não muda, a gente muda.

A vantagem da portabilidade na previdência é que seu dinheiro muda de lugar, mas, para o Leão, nada muda. Ou seja, se você escolheu a tabela regressiva e já está em uma faixa de imposto menor, nela permanecerá – sabia que a alíquota cai a cada dois anos e que chega a 10 por cento depois de 10 anos? É o menor imposto do mundo dos investimentos tributáveis. E, claro, seu histórico vai com você.

Fiz um levantamento aqui só para você ter uma ideia da furada em que pode estar. Peguei os três maiores fundos de previdência brasileiros na provedora de dados Quantum Axis e puxei o retorno deles na última década:

Sério? Dez anos e essa merreca de vantagem sobre o CDI? Se houver taxa de carregamento então, o retorno fica pior ainda – esse dado não é público, depende da negociação cliente a cliente.

Se o gerente indicou a você um fundo de previdência, é bem possível que você tenha dinheiro em um dos produtos acima – eles são os maiores porque são mais indicados.

Vale lembrar que os retornos passados ainda foram beneficiados por um período de ajuste para baixo nos juros brasileiros, em que títulos prefixados e indexados à inflação ganham valor. Imagine o que vai acontecer com o retorno dos próximos dez anos, em que a gordura na renda fixa não é mais tão clara.

A taxa de carregamento é a mais absurda do mundo dos investimentos. O famoso pagar para sorrir: aquele valor que você desembolsa na balada mesmo que seja uma festa estranha, com gente esquisita e que você não beba nada.

Bom dizer que, se seu plano tiver taxa de carregamento na saída, você vai pagá-la ao portar. Mas ia pagar mesmo algum dia, quando o dinheiro saísse de lá. Melhor tirar o curativo logo do que passar a vida inteira em um plano que vai render para você uma aposentadoria medíocre.

Se ainda não está muito certo da necessidade de portar, sugiro que você passe seu plano pelo teste da aposentadoria feliz. Se ele rende perto do CDI em períodos longos, de 3, 5, 10 anos... então já vá se despedindo dos bons vinhos, grandes viagens e da pipoca no cinema (quer me deixar mal, me mande cortar os pequenos prazeres).

Vale a pena sacar? Não. Para períodos curtos (e mesmo relativamente longos, como cinco anos), o imposto incidente sobre o resgate de previdência é bem alto. Por isso, o verbo é portar.

E para onde levar o dinheiro que você vai portar? É uma escolha sua. Busque opções que diversifiquem para além da renda fixa, com taxas de administração compatíveis com o trabalho de gestão e sem taxa de carregamento. E perca o medo de mudar.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

Novidades

O que mudou na declaração de imposto de renda em 2019

Principal novidade é a obrigação de informar CPF de dependentes e alimentandos, independentemente de idade; confira todas as mudanças e a atualização dos valores

Reforma da Previdência

Proposta de reforma para militares deve chegar ao Congresso antes de 20 de março

Segundo Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho, mudanças devem ser apresentadas ao Congresso antes do término do prazo de 30 dias estabelecido inicialmente

Em busca de um novo líder

Oi ainda sonda Amos Genish, ex-presidente da Vivo, para comandá-la

Em busca de novo líder para a sua reestruturação, operadora quer ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália no comando, mas executivo recusou convite, por ora

Siga o dinheiro

Receita Federal entra na dança e passa a investigar miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Fisco vai ampliar a cooperação com o MP do Rio e investigar alvos da Operação Os Intocáveis; entre eles, está o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, cujas mãe e esposa trabalharam para o filho do presidente

Bon Vivant

Noronhe-se como os famosos! Fernando de Noronha tem luau de chefs, ‘sea coach’ e, claro, praias paradisíacas

Roteiros exclusivos e experiências customizadas são os ingredientes para incrementar a visita um dos lugares mais lindos do planeta onde dá praia o ano todo. Você também merece pisar no paraíso e curtir uns dias de folga.

É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

Reforma da Previdência

À BBC, Mourão diz que Congresso aprova “qualquer coisa” para militar

Mourão justificou que a tramitação é muito mais rápida no caso dos militares porque, para isso, é necessário apenas um projeto de lei, que requer maioria simples dos votos

Mais um empecilho?

Tipo novela mexicana… Justiça concede liminar para suspender assembleia da Embraer que decidirá sobre acordo com Boieng

O juiz destacou que “não se visualiza nesta decisão qualquer ameaça ou comprometimento da economia do País ou situação provocadora de crise na medida que busca conservar uma situação que se encontra consolidada no tempo e eventual oscilação em preços de ações da Boeing ou da Embraer são considerados efeitos metajurídicos normais de qualquer decisão judicial sem a tônica de representar repercussão nos interesses do País”

O melhor do Seu Dinheiro

O Ministério da Economia adverte

Tem uma piada antiga sobre o fulano que vai comprar um maço de cigarros na padaria e, ao ler na embalagem que fumar causa impotência sexual, pede para o balconista trocar por um que causa câncer. Eu me lembrei da anedota ao me deparar com uma espécie de advertência do Ministério da Economia: o atual […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu